terça-feira, 20 de agosto de 2013

TESTEMUNHAS DE UMA GUERRA

NOTA 7,5

Mais um filme procura expor os
horrores da guerra tendo como
protagonista um homem cuja
obsessão se tornou seu pesadelo
Os horrores da guerra já foram retratados das mais variadas formas pelo cinema e desde os mais famosos até relativamente desconhecidos conflitos já tiveram espaço na sétima arte. O resultado é que com tantas produções com temáticas parecidas muitas acabam passando despercebidas, principalmente se não tiverem ao menos um ator de peso encabeçando o elenco e/ou um diretor renomado assinando o projeto. Por isso chama a atenção o ostracismo vivenciado por Testemunhas de Uma Guerra, drama protagonizado por Colin Farrell, então já reconhecido por seus dotes dramáticos e com aval da crítica, e dirigido pelo bósnio Danis Tanovic cujo nome teve projeção internacional após a conquista do Oscar de Filme Estrangeiro por Terra de Ninguém, mais uma produção com a temática guerra. Abordar conflitos do tipo parecem a especialidade do cineasta que neste caso conseguiu fazer um eficiente drama que reflete duas realidades que por vezes não são noticiadas pelos veículos de comunicação: a dura vida de quem precisa registrar as atrocidades das guerras e o dia-a-dia de quem deveria estar lá para salvar vidas, mas diante das dificuldades se vê obrigado a escolher quem terá direito a uma segunda chance. Triagem (“Triage” é o título original) é o nome dado ao processo de seleção que os médicos usam em situações de emergência para priorizar o atendimento dos mais necessitados. Geralmente quem procura atendimento em pronto-socorros passa por essa pré-seleção e os doentes mais graves têm preferência de atendimento (teoricamente as coisas deveriam funcionar assim), mas nas guerras as coisas funcionam diferentes. Com recursos escassos, os médicos acabam atendendo os feridos com maiores chances de sobrevivência e deixando os de estado grave por último na fila de atendimento para não desperdiçarem material, o que fatalmente os levam ao óbito. Situações como essas é que servem de base para o roteiro criado pelo próprio cineasta que coloca Farrell na pele do fotógrafo Mark que é viajo ao Kurdistão na companhia do amigo também fotógrafo David (Jamie Sives). A trama se passa em meados dos anos 80, época marcada no país pelos conflitos entre a classe trabalhadora e o governo turco, este que não reconhece a existência da etnia curda. Durante semanas a dupla registrou com suas câmeras os processos de triagem e conversaram com os médicos a respeito. Além das imagens estarrecedoras, os depoimentos também eram assustadores, alguns profissionais inclusive relatando que não bastava excluir os doentes mais graves da lista de atendimento, precisavam eles mesmos sacrificar homens para poupar seus sofrimentos de esperar a morte que poderia ocorrer em questão de pouquíssimos dias ou até mesmo minutos.

Mark é um viciado por adrenalina, situações de risco e quer ir além do trabalho proposto. Ele almeja fama e a chance de realizar seu sonho de trabalhar em um conceituado periódico e para isso está focado em fotografar imagens violentas e desagradáveis, acreditando que a coragem para tanto pode lhe trazer status na profissão. Já David prefere fotografar momentos belos ou raros e está sempre a procura de uma imagem inusitada mesmo em lugares onde a calamidade impera, porém, está cansado de seu trabalho principalmente agora que está vivendo um momento sublime de sua vida prestes a ser pai pela primeira vez. Os dois faturam vendendo as fotos, não possuem chefe fixo e tampouco um salário assegurado, mas têm a liberdade de escolherem os trabalhos que querem realizar. Quando ocorre a primeira ofensiva iraquiana os amigos acabam se desentendendo por divergências de ideias e David decide não correr mais riscos e ir embora. Mark opta por enfrentar os perigos, mas acaba se ferindo e ficando um tempo na enfermaria de um campo de concentração onde conhece ainda mais de perto o difícil trabalho dos médicos militares conversando com o Dr. Talzani (Branko Djuric), incluindo as citadas execuções de soldados e civis gravemente feridos. Quando volta para casa, ele está completamente transtornado e muitos quilos abaixo de seu peso normal, mas seu estado piora ao saber que David mesmo tendo saído do Kurdistão dias antes jamais havia retornado para sua casa deixando sua esposa Diane (Kelly Reilly) apreensiva. Claramente depressivo, Mark preocupa a mulher Elena (Paz Vega) que recorre ao pai Joaquín Morales (Christopher Lee), um polêmico psicólogo que surge pouco tempo na tela, mas sua participação é fundamental para termos ideia do que os rapazes vivenciaram durante a estadia no país árabe. Este profissional era no passado um torturador de guerra, motivo que o afastou da filha, mas uma situação que o ajuda a compreender o estado do genro e a apontar caminhos para ele seguir sua vida adiante. É graças as sessões de terapia, ou conversa informal se preferir, que o grande mistério envolvendo David é revelado (uma conclusão que surpreende) e ficamos sabendo de episódios curiosos como quando Mark tentou ajudar uma nativa a encontrar o crânio do marido em meio a uma montanha de ossos. Obviamente o rapaz entregou para a mulher qualquer um e mesmo assim ela pareceu satisfeita, mas segundo o psicólogo o agradecimento foi por conta da atenção que ele dispensou a ela, como se fosse um reconhecimento de que ela era um ser humano comum, justamente o motivo que deflagrou o conflito entre curdos e turcos que serve como pano de fundo desta narrativa.

