sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

A SÉTIMA VÍTIMA

NOTA 6,0

Reunindo clichês de diversos
longas de horror e suspense e
revelando segredos logo no início,
obra se sustenta por sua atmosfera
Embora quando pensamos em cinema de terror logo nos vem a cabeça a palavra Hollywood, é certo que nos último anos as produções americanas do gênero têm deixado a desejar. Em contrapartida, países europeus, costumeiros cenários para tramas de horror e suspense, têm despontado como grandes produtores de sustos. Todavia, para cada obra original que surge, pelo menos mais umas três comuns também são lançadas, como é o caso de A Sétima Vítima, do diretor Jaume Balagueró. Coproduzido entre os EUA e a Espanha, seu trabalho é uma reunião de clichês (casa afastada de tudo e com problemas de energia elétrica, noites chuvosas, vultos à espreita por todos os cantos, uma criança com poder mediúnico, um adulto com problemas psicológicos), mas de certa forma ainda consegue prender o espectador caprichando no visual e com uma narrativa envolvente, ainda que um tanto previsível. A trama roteirizada pelo próprio cineasta em parceria com Fernando de Felipe começa com um pequeno prólogo que já entrega um pouco do mistério, embora sem grandes detalhes visuais. Além de choros e lamentos, ouvimos a conversa entre um policial e uma criança, esta que parece nervosa e dizendo coisas desconexas, mas deixando evidente seu temor do escuro. Rapidamente o longa dá um salto de quatro décadas e a primeira imagem destacada é a de um antigo casarão no meio do nada. Para quem já assistiu três ou quatro filmes a respeito de casas assombradas, não há expectativas quanto ao enredo. É óbvio que tal residência foi palco de episódios macabros no passado e que a energia negativa instalada vai influenciar no cotidiano dos novos habitantes, no caso o dia-a-dia da família de Mark (Iain Glen), que se muda dos EUA para a Espanha junto com a esposa Maria (Lena Olin – atuando sem motivação alguma) e seus filhos, a adolescente Regina (Anna Paquin) e o pequeno Paul (Stephen Enquist). Não é estragar surpresa alguma dizer que esse pai de família é o tal sobrevivente do episódio mal explicado do passado, investigação que a própria polícia na época tratou de abandonar. Afinal de contas o que levaria uma pessoa em sã consciência decidir ir viver em uma casa que só pode lhe trazer péssimas lembranças? O problema é que Mark não está com sua saúde mental em perfeito estado e o motivo da mudança de país é justamente para que a família possa recomeçar do zero após um episódio triste, fato que não é esmiuçado, mas fica subentendido que os constantes surtos deste homem trouxeram consequências para todos que o cercam.

Desde o primeiro dia na nova casa, que não era habitada desde o macabro episódio que a marcou, fatos estranhos passam a ocorrerem, todos conhecidíssimos pelos aficionados do gênero. Constantemente as luzes falham ou a escuridão total predomina, a presença de pessoas estranhas é perceptível, Paul começa a fazer desenhos de crianças que diz que o perseguem e Mark volta a ter recaídas de sua doença mental, apresentando comportamento agressivo de uma hora para a outra ou tendo convulsões assustadoras. Regina tem a sensibilidade aflorada e consegue perceber que tais problemas estão ligados à residência, mas sua mãe não liga para superstições do tipo, nem mesmo quando seu filho começa a apresentar sinais de agressão pelo corpo sem motivos aparentes. A garota tenta alertar Albert (Giancarlo Giannini), seu avô paterno, sobre os acontecimentos estranhos, mas ele a tranquiliza alegando que são problemas passageiros de adaptação a uma nova realidade. Aliás, ele próprio é o médico do filho e quem o aconselhou a fazer a mudança, pois sua doença mental pode ser fruto de traumas da infância que precisam ser vencidos encarando-os de frente. Se para bom entendedor meia palavra basta, para um cinéfilo de horror esperto a trama está toda resolvida até este ponto, mas ainda é preciso rechear cerca de uma hora de projeção então vamos lá. Regina vê certa noite, banhada por uma forte chuva para variar, um estranho homem parado próximo a sua casa observando-a. Assustada, ela recorre a ajuda de Carlos (Fele Martínez), seu namorado secreto. O rapaz investiga os detalhes da documentação da residência e descobre que os nomes dos envolvidos na venda, como do corretor e de um advogado, não existem e não há nem mesmo registros a respeito dos primeiros donos do imóvel, apenas o nome e o endereço do arquiteto são verdadeiros. O casal o procura e é óbvio que ele é o tal homem misterioso flagrado observando a casa (pasmem, estava uma escuridão total, mas a adolescente o reconhece sem sombras de dúvida). Villalobos (Fermí Reixach) revela detalhes importantes como o fato de ter construído a casa apenas obedecendo as ordens dadas à distância, que seguiu um padrão estético semelhante ao usado em templos antigos e que ficou obcecado em proteger e estudar a construção tentando encontrar ligações entre seu estilo visual e os propósitos de seus donos originais.

