sexta-feira, 16 de junho de 2017

A ÚLTIMA PREMONIÇÃO

NOTA 2,0

Calcado em clichês e com

atuações apáticas, longa tenta
surpreender com final surpresa que
no fundo é um tremendo engodo
O título nacional vende bem o peixe. Ou seria vende mal? A Última Premonição tem a proeza de entregar em apenas duas palavras o desfecho de uma história completamente insossa, porém, há quem aponte o último ato como uma cartada certeira para compensar a chatice do restante do filme. Surpreendente ou não, o desfecho não é o suficiente para poupar o diretor Kevin Greutert de umas boas broncas. Parece que se esforçou propositalmente para criar uma das piores produções de suspense dos últimos anos. Assim como em Jessabelle - O Passado Nunca Morre, seu trabalho anterior tão ruim quanto este, o cineasta se cercou de praticamente todos os clichês possíveis, a começar pelo gancho da protagonista traumatizada que se muda para um local isolado para recomeçar a vida. O casal Eveleigh (Isla Fisher) e David Maddox (Anson Mount) decidem deixar a cidade grande e adquirem uma chácara no interior onde pretendem reativar um abandonado vinhedo. Contudo, logo são questionados sobre a coragem de investirem seu tempo e suas economias em um local onde nada rende frutos, um sinal de que deveriam repensar se fizeram um bom negócio. Ganhar dinheiro para eles na verdade é o de menos. O que desejam é oferecer uma melhor qualidade de vida para o filho que estão esperando e esquecer as lembranças de um acidente de carro no qual a moça se envolveu há cerca de um ano e que resultou na morte de uma criança. Eveleigh desde então vive atormentada, principalmente agora que vai ser mãe, mas a mudança de endereço parece só ter piorado as coisas. Dia e noite ela é torturada por vozes, pesadelos, barulhos estranhos e visões de um vulto encapuzado. Para variar ninguém vê ou escuta tais alucinações e como sua atual residência é envolta de mistérios por conta de um episódio do passado a jovem acredita estar tendo visões de alguma tragédia ocorrida por lá, mas como o infeliz título deixa explícito não se tratam de memórias despertadas e sim previsões de algo que irá acontecer, mas Eveleigh só se dará conta disso tarde demais.

Quantas vezes você já viu e reviu filmes com o mesmo argumento? A julgar pela enorme quantidade de produções que exploram tal temática, a gravidez que deveria ser um momento sereno e de felicidade está se tornando sinônimo de pesadelo. A história de L. D. Goffigan e Lucas Sussman, dupla que assinou o roteiro da série "Teen Wolf", abusa dos clichês e de situações esquemáticas e tem a ousadia (e isso não é um elogio) de em seu clímax evocar memórias do clássico O Bebê de Rosemary culminando em um dos desfechos mais estapafúrdios do gênero que reconhecidamente é bastante flexível quanto a exageros e reviravoltas, mas no caso é um ultraje a inteligência do espectador. Greutert leva o filme todo na base do banho-maria, mas no clímax engata uma marcha desenfreada e as revelações e os momentos de tensão são simplesmente vomitados na tela sem a menor cerimônia. Não há tempo suficiente para conectarmos todos os estranhos eventos que vimos até então com o que é apresentado na conclusão, assim é de se estranhar a grande quantidade de criticas favoráveis ao desfecho, embora seja unânime a opinião de que seja qual for a interpretação do final nada salva a produção do esquecimento. A maneira desprezível como foi tratada pelos próprios produtores assinala que a fita já nasceu condenada ao limbo desde a concepção do argumento. Após o término das filmagens foram quase dois anos de inércia devido a rejeição em exibições-teste e quando o filme finalmente recebeu sinal verde para lançamento acabou arremessado diretamente em serviços de streaming nos EUA e sequer foi distribuído em DVD ou Blu-ray. No Brasil houve exibição relâmpago nos cinemas, uma fracassada tentativa de oferecer certa visibilidade e depois quem sabe recuperar um pouco do investimento em mídia física. Em casos como esse as empresas do ramo devem sentir saudades das videolocadoras. É o tipo de filme que bombaria em alugueis. Quanto as críticas que os atendentes iam ter que aguentar já são outros quinhentos.

Pobre Fisher que apostou suas fichas seduzida pela vaga de protagonista. Até então ela só havia ocupado tal posto na divertida comédia Os Delírios de Consumo de Becky Bloom que no fundo não lhe exigia tantos esforços. Já neste thriller a atriz precisaria se empenhar bem mais para convencer como uma mulher perturbada, mas aparentemente ela própria estava tão desmotivada pelos rumos do projeto que se limitou a fazer caras e bocas risíveis. Nem é tanto por sua culpa. O próprio roteiro não lhe oferece material necessário para desenvolver sua personagem e não há nem mesmo química entre ela e Mount, este particularmente apático, para torcermos por um final feliz para o casal. Os demais coadjuvantes também só estão em cena para encher linguiça. Jim Parsons como o Dr. Mathison e Eva Longoria como Eileen, respectivamente o médico e a melhor amiga da protagonista, estão em cena apenas para servirem de ouvintes passivos das lamúrias da moça enquanto Joanna Cassidy com sua Helena é descartada sem rodeios a certa altura mesmo tendo papel crucial nas revelações do enredo. Por fim, temos também Gillian Jacobs como Sadie, vizinha de Eveleigh que coincidentemente (ou não) também está grávida, mas cuja personalidade sofre uma alteração tão brusca que fica difícil engolir a justificativa. Aliás, a trama como um todo é difícil de conquistar, acompanhamos tudo com total distanciamento e nem as sequências de sustos conseguem despertar interesse. Tudo é muito artificial e Greutert parece perdido sem saber o que fazer com um enredo tão sem pé e nem cabeça. Com seu final supostamente surpreendente, mas ao mesmo tempo confuso e fantasioso, A Última Premonição tropeça justamente por querer ser mais do que pode. Falta identidade ao filme que se arrasta em uma colcha de retalhos de sustos previsíveis e enfadonhos e um clímax que parece ter sido escrito de última hora no próprio set de filmagens. Apesar da curta duração, não chega a uma hora e meia, a fita ainda assim parece durar uma eternidade.

Suspense - 83 min - 2015

-->
A ÚLTIMA PREMONIÇÃO - Deixe sua opinião ou expectativa sobre o filme
1 – 2 Ruim, uma perda de tempo
3 – 4 Regular, serve para passar o tempo
5 – 6 Bom, cumpre o que promete
7 – 8 Ótimo, tem mais pontos positivos que negativos
9 – 10 Excelente, praticamente perfeito do início ao fim
Votar
resultado parcial...

Nenhum comentário:

Leia também

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...