quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

DUETS - VEM CANTAR COMIGO

NOTA 5,0

Números musicais colocando os
próprios atores para soltarem a voz
é o que há de melhor nesta irregular
mistura de drama e comédia
O que dizer a respeito de um filme no qual diversos personagens travam muitos diálogos esmiuçando detalhes sobre suas vidas particulares e quando não estão fazendo isso dedicam seu tempo a cantarolar para uma plateia de beberrões em um bar? A premissa de Duets - Vem Cantar Comigo não é lá muito animadora, mas até que a produção no conjunto é simpática e bem intencionada, apesar de um tanto irregular. A trama é no estilo mosaico, com diversos personagens e histórias que são desenvolvidas paralelamente envolvendo encontros inesperados entre pessoas de universos completamente diferentes que resolvem dar um tempo em suas metódicas e problemáticas rotinas e aceitam o desafio de cantarem em um concurso de karaokê no qual irão disputar um prêmio milionário. Entre os vários personagens alguns merecem destaque. Todd Woods (Paul Giamatti) é um simples vendedor que oferece a seus clientes a utopia do sonho americano.  Por vários anos se dedicou a ofertar terrenos, casas de luxo e agora é o encarregado de vender quotas em um parque aquático predatório da natureza, mas por conta de uma experiência traumática agora passa a vociferar contra seu trabalho e inesperadamente encontra no ato de cantar a melhor forma para se desestressar. Depois de uma noitada daquelas, ele pega seu carro e segue sem rumo pelas estradas onde acaba dando carona para Reggie Kane (Andre Braugher), um ex-presidiário que não tem a mínima vontade de obedecer regras para voltar a ser aceito na sociedade, mas que tem uma voz angelical. Já Billy (Scott Speedman) é um jovem motorista de táxi muito puro e altruísta que certa noite, após reencontrar uma pessoa do seu passado, volta para casa muito entristecido, mas iria se decepcionar ainda mais. Ele flagra a esposa com o amigo com quem dividia seu veículo e decepcionado vai encher a cara em um bar onde conhece Suzi Loomis (Maria Bello), uma garçonete desesperada para ir à Califórnia e tentar se tornar uma cantora profissional, mesmo que para tanto precise fazer uso de seu corpo e sensualidade.

Por fim, Liv (Gwyneth Paltrow) é uma inocente dançarina das noites de Las Vegas que sonha em se casar e formar uma família e que vem a conhecer o próprio pai, o golpista inveterado Ricky Dean (Huey Lewis), tardiamente durante o funeral da mãe. Apesar do distanciamento de tantos anos, a moça mostra-se disposta a firmar laços, mas encontra resistência por parte do trapaceiro acostumado a levar uma vida desregrada e sem compromissos afetivos. Em comum, todos esses personagens tem potencial vocal e vão se encontrar no tal concurso, mas aos poucos vão perceber que mais importante que o dinheiro que está em jogo o que motiva a todos eles é o enriquecimento pessoal e emocional que o desafio passa a lhes oferecer. O roteiro de John Byrum faz uma inteligente metáfora. O amplo universo competitivo que domina as sociedades modernas aqui é retratado com proporções bem menores, porém, tão acirrado quanto, na ambientação dos concursos de karaokê. O conceito do projeto surgiu quando o roteirista estava em um bar de hotel e observou admirado a alegria e a seriedade que envolvia os participantes de um concurso de calouros. Eles não estavam disputando algum prêmio ou se apresentando para executivos de alguma gravadora. Simplesmente queriam se divertir soltando a voz, afinados ou não. O texto foi finalizado no final da década de 1980, época em que os karaokês começavam a se tornar uma febre mundial, mas muitos anos se passaram até que a brincadeira musical virasse temática para um filme real. Quem assumiu a missão foi o diretor Bruce Paltrow que não desperdiçou a chance de trabalhar com sua filha pela primeira e única vez naquele que seria seu derradeiro filme. Quando o elenco começou a ser escalado, Gwyneth namorava Brad Pitt e um dos papeis principais havia sido reservado a ele, entretanto, a paixão entre os loirinhos acabou e a produção esfriou.  Até a retomada do projeto, já no novo milênio, é óbvio que muita coisa dos planos originais foi alterada, mas a atriz então consagrada com o Oscar por Shakespeare Apaixonado assegurou sua vaga.

Um dos principais motivos para o adiamento foi a necessidade de encontrar atores que de fato soubessem cantar e também domar o ego, afinal o longa tem uma super população de personagens em cena, mas todos tem seu momento de brilhar. Felizmente conseguiram fechar um grupo coeso para o elenco e sem espaço para estrelismos. Basicamente temos três tramas paralelas que se fundem em um ambiente no qual o clima de alegria suplanta, mesmo que por pouco tempo, as tristezas e amarguras de seus participantes que ao subirem no palco e segurarem o microfone sentem-se fortes, confiantes  e capazes de tudo. O interesse maior na brincadeira é atingir a satisfação pessoal de conseguir superar o desafio que é subir em um palco, encarar a plateia e cantar sem errar a letra ou fugir do tom. Se superaram a vergonha de se exporem em público, com certeza seriam capazes de darem a volta por cima e enfrentarem seus problemas. É justamente esta postura vencedora que eles buscam no concurso para terem a coragem de assumir o mesmo estilo em suas vidas. Com uma mistura irregular entre o drama, a comédia e o cinema musical, Duets - Vem Cantar Comigo não é memorável, mas é uma obra agradável e cujo ponto alto é sua trilha sonora com excelentes canções que criam raízes na memória do espectador, curiosamente muito mais que o filme em si. O maior problema são as interpretações pouco inspiradas, não por falta de talento ou dedicação dos atores, mas pelo fato dos conflitos dos personagens em sua maioria serem explorados de forma superficial pelo roteiro. Tal situação acaba reduzindo consideravelmente o brilho que o filme poderia alcançar. De qualquer forma, é um bom entretenimento que também pode ser visto como uma simplória lição de moral, embora a competitividade e seus limites propostos pela sinopse sejam tratados de forma muito suave. As realidades do mercado de trabalho, das relações humanas e do próprio envolvimento de cada um com seu eu interior apresentam-se bem mais complexas e acirradas que um concurso musical.

Drama - 112 min - 2000 

-->
DUETS - VEM CANTAR COMIGO - Deixe sua opinião ou expectativa sobre o filme
1 – 2 Ruim, uma perda de tempo
3 – 4 Regular, serve para passar o tempo
5 – 6 Bom, cumpre o que promete
7 – 8 Ótimo, tem mais pontos positivos que negativos
9 – 10 Excelente, praticamente perfeito do início ao fim
Votar
resultado parcial...

Nenhum comentário:

Leia também

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...