quarta-feira, 23 de julho de 2014

CRIME FERPEITO

NOTA 9,0

Comédia espanhola faz uma crítica
à valorização da beleza usando
como base o suspense e artifícios
pouco convencionais no humor
Muitas comédias hollywoodianas, principalmente adolescentes, investem na crítica à vaidade humana e ao culto à imagem. Quantos filmes você já não viu sobre a garota menos popular do colégio triunfando no final com direito a conquistar o gatinho do pedaço? O próprio conto clássico “O Patinho Feio” já trata de levar para o universo infantil conceitos a respeito da importância da beleza interior em contraponto a exterior. Na teoria tudo é muito lindo e civilizado, mas na prática sabemos que as coisas não são tão fáceis para quem não nasceu com a dádiva da beleza extrema. O diretor Álex de La Iglesia traz tal temática tão trabalhada em produções fincadas em ambiente escolar para o universo adulto e corporativo na comédia de humor negro espanhola Crime Ferpeito. Não é erro de digitação. A palavra perfeito é grafada errada propositalmente no título, uma homenagem do cineasta ao longa Disque M Para Matar que na Espanha foi traduzido como Crimem Perfecto. A brincadeira está na coincidência de ambos os filmes girarem em torno do plano de assassinato, mas no caso da comédia as coisas não saem da forma perfeita que o protagonista desejava. Iglesia, autor do roteiro em parceria com Jorge Guerricaechevarría, oferece ao público uma imagem diferente do cinema espanhol. Esqueça os pontos turísticos e históricos ou o universo particular em que circulam as personagens bizarras e problemáticas de Pedro Almodóvar. A crítica social já começa pelo fato de quase toda a trama ser desenvolvida dentro de um shopping, mostrando o quão consumista está a população local, substituindo as tradições que encantam os turistas para cada vez mais se aproximar ao estilo frenético e vazio da vida dos ianques. Rafael González (Guillermo Toledo) tem seu cotidiano restrito às atividades e contatos que faz dentro de uma loja de departamentos onde ele é supervisor do setor de roupas femininas. Como um legítimo conquistador latino, ele não se sente nem um pouco constrangido em transitar entre calcinhas e camisolas, pelo contrário, seu trabalho facilita seu envolvimento com as funcionárias do local e ele não perde a chance de conquistar as clientes com sua lábia, tirando proveito do aconchego dos provadores e do setor de camas e do poder que sua posição lhe confere sobre os seguranças que se fazem de cegos diante da libertinagem. Não é a toa que os homens que trabalham na loja o repudiam.

Mesmo tendo um emprego recompensador, financeiramente e sexualmente, Rafael queria mais, desejava se tornar o gerente de todo o andar destinado às vestimentas, mas para tanto deveria vender mais que o sisudo Don Antonio (Luis Varela), o encarregado da seção masculina e seu concorrente direto ao posto. No entanto, ele fica desorientado ao perder a chance da promoção por causa de um cheque sem fundos e agora além da frustração terá que também aprender a lidar com as humilhações propostas por seu mais novo chefe que até o rebaixa a cuidar do setor dos tamanhos grandes. Adeus gostosas! No ápice de sua revolta, Rafael acaba brigando com Antonio e acidentalmente o mata, mas para sua infelicidade o crime é flagrado por Lourdes (Monica Cervera), uma das vendedoras da loja aparentemente tímida e desprovida de beleza, alguém que o garanhão jamais deu atenção. Preocupado em esconder o corpo e evitar que a polícia desconfie de algum envolvimento seu, o vendedor acaba ficando nas mãos da colega de trabalho chantagista. Ela não quer dinheiro para ficar de boca fechada e sim o próprio Rafael que acaba finalmente ocupando a vaga de gerente, assim ela o manipula a demitir as vendedoras bonitonas e contratar apenas mulheres comumente preteridas nos empregos, como gordinhas e baixinhas. Nesse ponto, o enredo atinge seu grande objetivo de criticar a sociedade moderna que preza em ser e se cercar de pessoas com um padrão mínimo de beleza, mas será que a vingança das excluídas seria positiva à loja? Sim, as vendas aumentam consideravelmente com as clientes sendo atendidas por mulheres com quem se identificam, mas para Rafael a justificativa é que qualquer freguesa se sentiria linda diante de tantas barangas. O filme então se concentra nas várias tentativas do protagonista em se livrar de um casamento forçado que também em curto prazo poderia colocar sua vida profissional em risco. A imagem confiante que o rapaz ostentava, sempre perfumado e bem vestido, pouco a pouco se esvai até restar o semblante de um homem tristonho e comum, tudo que ele renegava. No entanto, Iglesia já começa a destilar seu veneno a partir da construção do personagem. Apesar de demonstrar sofisticação e elevada autoestima, Rafael não se encaixa muito bem aos famosos padrões de beleza e sedução. Barbudo, com sobrancelhas quase sempre arqueadas e cabelos forçosamente penteados com gel, ele é o tipo de galã que chamaria a atenção na praia ou no barzinho da esquina. O perfil conquista a audiência afinal qual homem já não se sentiu “o cara” quando bem trajado? O problema é que sem o nó na gravata e os cabelos desgrenhados lembramos que somos todos comuns. Graças ao talento de seu intérprete, não o conseguimos ver com maus olhos e a certa altura é até possível sentir um pouquinho de pena de sua situação. Se já é frustrante sonhar com um upgrade sem data para acontecer, imagine sentir o gostinho do sucesso e de repente se ver no fundo do poço. Para desabafar, ironicamente, Rafael tem apenas a assombração de Antonio que vez ou outra surge para aconselhá-lo a se livrar de Lourdes.