Baseado no livro do escritor Scott Anderson, Tanovic, que antes de explorar o campo das ficções atuou como documentarista, conseguiu realizar neste caso um trabalho que consegue flertar com as duas formas de se fazer cinema. Paralelo ao envolvimento gerado pelo drama do protagonista também estamos acompanhando um intenso choque de realidade, uma aula sobre coisas que não aprendemos no colégio, mas sim a vida nos ensina: a lei do mais forte. Se você demonstra aptidão para se levantar após uma derrota terá ajuda, mas se demonstrar entregue ao fracasso quem apostará na sua recuperação? O próprio contraponto entre David e Mark, a discussão quando um deles resolve abandonar o trabalho, serve para justificar este pensamento, apesar de um deles voltar extremamente machucado pela guerra, não tanto fisicamente, mas sim emocionalmente. O longa poderia ser resumido como a exemplificação do que as várias atrocidades de eventos tão traumatizantes podem causar nas pessoas. Não raramente os danos psicológicos são mais graves que os físicos e Farrell consegue transmitir com eficiência a sensação de um homem transtornado e cujas expectativas positivas para a vida são resumidas a quase nada após tantas barbaridades que viu e constatar que realmente basta estar vivo para morrer. O ator acostumado a exibir um porte atlético deixou as vaidades de lado e provou honrar a profissão. Para dar veracidade ao personagem ele emagreceu cerca de vinte quilos, está longe de exibir seu habitual visual de galã e sem dúvidas é sua interpretação contida e carregada de sentimentos negativos que seguram as pontas da obra, envolvendo o público e instigando-o a querer descobrir qual episódio realmente levou Mark ao seu estado depressivo. Seu acidente? O sumiço de David? As mortes gratuitas? A miséria do povo curdo? O mais certo é que a somatória de tudo isso o levou a tal quadro deprimente. Não é errado dizer que o protagonista funciona como alter ego do diretor. É como se suas experiências e sentimentos refletissem os pensamentos de Tanovic que lança sobre a guerra um olhar de voyeurismo, mas ao mesmo tempo crítico. Mark é tentado a fotografar a violência e a crueldade, mas como resultado acaba sendo vítima de seu fanatismo, ao contrário dos médicos que conheceu nos campos que precisam ter sangue frio e sentimentalismo nulo para se sentirem no direito de decidir quem deve viver ou não, mas mais cedo ou mais tarde fatalmente sentirão os efeitos negativos de seus atos, como o próprio Joaquín que acabou tendo um relacionamento conturbado com a filha, embora um viés mal trabalhado. Testemunhas de Uma Guerra não é perfeito, principalmente pelas tramas dos coadjuvantes mal conduzidas, mas cumpre seu objetivo de nos fazer refletir sobre a ignorância das guerras, como a intolerância pode ser responsável por tantas tragédias. Pior ainda é constatar que o tempo passa e os problemas étnicos continuam gerando conflitos e sociedades que acreditam que o tom de pele, religião, cultura e outras peculiaridades podem definir quem merece ser visto como ser humano e quem merece ser exterminado. Como é citado a certa altura do longa, em outras palavras, só os mortos é que conseguem ver o fim das guerras. Os vivos infelizmente parecem fadados a conviver com esse mal eternamente.

Drama - 99 min - 2009 - Dê sua opinião abaixo.

Nenhum comentário:

Leia também

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...