quarta-feira, 31 de maio de 2017

DOIS É BOM, TRÊS É DEMAIS

NOTA 3,5

Com Owen Wilson apenas
reciclando o papel de marmanjo
imaturo, comédia não traz novidades
e se arrasta com piadas previsíveis
Você se lembra da comédia Duplex? Drew Barrymore e Ben Stiller interpretavam os simpáticos protagonistas começando a vida a dois de maneira bastante conturbada. Embora moradora do segundo andar, a velhinha vivida pela divertida Eileen Essell aprontava mil e uma para tirar o casal do sério propositalmente. Analisando de maneira bastante simplista, Dois é Bom, Três é Demais praticamente conta a mesma história com destaque para o personagem de Owen Wilson, também produtor da fita. Ele vive Randolph Dupree, o encosto da vez, porém, sem querer querendo. Sem ter onde morar e desempregado, ele acaba sendo acolhido por Carl Peterson (Matt Dillon), que acredita ter a obrigação moral de ajudar seu melhor amigo desde os tempos do colégio, uma amizade sincera embora os dois tenham perfis completamente opostos. O problema é que o jovem executivo acaba de se casar com Molly (Kate Hudson) e mal terá tempo para aproveitar o lar doce lar. Compreensiva, a esposa não faz objeções quanto ao ato de caridade, mas não tarda a se arrepender. Da posse da mensagem gravada na secretária eletrônica, passando pelo inconveniente de ter que dividir o banheiro da suíte dos pombinhos e chegando ao cúmulo de um aviso de não perturbe na porta de entrada para não atrapalhar uma transa, Dupree é um mala sem alça que leva ao pé da letra mensagens do tipo "fique à vontade" ou "sinta-se como se estivesse em sua casa". O que era para ser uma estadia de alguns dias, acaba se prolongando indefinidamente. Ao invés de procurar emprego, coisa que até tenta fazer, mas sempre ele próprio se desqualificando às vagas, o marmanjão gasta seu tempo brincando com as crianças e adolescentes da rua, organizando reuniões com amigos e não perde a chance de dar pitacos na vida do casal recém-formado e careta. Ele até tem consciência que erra e tenta se redimir com algumas boas ações, mas nunca aprende com seus deslizes. Sempre sendo perdoado, só lhe cai a ficha que é um fardo para os amigos quando literalmente coloca fogo na casa com mais uma de suas aventuras sexuais.

segunda-feira, 22 de maio de 2017

OLIVER TWIST (2005)

NOTA 5,0

Adaptação de Roman Polanski de
clássico literário é esteticamente bela,
mas fica a dever em emoção e é estranha
à filmografia do premiado diretor
Clássico é sempre clássico e não pode ficar restrito a uma geração. Seja através da releituras literárias, adaptações para o cinema, televisão ou teatro ou tão somente ter algum trecho como fonte de inspiração para qualquer outra manifestação artística, é importante que obras de relevância do passado façam parte da cultura de épocas futuras. Pode-se inspirar nos originais para uma versão modernizada ou simplesmente seguir à risca os escritos sem permissão para ousadias, mas em ambos os casos existe o risco de errar. O clássico romance de Romeu e Julieta ou a trágica história de Hamlet são alguns exemplos de histórias que atravessam gerações, contadas e recontadas das mais variadas formas, mas certamente se algum diretor de cinema lançar a ideia de uma nova adaptação de qualquer uma destas obras será detonado nas redes sociais.  Com sua adaptação engessadinha de Oliver Twist o cultuado cineasta Roman Polanski não chegou a ser um grave alvo de chacotas, mas talvez tenha sentido o pior dos castigos para alguém que trabalha com artes: seu filme foi ignorado pelo público e crítica. Mesmo premiado no Festival de Toronto, o drama ganhou lançamento limitado nos EUA e em vários outros países. E infelizmente não podemos dizer que tenha sido uma injustiça. Visualmente belo, o grande problema deste trabalho está no roteiro que conta uma história que apesar de batida conquista inicialmente, mas perde o vínculo emocional com o espectador ao estender demais o drama do pequeno protagonista. O carismático Barney Clark defende o personagem-título, um garoto órfão que recebe em um orfanato um sobrenome um tanto sofisticado, porém, sua vida passa longe de luxos e riquezas. Pelo contrário. Sua infância é marcada por tristezas, abusos e miséria. À mercê da sociedade londrina do início do século 19, hipócrita e sem escrúpulos, o menino foge do cruel sistema de caridade governamental, no qual é submetido a trabalho escravo, e consegue ser adotado pela família do Sr. Sowerberry (Michael Heath) que vive da venda de caixões, mas sua sina de maus tratos não tem fim. Após uma desavença com Noah (Chris Overton), seu irmão de criação, o órfão é espancado e trancado em um frio e escuro porão. É quando decide fugir e se aventura a buscar melhores condições de vida.