O entrosamento do espectador com o protagonista se deve muita a sua excelente apresentação. Os primeiros minutos da fita são dedicados a desenhar o seu universo detalhadamente, com direito a opiniões quanto a seus colegas de trabalho. Olhando para a câmera e “conversando” com o espectador, Rafael poderia perfeitamente ser um daqueles repugnantes riquinhos americanos tão comuns em comédias românticas, mas ganha humanidade quando entra em cena a pentelha Lourdes que trata de provar que ele está longe de ser um deus. Ela não apenas viu a chance de se casar diante de uma tragédia, mas também a oportunidade de fisgar o homem por quem ela nutria uma paixão platônica e que certamente jamais seria correspondida, nem mesmo para um rápido flerte. A química (ou seria a ausência dela) do improvável casal é um achado e eles dividem diversas cenas que fazem o público gargalhar, como o primeiro jantar com a disfuncional família dela cumprindo os rituais de um namoro sério. Como um peixe fora d’água, Rafael mete os pés pelas mãos ao tentar ser gentil com a sogra, se surpreende com a cunhada de apenas oito anos que afirma estar grávida de seu professor de ginástica e parece só se simpatizar com o sogro que fica alheio a tudo devido a fortes medicamentos que o dopam. Para completar, ele ainda é obrigado a assistir um programa de TV onde noivas pressionam seus namorados a aceitarem se casar de surpresa e em rede nacional, obviamente seu cruel destino mais cedo ou mais tarde caso não se livre de Lourdes. O cinema de Iglesia é legitimamente independente. Seus filmes inserem naturalmente nudismo, situações sexuais, palavrões e críticas ácidas, mas ao mesmo tempo é divertido, inteligente e com temáticas universais. Apadrinhado por Pedro Almodóvar, que produziu seu longa de estreia, a ficção científica e trash Ação Mutante, o cineasta jamais alcançou o mesmo reconhecimento de seu compatriota, mesmo seguindo um estilo próprio de trabalho que busca subverter gêneros clássicos. Brincou com o horror em O Dia da Besta e o faroeste em 800 Balas, por exemplo. Nunca ouviu falar destas produções? Pois é, realmente parece existir uma má vontade quanto a distribuição dos trabalhos de Iglesia, mas sem dúvida Crime Ferpeito poderia ter mudado essa situação. Adaptando o suspense clássico ao campo do humor, aliás, certamente inspirado pelo longa O Terceiro Tiro, uma das poucas experiências humorísticas do mestre Alfred Hitchcock, o cineasta apresenta uma obra ágil, ousada e até mesmo claustrofóbica, tanto pelo espaço físico quanto devido ao sufoco do protagonista que chega ao limite da loucura. A queda de Rafael se opõe a ascensão de Lourdes, literalmente uma vingança das feias.

Comédia - 105 min - 2004

-->
CRIME FERPEITO - Deixe sua opinião ou expectativa sobre o filme
1 – 2 Ruim, uma perda de tempo
3 – 4 Regular, serve para passar o tempo
5 – 6 Bom, cumpre o que promete
7 – 8 Ótimo, tem mais pontos positivos que negativos
9 – 10 Excelente, praticamente perfeito do início ao fim
Votar
resultado parcial...

Nenhum comentário:

Leia também

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...