Uma criança sobrevivente e vivendo o resto de sua vida sob a pressão de danos psicológicos. Casa construída baseada em modelos arquitetônicos para abrigar cultos religiosos e afins, Jornais de quarenta anos atrás destacando que seis crianças foram sequestradas, mas pedidos de resgate não foram feitos ou até mesmo seus corpos jamais foram encontrados. A polícia ignorou tais casos, pois provavelmente os próprios familiares dos desaparecidos não prestaram queixa. Para completar a receita bem mastigadinha, o título A Sétima Vítima? Fica claro que Mark foi atraído a voltar à sua antiga residência para que um ritual satânico fosse completado. Ou desta vez seria o pequeno Paul a bola da vez? É sustentando-se na dúvida se o pai ou o filho será sacrificado que o longa de Balagueró consegue prender o espectador. Apesar de tudo o que foi exposto ser sinônimo de tiro no pé para esse tipo de produção, afinal enrolar a platéia até os últimos minutos para a revelação de um final surpresa ou supostamente impactante é o grande charme, este filme se beneficia do excesso de clichês como se a grande diversão fosse o espectador caçar referências a outros títulos. Aqui temos elementos de Os Outros, A Espinha do Diabo, O Iluminado, Terror em Amtivylle e tantos outros. Com essa colcha de retalhos, o cineasta consegue fisgar a atenção e escamotear as falhas do roteiro. Quem vai ligar, pelo menos instantaneamente, que as grandes revelações do longa são dadas logo nos primeiros minutos, que o tal ritual macabro não tem um porquê convincente ou ainda que apesar da trama se passar em território espanhol, ninguém fala o idioma local e até os jornais são publicados em inglês quando estamos tomados pela adrenalina e tensão propostos por cenas como a que Mark surta enquanto corta alimentos ou as sequências em que a câmera desliza pelos cenários para mostrar que espíritos infantis observam bem  de perto o cotidiano dos personagens? No original “Darkness” (Escuridão), o longa pouco se aprofunda a respeito do medo da escuridão, não espere um estudo psicológico, mas se deseja bons sustos aproveite. Com fotografia que explora detalhes do cenário, edição que respeita a lentidão e a rapidez necessárias para cada sequência e efeitos sonoros que potencializam o clima de tensão, este é um passatempo de qualidade razoável e que cumpre seus objetivos com folga. Se você assistir e achar a previsibilidade uma afronta a sua inteligência, pense no seguinte: o longa é de 2002 e se analisarmos a lista de obras de horror e suspense que foram lançadas nos anos seguintes é impressionante a constatação de que pouquíssimo se criou desde então, mas em compensação as cópias e as “homenagens” surgiram aos montes.

Terror - 98 min - 2002

-->
A SÉTIMA VÍTIMA - Deixe sua opinião ou expectativa sobre o filme
1 – 2 Ruim, uma perda de tempo
3 – 4 Regular, serve para passar o tempo
5 – 6 Bom, cumpre o que promete
7 – 8 Ótimo, tem mais pontos positivos que negativos
9 – 10 Excelente, praticamente perfeito do início ao fim
Votar
resultado parcial...

Nenhum comentário:

Leia também

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...