terça-feira, 21 de agosto de 2012

OS IRMÃOS MCMULLEN

NOTA 8,0

Ator Edward Burns faz sua
estréia como diretor em
filme simples e eficiente
que enfoca relacionamentos
Simplicidade e emoção. Talvez estas duas palavras sejam as que definam melhor o conceito de filmes independentes, excetuando-se as produções talhadas para ganhar prêmios no melhor estilo Miramax (aquela produtora que bombou no passado nas premiações com títulos como Shakespeare Apaixonado e Chicago). Filmes visualmente simples, mas ricos em conteúdo, é a melhor forma de um ator conseguir fazer sua estréia na direção e foi assim que Edward Burns debutou na função de diretor. Em 1995, o cinema independente americano vivia uma excelente fase após ganhar uma injeção de ânimo com o sucesso de público e crítica de diversas produções do tipo, principalmente depois que Quentin Tarantino chegou as principais categorias do Oscar com seu Pulp Fiction – Tempo de Violência. Ok, emoção no sentido mais singelo da palavra não é a cara do trabalho citado, mas o fato de ter sido produzido longe de um grande estúdio e usando bem menos recursos financeiros que outros blockbusters da época automaticamente classificaram o longa como um expoente entre os títulos “excluídos” de Hollywood. Assim as portas do mundo cinematográfico foram abertas para dezenas de novos realizadores que mesmo com poucos recursos conseguiram produzir e lançar pequenos filmes nos quais o que mais importa é o texto, a mensagem que a obra quer transmitir. Burns, também roteirista, lançou exatamente neste período seu primeiro filme como diretor, Os Irmãos McMullen, um título rejeitado pelo mercado até que se tornou vencedor do prêmio do Júri do Festival de Sundance. A rejeição dos exibidores e empresas de vídeo doméstico é explicada pelo mesmo mal que afeta os longas apresentados nos festivais contemporâneos: a limpeza das imagens, que podem indicar falta de recursos, e a oscilação entre gêneros, no caso entre o drama e o humor leve, dois fatores que não inspiram muita confiança e dificultam cativar o espectador. Todavia, quem gosta de boas histórias e resolver dispensar um tempinho do seu dia para curtir esta produção certamente não se arrependerá. Situações distintas são traçadas em histórias paralelas nas quais três irmãos irlandeses que vivem em Long Island, nos EUA, e levam a sério o catolicismo passam por dificuldades em seus envolvimentos amorosos. Cada qual vive uma crise diferente. A intimidade com o tema garante as virtudes da obra afinal o próprio Burns é filho de imigrantes irlandeses e o segundo de três filhos. Não por acaso ele assume no longa o papel do filho do meio e dá ao elenco a segurança necessária, pois sabe bem do que está falando.

Os problemas em comum e a proximidade permitem que os irmãos expressem seus sentimentos e fraquezas e busquem apoio uns nos outros. Jack (Jack Mulcahy) está vivendo um casamento à beira da falência com Molly (Connie Britton), que está pressionando para que eles tenham filhos. Porém, o rapaz não se sente pronto para ser pai e até dúvida se ama sua esposa ainda já que sente atração por Ann (Elizabeth P. McKay), com quem tem encontros às escondidas. Barry (Edward Burns) se dedica totalmente à carreira como roteirista de cinema e nem pensa em relacionamentos sérios, mas acaba se apaixonando por Audry (Maxine Bahns), o que pode atrapalhar seus planos profissionais. Já Patrick (Mike McGlone), o caçula, está dividido entre seguir os ensinamentos da religião, aliás, é o mais carola de todos entre os irmãos, ou viver intensamente seu amor pela judia Susan (Shari Albert). Uma gravidez inesperada e a amizade com a católica Leslie (Jennifer Jostyn) o deixam ainda mais em dúvida sobre qual caminho seguir. Todo esse carrossel de emoções começa após o velório do pai quando a mãe deles avisa que está de partida para a Irlanda em busca de uma paixão da juventude. Aliás, a explicação para a partida da mãe deles de volta ao país de origem é uma das melhores cenas do longa e explica melhor a relação dessa família com a fé. Mais a frente é revelado o passado da união dos pais dos rapazes e novamente entramos no quesito respeito à religião. Focando a narrativa em seus protagonistas, Burns conseguiu realizar uma obra que trata com franqueza e clareza sobre amor, família, relacionamentos, crenças, dúvidas, frustrações, sonhos e amadurecimento, enfim tudo aquilo que ele provavelmente não encontrava participando de produções hollywoodianas. Na época o ator não era famoso, aliás, a fama ao que tudo indica ainda não o alcançou plenamente, mas a oportunidade de atuar, dirigir e escrever em um mesmo projeto era a chance de progredir a passos largos. Claramente ele prefere trabalhar com enredos que privilegiem as questões que envolvem relacionamentos afetivos, sejam eles amorosos ou familiares, tanto que anos mais tarde seguiu o mesmo caminho em Segunda Chance Para o Amor.

Com alguns momentos divertidos e outros inspirados, é certo que Os Irmãos McMullen não é nenhuma obra-prima, mas é extremamente competente e sensível ao tratar de assuntos universais através de uma narrativa agradável e simples tanto no conteúdo quanto no visual. Com um orçamento modesto para as filmagens, o que explica a deficiência de qualidades técnicas na fita, Burns se virou como pôde para realizar o trabalho mais perfeito e sincero possível, mas em nenhum momento a falta de verba foi problema para este homem de múltiplas funções. Uma boa história em mãos era o essencial para realizar o seu desejo que no final das contas talvez tenha extrapolado as suas próprias expectativas. Para os desatentos, seus filmes podem parecer chatos a primeira vista, mas vale uma revisão. Sem arriscar no tipo de filmagem e evitando cenas que destoem do clima da produção, o grande trunfo de seus trabalhos, ao menos os que ele próprio coloca a mão a na massa, são os roteiros emocionantes e que retratam situações cotidianas. Assim, podemos até arriscar dizer que há uma grande influência do cineasta Woody Allen, entre outros, na filmografia de Burns como diretor que fez um belo e eficiente trabalho de estréia falando do que conhece melhor. O cotidiano do trio de irmãos certamente tem fortes pinceladas de realismo. A união deles permite que eles conversem abertamente sobre problemas, peçam opiniões, discutam e até briguem, mas logo voltam as boas afinal independente do caminho que irão seguir para suas vidas de certa forma estarão ligados para sempre. Talvez a única coisa que o público estranhe seja o apego a religião desses rapazes como se ela regesse suas vidas, algo raro hoje em dia, mas é bom lembrar que eles são jovens criados na Irlanda, um país com outros valores e crenças. Vale a pena conferir. Uma curiosidade: graças ao faturamento satisfatório para o porte deste filme, Burns conseguiu uma bolada de um estúdio para gastar nas filmagens de Nosso Tipo de Mulher, seu projeto seguinte como diretor.

Drama - 94 min - 1995 - Dê sua opinião abaixo.

Nenhum comentário:

Leia também

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...