domingo, 9 de dezembro de 2018

PALAVRAS DE AMOR

Nota 4,0 Abordando concursos de soletrar e religião, longa se arrasta e jamais atinge a emoção 

Como diz o ditado, uma imagem vale mais que mil palavras. Será mesmo? Infelizmente vivemos tempos de desvalorização do vocabulário e de tudo aquilo que ele carrega consigo. Com o passar dos anos, expressões que deveriam ser carregadas de sentimentos foram banalizadas e são ditas por aí ao acaso e a linguagem da internet cheia de gírias e abreviações causam confusão quando necessário uma escrita ou conversa oral de maneira mais formal. Palavras de Amor, abordando o tema através de concursos de soletrar, até tenta nos lembrar da importância dos significados que a junção de letras tem, mas infelizmente acaba se perdendo em uma miscelânea de assuntos que dispersam a atenção do foco principal. A pequena Eliza (Flora Cross) é a filha caçula da família Naumann, um clã aparentemente feliz. Saul (Richard Gere), seu pai, é um respeitado professor universitário de teologia que sempre encontra tempo para se dedicar em casa, ou ao menos acredita que cumpre bem seu papel no lar. Miriam (Juliette Binoche), sua mãe, é uma mulher carinhosa e ao que tudo indica confortável com sua vida pacata. Já Aaron (Max Minghella), seu irmão mais velho, não demonstra sinais de rebeldia como a maioria dos adolescentes e mantém um relacionamento amistoso com os parentes. Apaixonado pelas palavras e seus significados e afins, Saul se entusiasma ao perceber o dom da filha para soletrar e começa a treiná-la para campeonatos estudantis. No entanto, a dedicação do pai torna-se uma obsessão que acaba modificando a dinâmica de toda a família cuja base antes sólida revela-se estruturada sobre frágeis alicerces, principalmente quando vem à tona a fé de cada um dos membros. Os treinamentos para os concursos são meras desculpas para mostrar que há uma forma mundana para se conversar com Deus. Ao incentivar a filha a se aprimorar na arte de soletrar, Saul acredita que a está guiando para alcançar a sabedoria divina, não apenas falando com o criador, mas também o ouvindo.

O roteiro de Naomi Foner se preocupa em desenvolver os personagens da família Naumann com cautela e detalhes, cada qual com seus próprios conflitos, mas dedicando atenção especial a relação de Saul com esposa e filhos. Ao deixar claro sua preferência pela caçula, tirando proveito do egocentrismo de ser pai de uma campeão, ele não percebe que Miriam precisa de alguém para dividir seus problemas e que Aaron começa a se afastar em busca de conforto em outros lugares e com pessoas diferentes. O rapaz então se une ao grupo religioso dos Hare Krishna e desse ponto em diante a trama torna-se cansativa. Além do excesso de sequências de soletração, o gancho do misticismo não acrescenta muito, pelo contrário, só ajuda a projeção parecer interminável. Após pouco mais de uma hora de um drama familiar razoável, os diretores Scott McGehee e David Segel mudam o tom radicalmente. Saul até então experimentara a religião apenas de forma teórica, mas através de Eliza encontra a possibilidade de reavivar sua fé. Chega a ser contraditório. Ao mesmo tempo que alimenta seu orgulho com as vitórias da menina, ele faz dos treinos de soletrar quase que um ritual de elevação espiritual. Alguém buscando pureza na alma e espírito leve seria tão competitivo? Pior ainda, ficaria cego a ponto de não enxergar a família se desintegrando? Gere interpreta com competência esse homem que se faz presente fisicamente em casa, mas ausente em termos emocionais. Sua atuação contida, assim como a dos outros atores, revela a melancolia que paira sobre o lar dos Naumann e deixa latente que o tal estilo de vida beleza americana está em crise. Palavras de Amor acaba senso uma mistura de ideias equivocadas que buscam uma emoção que jamais atinge o espectador que acompanha a trama do início ao fim de forma enfadonha. Nem mesmo a carinha de anjo da carismática Flora traz algum alento. Praticamente apenas sussurrando e com expressão triste ou acuada, suas cenas fazem qualquer um cochilar facilmente. Uma pena.

Drama - 104 min - 2005

-->
PALAVRAS DE AMOR - Deixe sua opinião ou expectativa sobre o filme
1 – 2 Ruim, uma perda de tempo
3 – 4 Regular, serve para passar o tempo
5 – 6 Bom, cumpre o que promete
7 – 8 Ótimo, tem mais pontos positivos que negativos
9 – 10 Excelente, praticamente perfeito do início ao fim
Votar
resultado parcial...

Nenhum comentário:

Leia também

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...