terça-feira, 4 de março de 2014

ESPELHOS DO MEDO 2

NOTA 2,0

Apenas a ideia básica do longa
original é resgatada nesta
sequência fraca e desnecessária
cuja trama tem pegada policial
Continuações de filmes de terror já são previstas quando um novo produto do gênero é lançado e ele nem precisa fazer sucesso para dar criar. Contudo, é de praxe ficarmos com o pé atrás quanto a qualidade dessas sequências, ainda mais quando nem mesmo o protagonista do original aparece para uma ponta, portanto, não há muito o que se esperar de Espelhos do Medo 2, suposta continuação da fita de horror estrelada por Kiefer Sutherland em 2008 que apesar das boas intenções já era uma obra irregular. Esta segunda parte tenta seguir a mesma linha de raciocínio da anterior, mas sua narrativa já começa mal perdendo seu protagonista. Agora quem encabeça o elenco é o jovem Nich Stahl interpretando um personagem perturbado, praticamente um item indispensável nas fitas de terror. Max Matheson sofreu um acidente de carro no qual sua noiva veio a falecer e ele se sente culpado. Após um período de depressão e de se entregar ao vício das drogas e bebidas, inlcusive chegando a tentar suicídio, o rapaz tem a chance de recomeçar sua vida trabalhando com seu pai, Jack (William Katt), que lhe oferece o emprego de vigia na nova loja MayFlower, a mesma que há alguns anos foi o cenário de trágicos acidentes após ter passado por um incêndio. Enquanto não inaugura, o rapaz será encarregado de vgiar o espaço para evitar assaltos e depredações. Para manter-se ocupado e tentar abandonar os vícios, Max aceita o cargo, mas nem imagina a história de arrepiar que está prestes a vivenciar. Como herança da antiga loja, um grande espelho em perfeito estado foi recuperado do prédio que foi incendiado, item neceessário para fazer as ligações entre as duas obras. Logo na primeira noite de trabalho o jovem começa a perceber imagens estranhas nos espelhos, como a visão de uma mulher refletida, porém, ela nunca está presente nos ambientes. Depois ele passa a enxergar a imagem de seus colegas de trabalho também, mas em situações em que provocam a própria morte. Já fica subentendido que cada uma dessas pessoas irá morrer em breve e tal qual da maneira que o espelho apresentou. Mesmo tentando socorrê-los, Max sempre chega tarde demais aos lugares das visões e sabe que a qualquer momento pode ser a próxima vítima. Agora ele precisa descobrir o mistério da tal garota para terminar com a onda de mortes inexplicáveis e proteger a sua própria vida.

Stahl realmente parece que estava atuando sob efeito de alucinógenos, pois sua interpretação é fraquíssima, mas ele até tem razões para tanto por causa de uma bola fora daquelas do roteiro. Não há explicação para o fato do filho de um pai rico e que vai abrir uma mega loja aceitar o emprego de vigia, ainda mais sabendo que o segurança anterior tentou suicídio lá mesmo se cortando com cacos de espelhos (nossa que surpresa!). No mínimo ele deveria ocupar uma vaga na área administrativa. Ficar perambulando por uma loja deserta a noite com uma lanterninha na mão não levanta o astral de ninguém, pelo contrário, o desejo por drogas e afins só tenderia a aumentar. Bem, desde a ausência de Sutherland já dava para sentir que esta sequência não era realmente para ser levada a sério, assim temos que engolir que nosso herói se sentiu motivado pelo mórbido a lutar pelo bem. Ah, e claro que há outro clichê super batido: o rapaz tem a premonição de mortes e quer ajudar, mas como tem trauma de dirigir carros sempre chega atrasado e passa a ser o principal suspeito dos assassinatos já que as vítimas são os seus colegas de trabalho e ele está sempre presente no local dos crimes quando a polícia chega. A situação misteriosa do longa não demora a ser apresentada e algumas mortes começam a acontecer. Até esse ponto a narrativa guarda características e semelhanças com o primeiro filme, mas depois diferenças perceptíveis surgem. Esta segunda produção carrega bem mais no sangue e o enredo sobrenatural e ligado a possessão abre espaço para uma trama mais próxima do estilo policial, rocambolesca e convencional. O que pretendia assustar não causa o mínimo de arrepios, salvo uma ou outra parte, como a excelente cena em que a personagem de Christy Carlson Romano, uma das gerentes da butique, morre durante o banho, talvez a única sequência que realmente deixa o espectador roendo as unhas. Além de ser a cena mais sanguinolento do longa, para os marmanjos pode interessar ver a nudez gratuita da atriz que não agrega nada à trama. É curioso que os personagens antes de morrerem conseguem observar a própria imagem estática e com olhar diabólico refletida no espelho, porém, esboçam mínima ou nenhuma reação, dessa forma as cenas perdem totalmente o clima de tensão.

O diretor Víctor García, da bomba De Volta a Casa da Colina, e o roteirista Matt Venne, oriundo do fracasso Luzes do Além, até tinham boas intenções nesta sequência indireta do longa comandado pelo francês Alexandre Aja, mas construíram um filme com vários furos, uma trama bem inferior à original e sem a mesma aura de tensão que o cenário destruído da antiga loja proporcionava. Para compensar a ausência de clima de mistério quanto ao visual, o roteiro tenta assombrar o espectador com aquele velho clichê da alma perturbada que se aproveita da frafilidade ou poder mediúnico de algum mortal para tentar pedir ajuda para descobrir quem foi o responsável por sua morte. O problema é que a fantasminha da vez, para variar, é ingrata e parece querer levara para o além qualquer um que esteja dando sopa, mesmo que tais episódios possam colocar o seu mediador com o mundo real em maus lençóis. E aguente flashbacks, pistas falsas, ruídos estranhos e vultos de relance. Max chega a procurar ajuda de uma psiquiatra, mas acaba escutando aquela velha crendice de que os espelhos podem captar a alma de pessoas prestes a desencarnar, só enrolação para rechear um filme que embora curto poderia ser resumido em meio hora de arte. Só o vai e vem no tempo para mostrar as razões do trauma do protagonista é um desperdício e tanto de tempo. Em suma,  Espelhos do Medo 2 é uma produção desnecessária que foi lançada diretamente em DVD e que não é nada mais que um passatempo bobinho totalmente previsível e sem apuro técnico, a grande tábua de salvação do longa original. A arte da capa é bem bacana, mas não faz jus ao conteúdo que pela milésima vez explora o filão do espírito inquieto que clama por justiça para poder descansar em paz e no final tudo acaba em uma grande farofada que faz o espectador se sentir um bocó. Se não tivesse a pretensão de ser uma parte dois e com algumas mudanças drásticas dava até para ser encarado com um trabalho regular. Uma pena. O início mostrando o segurança da loja devorando cacos de vidro enquanto era observado por seu próprio reflexo prometia algo interessante.
 
Terror - 90 min - 2010 

-->
ESPELHOS DO MEDO 2 - Deixe sua opinião ou expectativa sobre o filme
1 – 2 Ruim, uma perda de tempo
3 – 4 Regular, serve para passar o tempo
5 – 6 Bom, cumpre o que promete
7 – 8 Ótimo, tem mais pontos positivos que negativos
9 – 10 Excelente, praticamente perfeito do início ao fim
Votar
resultado parcial...

Nenhum comentário:

Leia também

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...