sábado, 30 de junho de 2012

PRISIONEIRO DA MORTE

Nota 2,0 Efeitos especiais bacaninhas é o que se salva deste terror que não tem objetivos claros

Todos estão carecas de saber que inovar no gênero de terror é algo quase impossível atualmente após os temas terem sido reciclados centenas de vezes, mas sempre há um gênio de plantão tentando tirar leite de pedra. A idéia da morte perseguindo suas próximas vítimas já foi bem explorada, por exemplo, no primeiro título da cinessérie Premonição, que não por acaso desandou ladeira abaixo nos episódios seguintes da franquia. No caso de Prisioneiro da Morte as boas intenções morrem antes mesmo de algum espectro surgir em cena. A premissa é bem interessante, mas é mal desenvolvida pelo roteiro de Brendan Hood, autor de Habitantes da Escuridão, outro filme que promete demais e cumpre bem pouco. A trama gira em torno do jovem Ian Stone (Mike Vogel) que está chateado por achar que foi trapaceado durante um jogo de hóquei na faculdade. Consolado por Jenny (Christina Cole), ele lhe dá uma carona para sua casa e depois segue para a sua. No caminho é surpreendido por um corpo estendido no chão durante uma noite chuvosa e tenta pedir socorro, mas é surpreendido pelo ataque da tal pessoa ou criatura. Passado o susto, Stone de repente se vê dentro de um escritório e sem nenhuma marca de agressão. Sua companheira Medea (Jaime Murray) desconhece a história de que ele era jogador durante a época de estudante e a partir de uma estranha conversa com um desconhecido o rapaz descobre que está morrendo a cada dia e voltando em uma nova vida e em alguma atividade ou situação diferente, porém, sempre mantendo o mesmo nome e com poucos resquícios de memórias de sua “última passagem”, mas sempre Medea ou Jenny estão por perto. Agora ele precisa desvendar este mistério para voltar a levar uma vida normal, mas parece que o relógio é seu inimigo número um. O quebra-cabeça do enredo começa intrigante, mas pouco a pouco vai se tornando desinteressante mesmo com as constantes mudanças que ocorrem na vida do protagonista interpretado razoavelmente por Vogel que estrelou Cloverfield – Monstro, um quase terror com trama bem melhor desenvolvida. Chegamos a um ponto que o máximo de expectativas que podemos criar são quanto as aparições dos ceifadores, as criaturas responsáveis por colocar ponto final em uma vida.


O aspecto visual destas criaturas demoníacas é uma estilização em cima da figura que popularmente conhecemos simplesmente como Morte, aquela assombração com manto negro e foice nas mãos. Os efeitos especiais chamam a atenção pelo aspecto esvoaçante ou borrado dos ceifadores quando se movimentam, obras de Stan Winston, mas são criações muito simplórias para quem já deu vida novamente a monstros pré-históricos como destaca o material publicitário do longa em referência a Parque dos Dinossauros. O diretor italiano Dario Piana, oriundo do mundo da publicidade, se esforça para contar de forma digna uma história que enfoca ceifadores do bem digamos assim. A certa altura, a narrativa se divide entre o drama do protagonista e o conflito existente entre as criaturas malignas que declaram guerra para aqueles do grupo que dão o poder de voltar a viver às vítimas, uma forma de torturá-las com um ciclo de mortes aparentemente infinito. Sempre que o relógio de alguém pára fica a deixa para eles aparecerem e aprontarem. Claro que na conclusão tudo fica embolado e o espectador com cara de bobo. Stone continuará a viver e morrer eternamente? Ele seria também um ceifador? Sinceramente tais respostas até podem ser dadas nos minutos finais, mas é certo que já estaremos tão saturados quando chegarmos à conclusão que ficará difícil prestar atenção a não ser para sabermos quando os créditos finais irão surgir. E olha que não chega a uma hora e meia de duração tal projeto preguiçoso. Ainda bem. Originalmente chamado “As Mortes de Ian Stone”, no Brasil o longa foi lançado diretamente em DVD e já fadado ao fracasso, ainda mais com o genérico título Prisioneiro da Morte digno de produções trash. Em tempo: mesmo deixando a desejar em termos de violência e sanguinolência, o longa teve sua premiére americana em um festival independente de cinema de horror que aos poucos tem ganhado destaque na mídia, lançando cineastas que conseguem realizar trabalhos com uma quantia de dinheiro modesta. Piana foi exceção à regra. Gastou muito mais que o estipulado pensando que um visual estilizado salvaria sua obra. Imagem não é tudo.

Terror - 87 min - 2007 - Dê sua opinião abaixo.

Um comentário:

Luís disse...

Parece mesmo muito ruim esse filme. Decerto eu o colocarei na minha lista de filmes para assistir por último, isto é, caso eu os decida assistir.

Leia também

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...