domingo, 29 de julho de 2012

UMA SOCIALITE EM APUROS

Nota 7,5 Apesar de longa e repleta de clichês, comédia é divertida e agrada seu público-alvo

Para as plateias masculinas assistir a uma comédia romântica com cerca de uma hora e meia de duração pode ser um grande sacrifício ou uma enorme prova de amor caso esteja com uma companhia feminina, mas encarar quase três horas de uma açucarada narrativa deve ser uma tarefa que nem o mais apaixonado dos homens faria. E olha que não seria nem mesmo qualquer mulher que encararia a ideia numa boa, afinal haja pipoca e refrigerante para aguentar a maratona. Todavia, Uma Socialite em Apuros consegue durante sua longa projeção segurar a atenção do espectador com um texto ágil e bem divertido, mas certamente bem mais funcional em seu formato original. O diretor Timothy Busfield conduz a produção de forma linear e mastigadinha, no melhor estilo feito para a TV. Aliás, embora não existam registros claros da origem deste trabalho, tudo indica que ele foi um projeto especial feito para a telinha, tanto é que o DVD é dividido em dois episódios. Na trama, Clarissa Alpert (Sarah Chalke) é uma linda, elegante e animada socialite que leva uma vida fútil. Dividindo seu tempo entre compras no shopping e noitadas com rapazes que na maioria das vezes não sabe nem mesmo o nome, ela se dá conta que sua vida não tem o menor sentido. Apesar de ter muitas amigas e manter sua agenda atualizada com o contato de famosas celebridades, ela se sente sozinha aos 32 anos de idade e decide que chegou a hora de se casar. Ela planeja nos mínimos detalhes a cerimônia e a festa, mas há apenas um pequeno problema para seu sonho se realizar: ela não tem um noivo. Na busca incessante por um pretendente, Clarissa acaba recorrendo a um elaborado plano para conseguir fisgar o coração de Aaron Mason (Philip Winchester), um produtor de cinema dos mais requisitados de Hollywood. Entretanto, um antigo namorado dela, Simon Taylor (Paul Leyden) está sempre por perto para mexer com os ânimos da moça que não resiste a uma recaída. Tentando manter o relacionamento bígamo, as coisas complicam quando Clarissa surge com uma novidade que vai mexer com a vida dos dois rapazes, mas principalmente com a dela própria.

Apesar do título pouco animador e do elenco desconhecido e oriundo de seriados, no qual talvez Judy Greer, a vilã de De Repente 30, seja a mais famosa, ainda que sempre apareça como coadjuvante, temos aqui uma comédia romântica repleta de clichês e super previsível. Contudo, com tempo de sobra a ser preenchido, o roteiro de Suzanne Martin dá conta de desenvolver melhor as situações envolvendo mais o público a cada novo passo da simpática protagonista que vive a famosa crise da meia idade. Solteira, porém, nunca sozinha, ela agora procura um parceiro fixo, mas não apenas para se adequar ao perfil das mulheres de sua idade, a grande maioria já casada e mães. Ela não quer qualquer um afinal é uma moça de fino trato. Ter um marido rico e bem relacionado é essencial para esta mulher manter seu estilo de vida e a imagem de sucesso perante a sociedade, ainda mais neste momento que de uma hora para a outra ela descobre que é uma socialite falida. Dividida entre dois amores, a história de Cassandra é bastante beneficiada por esta dúvida chegando a deixar o espectador na dúvida de quem seria realmente seu príncipe encantado, assim agregando à produção alguma expectativa, um pequeno mistério que vários filmes do gênero estrelados por grandes atrizes não faz questão nenhuma de preservar e logo nas primeiras cenas entrega de bandeja quem subirá ao altar com a mocinha no desfecho de tudo. Reforçando a tendência do híbrido de mídias, a estética adotada pelas comédias românticas casa bem tanto para o cinema quanto para a TV, mas talvez para o lançamento em mídia física a distribuidora Sony, detentora do canal homônimo que provavelmente exibiu o programa, poderia ter realizado alguns cortes para diminuir a duração em uns 20 ou 30 minutos. De qualquer forma, Uma Socialite em Apuros, baseado no livro homônimo escrito por Gigi Levangie Grazer contando experiências reais de sua vida como ex-milionária, pode ser uma boa opção quando já se assistiu todos os romances água-com-açúcar disponíveis na locadora. Esperar passar na TV? Uma vez ou outra em canal pago pode ser que passe, mas nas emissoras abertas sem chance. Santo DVD!

Comédia Romântica - 175 min - 2010 - Dê sua opinião abaixo.


Nenhum comentário:

Leia também

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...