sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

PLANETA DO TESOURO

NOTA 6,5

Texto clássico sobre aventura
de piratas ganha repaginada
e cenário futurista, mas falha
com personagens que não cativam
Quando a Fox lançou Anastácia, a Disney não estava preocupada com a concorrência e relançou nas férias de verão A Pequena Sereia. Um ano depois, a Dreamworks trouxe O Príncipe do Egito e houve a coincidência do lançamento de Formiguinhaz quase que simultaneamente a Vida de Inseto. Os estúdios Aardman, apadrinhado por Steven Spielberg, trouxe o excelente A Fuga das Galinhas para duelar com A Nova Onda do Imperador. Parecia que a concorrência não assustava a casa do Mickey Mouse até que Atlantis – O Reino Perdido foi massacrado por Shrek. O sinal de alerta enfim foi aceso e chegou a hora dos chefões do tradicional estúdio de animação tomarem providências. Planeta do Tesouro pode ser visto como a primeira grande tentativa de recuperação da empresa já que moderniza radicalmente um clássico texto literário, contudo, o projeto já era idealizado desde 1985 pelos diretores Ron Clements e John Musker, mesma época em que propuseram a realização de A Pequena Sereia, longa que, curiosamente, marcou o renascimento da Disney após um período de dificuldades internas e produções de menor porte e baixa repercussão. Baseado no romance “A Ilha do Tesouro”, de Robert Louis Stevenson escrito em 1883, com certeza a antiga ideia deveria ser bem diferente do longa que foi entregue em 2002. Adaptado em um inusitado formato de ficção científica pelos próprios diretores em parceria com Rob Edwards, a obra literária já havia rendido uma versão live-action clássica e inspirado uma aventura dos Muppets, ambas produções assinadas pelo mesmo estúdio que neste caso trouxe para o campo da animação a aventura de piratas com uma nova roupagem. A história gira em torno do jovem Jim Hawkins, um adolescente rebelde que só traz problemas a sua mãe, Sarah, a dona de uma pequena estalagem em algum canto do espaço sideral. Sua grande diversão é fazer manobras radicais em sua prancha voadora por uma área proibida, praticamente um skatista futurista, mas em um desses momentos ele acaba sendo pego por policiais e é ameaçado de perder sua liberdade condicional. Embora não seja especificado em que século a trama se passa, o grande problema do rapaz e sua mãe não é estranho as pessoas do presente: falta de dinheiro. Para piorar, certo dia um grupo de piratas ataca o comércio da família e coloca fogo no local, mas depois disso Jim encontra o mapa de um grande tesouro escondido há anos por um pirata espacial, confirmando o ditado que diz que há males que vem para o bem.

Remetendo as histórias de aventuras que tanto gostava de ouvir quando criança, o tal mapa foi entregue por um alienígena e poderia levar Jim até o tesouro do Capitão Flint, um temido pirata espacial cujas riquezas há tempos são alvos de disputas. Para chegar ao chamado Planeta do Tesouro, o adolescente contará com a ajuda do veterano professor Dr. Doppler, amigo de sua mãe, que interessado no viés histórico da expedição decide financiá-la e contrata a embarcação da destemida Capitã Amélia, uma grande nave espacial em forma de caravela. A tripulação, no entanto, parece um tanto suspeita, como John Silver, um ciborgue mal humorado que cuida da cozinha do navio, mas que aos poucos parece inclinado a ajudar o protagonista a conquistar seu objetivo assumindo de certa forma o papel de figura paterna que tanto lhe fazia falta. Aliás, ele é de longe o personagem mais interessante visto que sua personalidade é dúbia. Ao mesmo tempo em que parece realmente querer a amizade de Jim ele deixa no ar também as suspeitas de que simplesmente quer se aproximar do jovem para chegar até o tesouro, afinal ele é um velho marujo do espaço que ao que tudo indica nunca teve seu valor reconhecido. Esteticamente, Silver chama a atenção por seu visual original conquistado com a junção perfeita de técnicas antigas com modernas. As partes humanas de seu corpo foram feitas com animação tradicional enquanto as biônicas (que substituem as conhecidas perna de pau e mão de gancho) foram realizadas com recursos digitais. Outros detalhes visuais também receberam tratamento computadorizado aliados a imagens artesanais, criando um conjunto harmonioso e servindo como uma metáfora ao próprio enredo que busca o equilíbrio entre o espírito de aventura estilo capa e espada e a novidade injetada pela ambientação espacial. O problema é que o impacto positivo inicial do casamento de dois universos que pareciam impossíveis de se mesclarem logo passa e a trama não ajuda a prender a atenção, tornando-se cansativa e até mesmo complexa, não sendo uma opção recomendada as crianças pequenas que provavelmente não vão se entreter e nem mesmo o perfil dos personagens pode lhes interessar. A inserção de músicas que muitos abominam neste caso se resume a uma única canção executada na íntegra e felizmente dublada dignamente em português, mas a falta de trilha sonora (existe somente a instrumental um tanto trivial) acaba se tornando um problema, pois deixou a produção muito maçante, sem momentos de respiro ou descontração.

