sábado, 6 de outubro de 2012

CUT - CENAS DE HORROR

Nota 2,0 Bom argumento é desperdiçado em trama clichê com mutilação e sangue gratuitos

Dar continuidade a um filme que teve toda sua produção paralisada por causa de desastres e fatalidades não é ficção na indústria de cinema, principalmente quando envolve algum título do gênero de terror. Algumas histórias de arrepiar sobre os bastidores de filmagens tornaram-se verdadeiras lendas até mais interessantes que os próprios enredos de seus longas-metragens. São muitos os títulos que durante ou após as filmagens geraram diversos boatos estranhos como de mortes, acidentes, situações bizarras ou estagnação da carreira dos atores, como o clássico caso da atriz Linda Blair de O Exorcista que ganhou fama repentinamente, mas a perdeu com a mesma rapidez. No mesmo filme um dos atores morreu poucos dias após concluir suas gravações e muitas pessoas da produção relataram ter vivenciado estranhos fenômenos em suas rotinas. Alguns filmes, em casos extremos, nunca chegaram a ser totalmente concluídos devido aos inúmeros contratempos, um tema fértil para mentes criativas, o que não é o caso do diretor Kimble Rendall que fez de Cut - Cenas de Horror um slasher movie convencional e pouco memorável. A história começa em 1988 quando Hilary Jacobs (Kylie Minogue) estava rodando um filme de terror sobre um psicopata mascarado que sempre usa lâminas para eliminar as vítimas. Ao rodar uma cena crucial, a diretora paralisa as filmagens para fazer críticas sobre o ator que vive o assassino e ele resolve se vingar executando-a à sangue frio. Nos dias seguintes, outras pessoas envolvidas na produção também vieram a falecer tragicamente, inclusive o próprio intérprete do assassino. Após alguns anos, a perturbadora história dos bastidores dá ao filme um irresistível apelo que o transforma em objeto de desejo entre estudantes de cinema, principalmente na turma de Lossman (Geoff Revell), um ex-assistente de direção de Hilary que atualmente dá aulas numa faculdade. Ele quer concluir o filme com Vanessa Turnbill (Molly Ringwald), a antiga protagonista que desde então vive no ostracismo, e assim organiza um grupo para voltar aos locais originais das filmagens. Contudo, a maldição dos bastidores ainda existe e está pronta para fazer novas vítimas seguindo o roteiro de limar os envolvidos de acordo com a importância de seus personagens na trama.

É comum ouvirmos histórias macabras sobre os bastidores de produções a respeito de casas assombradas ou possessões, a velha história de que mexer com o sobrenatural atrai coisas negativas, mas são desconhecidos tais boatos envolvendo produtos cujas estrelas são os seriais killers. Trabalhar tal viés até poderia ser interessante e render bons sustos, mas Rendall preferiu recorrer ao estilo trash movie, a começar pelo visual como um todo. Se o aspecto envelhecido das imagens não é proposital, só podemos explicar isso como resultado de um trabalho amadorístico. Bem, não é de se estranhar que após este filme Rendall preferiu assumir o posto de assistente de direção e deixar a cadeira principal para quem entende do assunto. Curiosamente, entre seus projetos na nova função estão Matrix, Eu Robô Casanova, exemplos de que ele fez a escolha certa. Mas voltando a falar sobre CUT – Cenas de Horror, apesar do modelo de filme protagonizado por assassinos mascarados ter evoluído na década de 1990, o estilo de filmagem e as trucagens de Rendall parecem inspiradas em trabalhos datados de uma década antes. Isso fica muito claro quando entram em cena os efeitos especiais (ou seriam defeitos?) que denunciam que o diretor bebeu direto na fonte de longas de Freddie Krueger e companhia. Sendo uma produção australiana, poderia ter tentado dar alguma personalidade própria ao longa e fugir dos clichês hollywoodianos. Não se pode falar o que ocorre para não estragar a surpresa de quem ainda não viu, mas certamente os fãs de terror das antigas devem se divertir com algumas cenas que transpiram naftalina, principalmente a conclusão. Ainda bem que o filme é curto e as mortes, o grande chamariz da fita, ocorrem uma atrás da outra, não é preciso nem aguentar uma chata introdução para começar a se divertir com o banho de sangue corriqueiro graças ao roteiro capenga de Dave Warner. Quem conseguir chegar até a última cena poderá concluir que este filme ficou em cima do muro entre a seriedade e a diversão descerebrada e que acabou por jogar na lata do lixo uma premissa muito interessante. Uma pena, mas na pior das hipóteses uma alternativa para quem já sabe de trás para frente o enredo de Pânico, Lenda Urbana, Sexta-Feira 13...

Terror - 83 min - 1999 

-->
CUT - CENAS DE HORROR - Deixe sua opinião ou expectativa sobre o filme
1 – 2 Ruim, uma perda de tempo
3 – 4 Regular, serve para passar o tempo
5 – 6 Bom, cumpre o que promete
7 – 8 Ótimo, tem mais pontos positivos que negativos
9 – 10 Excelente, praticamente perfeito do início ao fim
Votar
resultado parcial...

Um comentário:

Kelly Christi disse...

cara... eu sou apaixonadaaaa por cinema, adorei seu blog e suas criticas contundentes sobre filmes, abraço.

http://www.pequenosdeleites.blogspot.com/

Leia também

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...