sábado, 21 de janeiro de 2012

CÓDIGO 46

Nota 6,0 Investindo na ficção científica e com roteiro cabeça, obra nos faz pensar sobre o futuro

No passado os filmes que focavam a possível realidade do futuro ou os avanços tecnológicos eram verdadeiros fetiches, até porque os efeitos especiais ainda estavam em plena fase de experimentações, portanto os filmes de ficção científica eram uma moda e tanto. Hoje o gênero já não tem o mesmo prestígio e facilmente é rotulado de filme B e desperta a desconfiança do público. Código 46, no entanto, foge a esse estereótipo, mas infelizmente não encontra seu público por mais que o tempo passe.  Esta é uma obra diferente em seu nicho, livre de naves espaciais, engenhocas mirabolantes ou heróis uniformizados. O viés da história é a investigação de temas mais humanos, um tanto perturbadores e reflexivos. A temática central é muito pertinente e trata sobre como as mudanças tecnológicas podem afetar as sociedades no futuro, algo que no presente já estamos tratando de abrir caminho graças ao consumo desenfreado e muitas vezes desnecessário de modernidades. O roteiro complexo criado por Frank Cottrell Boyce é um exemplo de bom aproveitamento do tempo disponível. Com duração de apenas uma hora e meia, talvez por questões financeiras ou na melhor das hipóteses por uma decisão bem pensada, o longa condensa muitas informações de forma sucinta e sem enrolações, uma tarefa difícil levando em consideração que as ações são concentradas em cima de dois personagens. Daqui a alguns anos (lembrando que o filme é de 2003), um governo totalitário monitora e controla a vida das pessoas na forma de uma grande corporação. O mundo está dividido em zonas e até a reprodução dos humanos é rigorosamente controlada para evitar os relacionamentos entre os seres com o mínimo de compatibilidade genética. Ninguém tem o direito de ir e vir de acordo com sua vontade. As viagens são restritas e só com um tipo de documentação específica é possível liberar o trânsito dos cidadãos. William Geld (Tim Robbins) é um investigador que vai até Xangai para resolver um caso de falsificação desses tais passaportes. Com o dom de ler o pensamento das pessoas, ele rapidamente descobre que a culpada é Maria Gonzáles (Samantha Morton), mas acaba se sentindo atraído por ela e decide acobertá-la. Há ainda mais agravantes nessa relação. Geld é casado e o seu DNA não bate com o de Maria, mas mesmo assim eles decidem viver esse romance.

Um mundo dividido em zonas (entenda-se o lado dos privilegiados e o lado dos menos favorecidos) nas quais o trânsito é regulamentado com severas leis e papeladas necessárias. Essa imagem não é muito distante da realidade que muitos países vivem hoje em dia, mas aqui há um dado extra: a reprodução humana também é controlada através de rigorosos exames de DNA. Os casais precisam se submeter ao teste antes da união para descartar a possibilidade de terem o mínimo de genes compatíveis, do contrário inviabilizaria qualquer chance de dar continuidade a esses relacionamentos. O casal protagonista tem química na tela e ambos são intérpretes de primeira e se adaptam muito bem as histórias que falam sobre relações humanas. O visual de modernidade acética e o uso da ficção futurista para tratar de questões sociais também foram usados com êxito em Gattaca - A Experiência Genética, o que pode trazer lembranças, além do cineasta Michael Winterbottom ter obviamente bebido na fonte de outros filmes do tipo. Uma grande sacada do diretor foi retratar sua sociedade futurista reunindo o maior número possível de etnias e nacionalidades, o que dá um ar verossímil à obra, ainda que ela trate da divisão da população por ordens superioras levando em conta padrão social, raça ou quaisquer outros mecanismos que possam ser usados de forma correta ou não para classificar os indivíduos em um ou outro grupo. No geral, Código 46 tem um tema interessante, é bem interpretado, mas o roteiro deixa a desejar, aos poucos se torna enfadonho e dispersa a atenção facilmente, ainda que o filme seja curto. Porém, entre os poucos e na maioria péssimos títulos que são produzidos no gênero de ficção recheados de efeitos especiais para escamotear a falta de história, esta obra é um lampejo de inteligência e frescor para agradar aos espectadores que gostam de cinema para refletir.

Drama - 92 min - 2003 - Dê sua opinião abaixo.

Um comentário:

renatocinema disse...

Sempre escuto falar bem desse filme. Porém, não sei o motivo, ele nunca me atraiu. Prefiro 1984, Blade Runner. Filmes futuristas são minha praia. Mas, esse ainda não me convenceu a assisti-lo.

Leia também

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...