sexta-feira, 22 de março de 2013

ALGUÉM TEM QUE CEDER

NOTA 8,5

Veteranos protagonistas dão
um tempero novo à batida
receita das comédias
românticas, mas sem apelações
A estrutura básica de uma comédia romântica é composta por um casal bonito e charmoso, uma ou duas pessoas que surgem para atrapalhar esse amor, muitos conflitos, fofocas e micos para encher linguiça e por fim o tão esperado beijo e a declaração de amor destes jovens apaixonados que ainda podem subir ao altar para fechar com chave de ouro este filme-clichê que tanto faz a alegria de milhares de espectadores que adoram sofrer com os dilemas e desventuras dos personagens, mesmo sabendo que no fim o amor prevalecerá. Uma estrutura similar é a base de Alguém Tem Que Ceder, produção que traz como grande diferencial o fato de ser protagonizada por duas pessoas maduras redescobrindo o prazer de viver através do amor. Na época de seu lançamento, os adolescentes e jovens com idades até cerca de 30 anos se viam representados nos cinemas por atores como Jennifer Anniston e Mark Ruffallo, mas a turma mais velha não se identificava com personagens se apaixonando pela primeira vez ou buscando o amadurecimento e a responsabilidade através do matrimônio afinal já passaram por tudo isso. Assim não é de se estranhar o sucesso com os espectadores cinquentões ou de mais idade que resultou o reencontro de Jack Nicholson e Diane Keaton quase vinte anos depois deles atuarem juntos pela primeira vez no filme Reds. Para falar de amor na terceira idade e contando com uma história que mexe com a alma feminina, nada melhor que uma mulher já vivida na direção. Nancy Meyers há décadas acumula experiência atrás das câmeras e na redação de roteiros sempre optando pelas comédias românticas, mas constantemente seus trabalhos eram recepcionados de forma fria pela crítica, mas encontravam refúgio nos braços do público. Após o sucesso Do Que as Mulheres Gostam, no qual a cineasta arriscou-se a colocar Mel Gibson usando acessórios femininos e com uma sensibilidade ímpar para quebrar sua imagem de ator de filmes de ação e suspense, aqui ela não teve mede de apresentar Nicholson como um sessentão mulherengo e Diane exibindo um pouco mais de seu corpo, embora apareça em cena bem mais tempo vestindo roupas recatadas.

Por mais previsível que seja a história, o talento e o carisma dos atores envolvidos pode dar uma injeção de ânimo de forma que qualquer roteiro batido ganha ares de novidade, como neste caso em que os nomes de dois veteranos de prestígio atrelados a produção tratou de convencer o público de que valia a pena descobrir como andava a vida amorosa dos mais vividos. E ainda essa descoberta é válida. Harry Sanborn (Nicholson) é um sessentão que recusa a se comportar como alguém de sua idade e adora flertar com jovenzinhas. No momento ele namora com Marin (Amanda Peet) com quem irá passar um final de semana na casa de praia da mãe dela, a escritora Erica (Diane), uma mulher que há anos vive sozinha e dedica praticamente todo seu tempo ao trabalho. Quando o empresário do mundo da música está certo que poderá aproveitar ao máximo a companhia da namorada ele é surpreendido com a chegada da sogra e da irmã dela, Zoe (Frances McDormand). Tentando manter a educação, Erica tenta conviver com o possível genro da melhor maneira possível, mas obviamente críticas e desconfianças são inevitáveis, porém, o pior está por vir. Harry sofre um infarto e se vê impedido de voltar para sua casa, sobrando para Erica a responsabilidade de cuidar do doente já que é a única que teria disponibilidade de tempo para ficar no litoral. Além de lidar com essa constrangedora situação, esta mulher ainda terá que dar um jeito de escapar das cantadas do médico de Harry, o jovem Julian (Keanu Reeves). No entanto, o convívio entre estas duas pessoas vividas, inicialmente conturbado, acaba fazendo bem aos dois. Harry e Erica sentem-se balançados um pelo outro e assim ele passa a aceitar que envelheceu e que uma companheira de idade próxima a sua seria muito melhor e ela, por sua vez, descobre que ainda pode ser desejada por um homem. Contudo, até que a ficha dos dois caia muita coisa pode acontecer. 

A grande piada desta comédia, no bom sentido, é acompanhar duas pessoas maduras e experientes comportando-se quase como adolescentes trocando olhares, provocações e até rolando ciúmes, todavia, os personagens jamais são apresentados de forma ridicularizada, embora situações constrangedoras para eles vivenciarem não faltem. Apesar do sentimento latente de ambas as partes, os dois são osso duro de roer e tentam de todas as formas fingirem que não ligam a mínima pelo que faz ou deixa de fazer o outro, porém, mais cedo ou mais tarde alguém tem que ceder literalmente e dar um passo importante para consolidar esse romance. Apesar de o humor dar a tônica deste longa, o roteiro também abre espaço para momentos de reflexão mostrando que a terceira idade tem seus atrativos e que o amor pode acontecer em qualquer etapa da vida. É justamente quando os protagonistas se dão conta dos sentimentos que cultivam um pelo outro que o filme perde um pouco o ritmo seguindo a trilha de um romance tradicional e abandonando o tom humorístico da obra, porém, jamais se tornando enfadonho, se bem que uns vinte minutos a menos na duração viriam a calhar. Quando vemos dois veteranos atuando com tanto vigor como neste caso certamente ficamos com um algo a mais na memória para pensarmos que simplesmente as lembranças do filme. Temos inúmeros exemplos de atores que fizeram muito pela indústria de cinema americano, mas a própria Hollywood virou as costas para esta pessoas quando julgou que elas eram dispensáveis devido a idade avançada. Nicholson e Diane colheram elogios por suas performances, ela inclusive foi indicada ao Oscar, mas depois deste trabalho os holofotes começaram a se apagar para ambos. Ele fez mais uns dois projetos de relativo sucesso, mas sua presença nas telonas é cada vez mais rara. Sua companheira, por sua vez, já estava na época se habituando a ser a queridinha das mamães e das vovós e pelo fato de seus filmes se adaptarem melhor em exibições caseiras e a esta realidade ela retornou após muitos aplausos por Alguém Tem Que Ceder, uma comédia romântica que se destaca em meio a tantas babaquices protagonizadas por atores bonitinhos, mas que não tem um terço do talento e carisma dos intérpretes de Harry e Erica para sobreviverem a tantas décadas em evidência.

Comédia romântica - 128 min - 2003 

-->
ALGUÉM TEM QUE CEDER - Deixe sua opinião ou expectativa sobre o filme
1 – 2 Ruim, uma perda de tempo
3 – 4 Regular, serve para passar o tempo
5 – 6 Bom, cumpre o que promete
7 – 8 Ótimo, tem mais pontos positivos que negativos
9 – 10 Excelente, praticamente perfeito do início ao fim
Votar
resultado parcial...

Nenhum comentário:

Leia também

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...