sábado, 14 de dezembro de 2019

INFLUÊNCIA

Nota 2,5 Terror espanhol abusa dos clichês e acaba se tornando uma obra confusa e sem identidade

Já faz alguns anos que a Espanha é reconhecida como o berço do gênero terror. De lá vieram excelentes produções como Rec que além de sequências também gerou interesse de Hollywood em fazer seu remake e também em emigrar cineastas hispânicos para dar um gás ao seu universo de horror. Contudo, o país também tem lá seus tropeços como é o caso de Influência, longa de estreia do diretor Denis Rovira von BoeKholt que, apesar de apresentar alguns bons momentos esporádicos, deixa notar suas dificuldades para conduzir a obra. Baseado no romance do britânico Ramsey Campbell, o longa conta a história de uma família desestabilizada por algo sobrenatural. Alicia (Manuela Vellés) se muda com o marido Mikel (Alain Hernández) e a filha Nora (Claudia Placer) para a antiga casa em que viveu quando era criança e de onde não guarda boas recordações. Ela vai para ajudar a cuidar da mãe Victoria (Emma Suárez) que está já há alguns anos em estado vegetativo presa a uma cama, mas deixa claro que faz isso em consideração a irmã Sara (Maggie Civantos). O retorno a faz reviver dolorosas lembranças do passado e as coisas se complicam quando uma série de eventos inexplicáveis passam a colocar a vida de todos em perigo e a afetar principalmente o comportamento de Nora. O primeiro ato do longa é dedicado a estabelecer a relação entre os personagens e oferecer pequenos detalhes sobre o sinistro passado da família e o que levou a moribunda matriarca a flertar com o satanismo e outras forças ocultas. Nesse ponto o longa é bastante direto e razoavelmente bem feito, caprichando na exploração do cenário aterrorizante da residência onde praticamente toda a ação acontece. Contudo, o roteiro, escrito pelo próprio cineasta, vai apresentando os fatos do passado e do presente da família de forma aleatória, sem continuidade ou transição entre uma cena e outra, o que pode gerar certa confusão e até mesmo desinteresse. Quem decide encarar até o fim também acaba se decepcionando com a avalanche de clichês que estão por vir. Não que eles sejam o real problema, afinal de contas é difícil ser original neste tipo de produção, mas BoeKholt poderia ter evitado anunciar os acontecimentos dosando efeitos sonoros e sua própria câmera.

Fica nítida a pretensão de se aproximar de um estilo hollywoodiano a fim de atingir um público mais amplo. A estratégia acabou chamando a atenção da Netflix que adquiriu o longa para seu catálogo, ainda que a empresa de streaming tenha produções independentes do gênero muito superiores. BoeKholt parece ter medo de ousar e prefere seguir a linha do horror tradicional apostando em uma casa rústica e antiga, símbolos demoníacos, um provável amigo imaginário, família problemática e em uma fotografia escura e iluminação baixa, como se os próprios personagens vivessem na penumbra propositalmente como se clamassem por energias negativas. Todavia, nada que possa assustar, a não ser os momentos em que o silêncio é quebrado pela lenta respiração de Victoria que é mantida viva por intermédio de aparelhos. Ficamos na expectativa de que a qualquer momento sua fragilidade seja desmascarada, obviamente uma cena reservada para o clímax, diga-se de passagem, nada impactante apesar de investir no gore, despejando muitas cenas sanguinolentas para compensar todo o marasmo. Provavelmente a maior parte do orçamento foi gasto no ato final com maquiagens, sangue falso e finalmente a materialização de todos os demônios que o longa conjura. O grande problema de Influência é não ter estopo para se manter por cerca de uma hora e meia. O diretor demora quase uma hora para desenvolver o drama familiar reciclando situações para esticar a trama, assim como a inserção de alguns personagens que não acrescentam nada, entram e somem de cena sem dizer a que vieram. Vale destacar o bom trabalho da atriz mirim Placer responsável pelos momentos mais violentos e conseguindo tornar crível a transformação do perfil de sua personagem de menina dócil para vingativa. Ela é diretamente influenciada pela avó que mesmo em coma transmite todo sua energia negativa para a garota e para o desespero de Alicia que sabe que a única forma de salvar a filha é matando a mãe. O resultado é um filme frio e que desde o início deixa uma incômoda sensação de deja vu e, pior ainda, de algo que você não tem vontade alguma de rever.

Terror - 99 min - 2019
-->

INFLUÊNCIA - Deixe sua opinião ou expectativa sobre o filme
1 – 2 Ruim, uma perda de tempo
3 – 4 Regular, serve para passar o tempo
5 – 6 Bom, cumpre o que promete
7 – 8 Ótimo, tem mais pontos positivos que negativos
9 – 10 Excelente, praticamente perfeito do início ao fim
Votar
resultado parcial...

Nenhum comentário:

Leia também

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...