domingo, 2 de fevereiro de 2020

BARRY E A BANDA DAS MINHOCAS

Nota 4,0 Desenho com minhocas peca na criação de personagens, mas compensa pela trilha sonora 

Embora tenha aumentado a oferta, ainda são poucas as animações fora do eixo hollywoodiano que conseguem espaço em outros países, salvo em festivais e mostras de cinema. Quando algumas conseguem desbravar fronteiras é motivo para se comemorar e prestigiar, mesmo que apenas por curiosidade. Resultado da parceria entre a Dinamarca e a Alemanha, Barry e a Banda das Minhocas está longe de ser um primor em termos visuais ou criatividade, mas vale uma espiada para fugir um pouco do maçante estilo dos desenhos americanos que priorizam cada vez mais o realismo. Aqui é quase uma volta as raízes das animações com o uso proposital de uma saturada paleta de cores e estrelado por criaturas que não são os seres mais fascinantes da terra e por isso mesmo ganham contornos e características estereotipadas para as tornarem mais aceitáveis pelo público. Um filme protagonizado por minhocas não parece uma ideia muito animadora, mas ainda assim a produção assinada pelo diretor Thomas Borch Nielsen, estreando no campo das animações, consegue transformar os personagens rastejantes em figuras simpáticas e dotadas de certo movimento além do habitual, todavia, isso não é o suficiente para manter total interesse pela fita já que sua narrativa é um tanto preguiçosa. Barry é um jovem minhoca que está cansado de ver sua espécie ser motivo de zombaria por parte de outros animais, principalmente alvo de chacotas pelos insetos, e não aceita o futuro ao qual está destinado: trabalhar em uma empresa de fertilizantes, a sina de todos os seus semelhantes. Seu próprio pai não gosta desta atividade, mas se conformou com seu destino. Pressionado pela mãe, Barry acaba seguindo o caminho que lhe fora previamente traçado, mas sua vida ganha um novo sentido quando encontra a coleção de discos do seu pai, uma coletânea com os melhores hits dos tempos das discotecas. Contagiado pelo ritmo, o jovem imediatamente tem a ideia de montar uma banda para participar de um show de talentos e assim provar que as minhocas podem ir além, mas encontrar os parceiros certos para embarcar junto nesse sonho não será nada fácil.

A ideia para o filme surgiu do próprio Nielsen que tem o hábito de realizar passeios noturnos para colher minhocas e certa vez notou que uma delas parecia dançar na palma de sua mão enquanto tocava um sucesso da década de 1970. Claro que eram espasmos naturais do corpo do animal, mas serviu para dar asas a imaginação do diretor que também escreveu o roteiro em parceria com Morten Dragsted. Pode parecer estranho uma produção protagonizada por criaturas consideradas asquerosas, mas não deixa de ser uma ideia bem-vinda na contramão do excesso de cachorrinhos, gatinhos e outros animais fofinhos que assolam o campo dos desenhos animados. E se ratos e insetos já foram transformados em personagens cativantes e divertidos, por que o mesmo não poderia ser feito com as minhocas? É justamente esse o grande problema de Barry e a Banda das Minhocas. Fora o protagonista, os demais seres não causam empatia e tem personalidades rasas, assim pouco nos importamos com seus destinos. Não torcemos pelo sucesso da banda e menos ainda para que Barry conquiste seu interesse romântico. A minhoca que se sente inferior por ser gordinha não cativa e nem consideramos a sexualidade suspeita do roqueiro do grupo, algo pouco usual em projetos infantis. A graça em ver animais desprovidos de ossos tentando equilibrar seus esguios e cilíndricos corpos enquanto dançam, lembrando que eles não tem braços ou pernas para ensaiarem passos característicos das discotecas, não chega a durar muito, mesmo com a duração bastante enxuta do filme. Os números musicais é o que há de melhor no longa, resgatando hits de sucesso da era disco para a alegria dos adultos e a curiosidade das crianças, mas em contrapartida temos que acompanhar as desastrosas tentativas de Barry e seus amigos para encontrar ritmo e equilíbrio para poderem tocar juntos. Falta profundidade à narrativa que se desenrola de forma acelerada condensando diversas etapas, o que acaba comprometendo os momentos de emoção e enfraquecendo os divertidos. De qualquer forma, o filme entretém seu público-alvo, crianças bem pequenas que se distraem com qualquer produção multicolorida e com certa agitação.

Animação - 75 min - 2008

-->
BARRY E A BANDA DAS MINHOCAS - Deixe sua opinião ou expectativa sobre o filme
1 – 2 Ruim, uma perda de tempo
3 – 4 Regular, serve para passar o tempo
5 – 6 Bom, cumpre o que promete
7 – 8 Ótimo, tem mais pontos positivos que negativos
9 – 10 Excelente, praticamente perfeito do início ao fim
Votar
resultado parcial...

Nenhum comentário:

Leia também

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...