sábado, 22 de agosto de 2015

O ÚLTIMO VOO

Nota 2,5 Misturando fatos reais e ficcionais, drama é tão seco quanto sua paisagem escaldante

O cinema estrangeiro (leia-se não norte-americano) e até mesmo o alternativo produzido em solo ianque longe dos grandes estúdios costumam ter fãs fiéis, mas tem muito gaiato por aí que enche a boca para falar que adora produções do tipo mesmo sem compreender suas mensagens. O que vale é a banca de achar que isso é coisa de gente fina ou intelectual. Bem, esse é um pensamento que teoricamente tem fundamentos, mas nem sempre um filme originado em um país ou nicho diferente é garantia de qualidade. Esse é o caso do drama áspero, literalmente, O Último Voo, que tem o chamariz de ser a primeira produção francesa protagonizada por Marion Cotillard após receber o Oscar de Melhor Atriz por Piaf - Um Hino ao Amor. Todos sabemos de sua entrega para o papel da famosa cantora francesa de belo canto, mas vida triste e morte precoce. Contudo, após participar de algumas produções em Hollywood, em seu projeto seguinte em seu país natal a moça está simplesmente apática. A trama se passa em 1933, quando Bill Lancaster, um aviador inglês que tentava bater um recorde de velocidade no trajeto de Londres à Cidade do Cabo, perde-se no deserto na região do Ténéré, no sul do Deserto do Saara. Sua amante Marie (Cotillard), também aviadora e aventureira, decide ir procurá-lo custe o que custar, mas ao sobrevoar o local a jovem é obrigada a aterrissar seu avião perto de uma companhia militar francesa. Ela é acolhida pelo capitão VIncent Brosseau (Guillaume Marquet), mas ele se recusa a ajudá-la nesta busca preocupado com as rebeliões dos tuaregs, a população do deserto que ele almeja vir a colonizar. Já o tenente Antoine Chauvet (Guillaume Canet) tenta fazê-la desistir da ideia de ir atrás do amante, mas sem sucesso acaba decidindo acompanhá-la nessa expedição confrontando as ordens de seu superior no exército com quem já não mantinha um relacionamento muito amistoso.

Justiça seja feita. O fraco desempenho de Cotillard não é culpa da atriz, mas sim de uma narrativa lenta e problemática e de uma direção mais preocupada em expor a beleza visual proporcionada pelas locações que escolheu e onde realizou as filmagens integralmente. O diretor Karim Dridi, através de belas tomadas, consegue transportar o espectador para um local exasperante e quase que transmitir a intensa sensação de calor do deserto. Todavia, tanta preocupação com a plasticidade acabou se refletindo negativamente na narrativa. O roteiro escrito pelo próprio cineasta em parceria com Pascal Arnold baseia-se no romance "Le Dernier Vol de Lancaster", de Sylvain Estibal, dificilmente consegue envolver o espectador. Além da lentidão comprometedora, o enredo trabalha com duas linhas narrativas, mas ambas muitos frágeis. A incessante busca da protagonista pelo seu grande amor e assim reconquistar o sentido de sua vida poderia render um bom filme, isso se não fosse a pretensão em fazer desta obra algo maior do que deveria ser. Uma trama política é adicionada para dar sustentação ao foco principal da trama, mas também acaba não sendo bem desenvolvida. Até a metade o assunto dominante é a rixa entre Brosseau e Chauvet quanto ao tratamento dispensado aos nativos do Saara, mas o tema acaba sendo abordado de forma superficial visto que é abandonado sem mais nem menos quando chegamos ao terceiro ato, momento em que efetivamente Cotillard assume o posto de protagonista, todavia, já é tarde demais para cativar a audiência. Curiosamente, a favor de uma trama ficcional, foram descartados alguns elementos do livro original que por sua vez é baseado em fatos reais. Lancaster de fato existiu, mas em O Último Voo ele é apenas citado em alguns diálogos entre Marie e Chauvet que, diga-se de passagem, aparentemente redescobrem o amor literalmente caindo nos braços um do outro após uma longa caminhada que certamente é bem mais cansativa para o espectador. Realmente é uma pena que uma obra com uma trilha sonora impecável e imagens tão belas, falhando talvez apenas no figurino da aventureira sempre muito impecável, tenha que receber críticas tão negativas. Sentimos que tanto a história de amor quanto o contexto histórico e político apenas aguçam nossos paladares, mas deixam um gosto amargo por não serem desenvolvidas de forma plena.

Drama - 90 min - 2009

-->
O ÚLTIMO VOO - Deixe sua opinião ou expectativa sobre o filme
1 – 2 Ruim, uma perda de tempo
3 – 4 Regular, serve para passar o tempo
5 – 6 Bom, cumpre o que promete
7 – 8 Ótimo, tem mais pontos positivos que negativos
9 – 10 Excelente, praticamente perfeito do início ao fim
Votar
resultado parcial...

Nenhum comentário:

Leia também

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...