sábado, 8 de dezembro de 2018

ARRUME UM EMPREGO

Nota 1,0 Pretendendo abordar temas relativos ao mercado de trabalho, comédia só fica na intenção

Se a geração que cresceu jogando videogames naquelas gigantescas televisões de tudo conseguiu gerar vários exemplos de fracassados, imagine as novas levas de jovens que estão por aí e ainda estão por vir. Computadores, celulares, internet de alta velocidade e games super interativos. Apesar de todas estas opções também servirem de fonte de informação, a juventude as quer com o intuito de se divertir, mas chega um momento em que é preciso encontrar um equilíbrio entre o prazer e o dever. É certo que hoje há muito marmanjo que nem chegou na casa dos vinte anos e já fatura alto criando softwares, jogos virtuais e aperfeiçoando o trabalho de empresas consolidadas com o apoio de tecnologia de ponta. Todavia, há muitos jovens que não encontram o ponto de amadurecimento e preferem viver a vida como eternas crianças, só caindo a ficha que pararam no tempo quando decidem se casar ou procurar um emprego. A dinâmica dos novos tempos também obriga os mais responsáveis e até mesmo aqueles com currículos experientes a abrirem os olhos para não perderem suas vagas de trabalho, seja por crises econômicas ou por serem substituídos por sangue novo. Esses são os problemas que a comédia Arrume Um Emprego pretendia discutir de forma bem humorada, mas o resultado é catastrófico. Risadas aqui são escassas (as poucas em cima de piadas de mal gosto) e para o espectador perder o fio da meada não custa muito, afinal os próprios personagens parecem perdidos dentro da trama em estilo mosaico, várias histórias entrelaçadas por um motivo em comum. No caso, quatro amigos são obrigados a abandonar seus sonhos para entrarem no competitivo mercado de trabalho norte-americano em meio a uma crise das bravas. O personagem principal é Will Davis (Miles Teller) que após um ano de estágio não remunerado é demitido repentinamente e começa refletir sobre o que é mais importante, um emprego que ofereça estabilidade financeira ou aquele que realize com prazer mesmo ganhando pouco? A julgar pelo seu currículo, em que faz questão de destacar que faz vídeos para o YouTube, a segunda opção é a mais acertada.

Apesar de não levar muito a sério sua vida profissional, muito por influência de seus amigos desocupados com quem divide uma casa, Davis mantém um relacionamento com a responsável Jillian (Anna Kendrick), esta que perde o chão ao também ser demitida. Como desgraça pouca é bobagem, Roger (Bryan Cranston), o pai do jovem, também se encontra no olho da rua, mesmo com toda sua experiência. Isso é comédia ou drama? Sem definir qual estilo seguir, o roteiro de Kyle Pennekamp e Scott Turpel, embora bastante enxuto, se desenrola vagarosamente aos olhos do espectador que acompanha os conflitos dos personagens com certa distância. Com alguns momentos esparsos de humor crítico, o diretor Dylan Kidd parece realizar uma forçada costura de esquetes, tudo muito fragmentado e desconexo. O excesso de coadjuvantes também colabora negativamente para afugentar o espectador. O bando de amigos do protagonista inclui Charlie (Nicholas Braun), um maconheiro que sabe-se lá como consegue uma vaga de professor em um colégio, Luke (Brandon T. Jackson), que até se dedica ao trabalho, mas com segundas intenções, e, por fim, Ethan (Christopher Mintz-Plasse), um cara que parece acreditar que a vida se resuma a sacanagem. Enfim, ninguém quer nada com nada. Ao longo da narrativa, outros personagens surgem, porém, não acrescentam nada significativo à trama. Até a experiente Marcia Gay Harden é desperdiçada vivendo Katherine Dunn, uma chefe com certo quê de ninfomaníaca que ao contratar Davis deixa bem claro que agora ele é de sua propriedade. Não há aprofundamento nessa questão de assédio e a atriz parece pouco a vontade na função. Filmado em 2012, Arrume Um Emprego só foi lançado quatro anos mais tarde diretamente para consumo doméstico inclusive nos EUA, o que já não é bom sinal. As vezes até encontramos gratas surpresas que ficaram engavetadas por um longo tempo, mas neste caso era melhor o filme ter permanecido no ostracismo. Melhor ainda, cancelado ainda durante a produção. Perda de tempo total.

Comédia - 86 min - 2016

-->
ARRUME UM EMPREGO - Deixe sua opinião ou expectativa sobre o filme
1 – 2 Ruim, uma perda de tempo
3 – 4 Regular, serve para passar o tempo
5 – 6 Bom, cumpre o que promete
7 – 8 Ótimo, tem mais pontos positivos que negativos
9 – 10 Excelente, praticamente perfeito do início ao fim
Votar
resultado parcial...

Nenhum comentário:

Leia também

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...