quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

CAVALO DE GUERRA

NOTA 9,0

Épico que mescla drama e
aventura é quase uma
súmula da carreira do
diretor Steven Spielberg
É curioso que em meio ao deslumbramento que o 3D e demais tecnologias de ponta despertam no público e em quem faz cinema, o Oscar 2012 teve como destaques obras que claramente homenageiam o passado da sétima arte. Um deles foi Cavalo de Guerra, uma produção que reúne diversas características de obras épicas clássicas e westerns, além de elementos inconfundíveis do diretor Steven Spielberg, mas que acabou dividindo opiniões. O filme realmente é excelente, porém, perde pontos na hora das comparações pelo fato de não trazer inovações e praticamente ser a súmula da filmografia do cineasta que tem como tema recorrente em sua obra o duelo entre a imaginação e a realidade, a inocência infantil e a seriedade exacerbada dos adultos. Entre filmes de aventura, outros para emocionar de crianças à adultos e alguns produtos mais pesados como os que enfocam guerras, Spielberg encontrou no livro homônimo de Michael Mopurgo a maneira perfeita de reunir todas as referências que pontuaram sua carreira, além de prestar uma bela homenagem ao cinema resgatando a grandiosidade e a emoção de clássicos antigos. A narrativa tem como protagonista Joey, um cavalo comum, mas que parece predestinado a ensinar uma importante lição para a humanidade. Apostando no lado emocional da trama, Spielberg mostra os horrores da guerra através dos olhos deste animal, porém, não deixa de apresentar o quanto pode ser gratificante uma vida bucólica. Adaptada por Lee Hall e Richard Curtis, a trama se passa no início do século 20 e nos apresenta ao jovem Albert Narracott (Jeremy Irvine) que é de uma família humilde e quer muito ajudar Ted (Peter Mullan) e Rose (Emily Watson), seus pais, a salvar sua fazenda. O rapaz certa vez se encanta por um cavalo à venda que não tem qualidades para o trabalho agrário, mas ainda assim seu pai decide ficar com ele. Pouco a pouco Albert estabelece uma impressionante relação de amizade com Joey e o cavalo, por sua vez, passa a trazer um pouco de esperança aos Narracotts se esforçando ao máximo para servi-los, já que ele é a única forma deles se sustentarem. A razão de Ted ter comprado esse animal não foi apenas para agradar ao filho, mas também para afrontar o ganancioso Lyons (David Twellis), o senhorio das terras onde vive. 

Quando a Primeira Guerra Mundial estoura, Joey acaba sendo vendido para o exército inglês e Albert não pode acompanhá-lo por não ter idade suficiente para se alistar. O período em que ficam separados é a chance do desacreditado cavalo mostrar sua força e valor enquanto seu grande amigo tenta reencontrá-lo. Após anos se dedicando a produção de filmes, sendo sua última direção Indiana Jones e o Reino da Caveira de Cristal, Spielberg tratou logo de correr atrás dos direitos de filmagens do livro assim que o leu, ainda que a obra seja datada dos anos 80. Talvez por essa razão nostálgica não seja um erro muitos dizerem que este épico “spielberguiano” nos remeta ao clássico E.T. – O Extraterrestre pelo fato de trazer a tona uma amizade incomum, no caso entre um ser humano e um animal. A escolha de um ser irracional como protagonista também pode ser interpretada como uma metáfora à própria guerra, uma maneira desprovida de razões para as pessoas provarem ou conquistarem poder e riquezas, um tema que o cineasta já tinha trabalhado em outras ocasiões, tendo bastante êxito, por exemplo, em A Lista de Schindler. Todavia, quem espera ver sangue e violência em grandes proporções deve se decepcionar. Aqui a produção é assumidamente para agradar a toda a família e o diretor procurou dosar bem ousadia e sacarose encontrando soluções inteligentes para expor a tensão dos conflitos. No entanto, para alguns seu trabalho acabou parecendo ter saído da safra de live-actions dos estúdios Disney da década de 1960. Bem, homenagear os clássicos campestres, westerns e de guerra realmente era um dos objetivos, mas é interessante observar uma mudança de foco adotada. Hoje em dia é muito difícil inovar quando se pretende trabalhar com temas ligados às duas maiores guerras da História e o cinema mundial abusou e continua abusando da ideia de mostrar as atrocidades destes períodos através da pureza do olhar das crianças, estas que podem transmitir ingenuidade ou enxergar muito além dos adultos. Spielberg agora catalisa tudo que quer dizer através do olhar bucólico de um cavalo que parece predestinado a uma missão. Aliás, o longa é pontuado por algumas referências religiosas, como a abertura que apresenta um passeio aéreo de câmera como se fossem olhares do céu lançados sobre a terra. O cavalo também possui mais um significado na narrativa. Ele seria um elemento predominantemente rústico e tradicional lutando para encontrar seu espaço em um mundo novo que surgiu graças a industrialização proporcionada pelos avanços da guerrilha. 
Os americanos têm um apreço especial pelos filmes que tem cavalos como temas principais, porém, são raros aqueles que colocam o animal no centro das atenções. Aqui Joey é quem tem as grandes cenas do longa que não poupa o espectador de sequências construídas cuidadosamente para levar o público às lágrimas, uma opção que também colabora para o fato de muita gente torcer o nariz para a obra. O elenco, predominantemente britânico, defende bem seus personagens, mas acabam ficando como meros coadjuvantes em meio a belas cenas de batalhas e de paisagens campestres, tudo embalado pela emocionante trilha sonora do premiado compositor John Williams, parceiro de trabalho antigo do diretor. Se as canções, a narrativa e a fotografia são apontados como qualidades ultrapassadas e que contribuem para rotular o longa como algo clichê, é importante ressaltar o hipnotismo ao qual o espectador é submetido quando vemos Joey em cena. São vários cavalos que se revezaram nas filmagens para ocupar a vaga de protagonista, mas todos inacreditavelmente bem treinados, tanto que o uso de efeitos de computação foi quase nulo na produção.  Partindo do romantismo para o combate épico, dos tons pastéis para os acinzentados, Cavalo de Guerra é uma excelente obra, repleta de qualidades e dignas de elogios, mas quando visto com olhares mais criteriosos infelizmente revela seus “defeitos”. Talhada para ser a produção feita para ganhar os prêmios da temporada 2012, o filme ficou mais nas intenções e não conseguiu arrebatar a crítica, que foi cautelosa ao avaliá-lo. Ressaltaram que esta seria a volta de Spielberg aos bons tempos, mas jamais o elogiaram ao máximo. Medo de afirmar que clichês e narrativa manipulada ainda são alicerces válidos do cinema? Talvez sim. Como dito no início do texto, em tempos em que a tecnologia é requisito básico para um filme fazer sucesso, o cineasta que coleciona algumas das maiores bilheterias da História do cinema, curiosamente muitas delas com efeitos especiais de ponta para a época em que foram lançadas, parece ter realizado esta obra com o intuito de lembrar a todos da importância em se manter as tradições da sétima arte cuja base, passe quantos anos passarem, jamais deixará de ser a emoção. Em suma, nostalgia pura em um produto contemporâneo.
Drama - 146 min - 2011 
-->
CAVALO DE GUERRA - Deixe sua opinião ou expectativa sobre o filme
1 – 2 Ruim, uma perda de tempo
3 – 4 Regular, serve para passar o tempo
5 – 6 Bom, cumpre o que promete
7 – 8 Ótimo, tem mais pontos positivos que negativos
9 – 10 Excelente, praticamente perfeito do início ao fim
Votar
resultado parcial...

Nenhum comentário:

Leia também

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...