Outro problema é que falta humor neste trabalho, embora a proposta permitisse uma ampla exploração deste campo usando e abusando das liberdades artísticas, a começar pela manutenção das características seculares da embarcação que serve como principal cenário, porém, o timão e a vela tão comuns já não têm serventia, foram substituídos por sistemas eletrônicos de última geração, mas o roteiro não enfatiza essas diferenças, toda a modernidade é apresentada com naturalidade. Dentro do contexto está certo, os habitantes do futuro estariam acostumados, mas não surte efeito no espectador. Os alienígenas dos mais diversos gêneros também não causam impacto ou humor, salvo a troca do sempre necessário papagaio do pirata por Morph, uma simpática criaturinha fiel companheira de Silver e que tem o poder de mutação, assim podendo ter a forma que quisesse e trazendo alguma graça ao desenho. O robô B.E.N., que se autodenomina como Bio Eletrônico Navegador, seja lá o que isso significa, cai de pára-quedas na história já quase na reta final para tentar injetar algum humor, mas já é tarde demais e sua inserção se mostra desnecessária. Doppler, embora chato, cumpre sua missão de uma espécie de intelectual na aventura, ainda que deixe de lado seu inicial jeitinho bobalhão, enquanto Amélia é totalmente desperdiçada mesmo sendo uma personagem do sexo feminino ocupando um cargo historicamente destinado a homens fortes e corajosos, um gancho que poderia render cenas interessantes. A capitã nada mais faz que elevar sua voz nos momentos oportunos e ser grosseira por vezes para impor sua superioridade, mas é óbvio que não demora muito para uma reviravolta derrubá-la da posição de chefe. Por fim, o protagonista que teoricamente deveria ser o herói que conquista a simpatia de todos não consegue cativar o público. Inspirado no jeito rebelde de James Dean, ídolo teen dos anos 50, o rapaz tem um comportamento anti-social, talvez uma forma que os diretores encontraram para aproximar o personagem das platéias adolescentes e ao mesmo tempo trabalhar o gancho da redenção, afinal, mesmo sumida após a introdução, a mãe dele retorna na conclusão para o happy end. Infelizmente Planeta do Tesouro realmente acabou se tornando um fracasso não só por ter ficado anos-luz das cifras necessárias para recuperar seu orçamento, mas também porque com o passar dos anos não conseguiu reverter o quadro negativo de repercussão. Apesar do visual colorido e caprichado, vale lembrar que não há filme que se sustente sem uma boa história e nesse quesito realmente o desenho deixou muito a desejar. Em uma época em que ogros, bruxinhos, hobbits e outras criaturas fantásticas estavam bombando, investir em personagens espaciais em tempos em que a ficção científica estava em baixa era um risco e tanto e a Disney pagou o preço por sua ousadia. Talvez se tivesse sido lançado nos anos 80 como era a proposta inicial os resultados teriam sido bem positivos, afinal sem concorrência...

Animação - 95 min - 2002 - Dê sua opinião abaixo.

Nenhum comentário:

Leia também

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...