sexta-feira, 19 de maio de 2017

OS CROODS

NOTA 8,0

Abordando assuntos atuais tendo
como pano de fundo a idade da pedra,
animação tem ritmo frenético e boas
piadas, mas no fim se rende às tradições
Desde que Toy Story foi lançado tornou-se uma obsessão dos estúdios realizar animações com tecnologia de ponta e narrativas que agradassem não só as crianças, mas também aos adultos, estes que as vezes parecem ser o verdadeiro público-alvo de algumas fitas. Não basta mais apenas fazer a alegria dos filhos. Virou regra que os pais fiquem tão ou mais satisfeitos que os pequenos com o programa-família. Os Croods cumpre bem a tarefa de agradar a todas as idades contando uma história divertida e cujo subtexto debocha de assuntos sempre atuais, como a alienação e o medo. A grande sacada é tratar de assuntos contemporâneos e de fácil identificação tendo a idade da pedra como ambientação. Gru é o patriarca da família do titulo, um dos poucos grupos que sobreviveram as mudanças físicas e climáticas do planeta escondendo-se literalmente do mundo. Rude e avesso a novidades, ele acredita que a única maneira de manter seus parentes em segurança é alimentando seus medos, assim praticamente tudo é motivo para se meterem em qualquer buraco para se esconderem, principalmente a noite que com os possíveis perigos que carrega soa como um presságio de morte para o brucutu. Contudo, por mais que fosse cauteloso, ele não tinha o poder de parar o tempo, as coisas mudam constantemente e sua filha mais velha Eep já começava a apresentar sinais de rebeldia típicos de adolescentes afoitos para explorar novos horizontes. Com essa relação conflituosa estabelecida, a animação é calcada no processo de descobertas e adaptação dos Croods há uma nova realidade, tudo mediado por um jovem chamado Guy que se junto ao grupo trazendo conhecimentos do outro lado do mundo, como o conhecimento de lidar com o fogo. Física e emocionalmente mais evoluído que o tal clã, além de ser bem mais racional, o rapaz logo chama a atenção de Eep, mas seu estilo moderninho de ser e de viver bate imediatamente de frente com o jeitão super protetor e antiquado de Gru, este que mesmo sendo um boçal sempre fora respeitado como alguém sábio e com espírito de liderança. Perder tal papel para ele era inadmissível, tampouco dividir as atenções, ainda mais para o paquera da filhota.

quinta-feira, 18 de maio de 2017

A FAMÍLIA BÉLIER

NOTA 8,0

Apesar de não se aprofundar, longa francês
acerta ao abordar a realização de um
sonho estendendo a discussão sobre como
tal decisão pode afetar outras pessoas
Uma garota descobre por acaso seu talento para a música, mas para poder viver de seu dom terá de enfrentar diversas dificuldades, incluindo romper laços afetivos e afins. Hollywood há décadas aproveita tal argumento, principalmente para abastecer o entretenimento doméstico, um jeito fácil e barato que antes abastecia videolocadoras e hoje preenche a programação dos canais por assinatura. A tática também é utilizada quando há o desejo de lançar como atriz uma já famosa cantora. Mariah Carey, Britney Spears e Christina Aguilera tentaram carreira nas telonas, mas felizmente parecem ter tido noção da extensão de seus talentos e desistiram a tempo de evitarem ser alvo de eternas chacotas. Outras já tiveram mais sorte em transitar entre a música e o cinema como Cher, Beyoncé Knowles e Madonna, ainda que a diva loura colecione alguns lampejos de sucesso como atriz em meio a diversos fracassos. Filmes cujo real objetivo é promover cantoras dificilmente não deixam de ser meros passatempos esquecíveis desde sua concepção inicial, mas eis que diretamente da França chega uma agradável surpresa desta seara. A simpática comédia-dramática A Família Bélier ganha pontos em diversos quesitos, entre eles o elenco afiado e a narrativa que, embora não seja original, não se restringe a realização de um sonho individual, lançando um olhar mais amplo ao abordar as consequências de uma decisão para toda uma família. A trama tem como protagonista Paula, interpretada por Louane Emera que ficou famosa em território francês por participar do programa local "The Voice". A personagem vive em uma pequena cidade do interior e ajuda a família a cuidar da fazenda de onde tiram o próprio sustento. Mais do que ordenhar vacas ou semear pastos, a garota é quem faz o elo entre seus parentes e a sociedade. Rodolphe (François Damiens) e Gigi (Karine Viard), seus pais, e também Quentin (Luca Gelberg), seu irmão caçula, são surdos-mudos e Paula atua como intérprete se encarregando de traduzir a linguagem de sinais para amigos e vizinhos, além de mediar as negociações das vendas dos queijos que eles próprios produzem. Contudo, sua voz tem potencial para algo muito maior.

Leia também

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...