sexta-feira, 24 de agosto de 2012

MOULIN ROUGE - AMOR EM VERMELHO

NOTA 10,0

Longa ressuscita o gênero
musical em grande estilo,
apostando em história de amor
contada de maneira vibrante
Durante muitos anos os musicais foram sinônimos de cinema de primeira e marcaram uma fase de ouro de Hollywood. Em meados dos anos 60 o gênero começou a sua decadência sendo sucumbido por produções mais ousadas e realistas. Em tempos de guerras, ganância e luta pela liberdade e direitos, já não havia mais espaço para a magia do casamento da sétima arte com o mundo da música. Um ou outro musical como Cabaret ou Grease – Nos Tempos da Brilhantina conseguiu fazer sucesso e atravessar décadas sendo lembrado de forma ativa e indicado às novas gerações, mas definitivamente as produções do tipo pareciam fadadas ao ostracismo. Eis que em pleno início do novo século o mundo foi surpreendido com o lançamento de Moulin Rouge – Amor em Vermelho, um ousado e criativo projeto do diretor e roteirista Baz Luhrmann, antes responsável por uma versão mais moderninha de um conto clássico, Romeu + Julieta. Sua especialidade parece ser oferecer verdadeiros espetáculos visuais e sem medo de reinventar fórmulas. No caso ele reinventou os musicais e entregou ao público uma obra ímpar utilizando ao máximo os recursos sonoros e visuais a favor de sua narrativa, optando por toques sutis de computação gráfica e exaltando o lado artesanal de se fazer cinema. Tudo isso sem abrir mão de imprimir sua marca: o exagero, no bom sentido. A história começa na virada do século 19 para o 20 nos apresentando ao jovem Christian (Ewan McGregor), um escritor que está passando por um bloqueio criativo por perceber que nunca se apaixonou de verdade e assim não poderia jamais escrever sobre o amor de forma clara e sincera. Em Paris, no bairro boêmio de Montmartre, ele recebe o apoio do artista plástico Henri de Toulouse-Lautrec (John Leguizano) e de uma trupe de artistas que o ajudam a participar da vida social e cultural do local que giram em torno do famoso cabaré Moulin Rouge. Ao visitar o local, Christian se apaixona a primeira vista por Satine (Nicole Kidman), a grande estrela da casa de espetáculos, que na realidade é um bordel. Graças a um mal-entendido, os dois têm a chance de ficarem a sós por alguns minutos, tempo suficiente para que a moça correspondesse ao amor do rapaz, porém, ela já está prometida ao Duque de Monroth (Richard Roxburgh), que em troca do casamento promete transformá-la em uma grande atriz e o Moulin Rouge em um elegante teatro. Mesmo pressionada por Harold Zidler (Jim Broadbent), o ganancioso dono do cabaré, em comum acordo Satine e Christian decidem viver seu romance às escondidas, mas uma hora ela deverá escolher entre viver um amor verdadeiro ou realizar-se profissionalmente.

A premissa assumidamente não é original e se sustenta em cima de um triângulo amoroso clássico, mas a forma de narrar essa história de amor é que faz toda a diferença. Tal qual aos musicais de outrora, as canções são utilizadas aqui para ajudar a contar a história proposta, podendo substituir diálogos ou simplesmente reforçar mensagens, porém, o diretor optou por escolher a dedo composições contemporâneas e famosas que casassem com sua narrativa, todas devidamente adaptadas e com novos arranjos instrumentais, sendo apenas uma canção escrita especialmente para o filme. Apostando em uma empolgante mistura de cores, cenários grandiosos e riquíssimos em detalhes, todos construídos de verdade em um enorme estúdio, diga-se de passagem, Luhrmann também conseguiu transformar o extravagante em luxo, mas nem mesmo todo o brilho existente a cada nova cena consegue ofuscar o talento do elenco reunido destacando-se, obviamente, os protagonistas. Nicole e McGregor surpreendem com a desenvoltura nas cenas de dança e canto, lembrando que todas as músicas foram gravadas pelos próprios atores, o que dá ainda mais vivacidade ao longa. Aliás, este trabalho foi de suma importância para ambos os astros. A atriz vivia um momento de renovação tanto em sua vida pessoal quanto na pessoal. Após se separar de Tom Cruise, parece que a estrela finalmente libertou seu talento. Já McGregor, embora já fizesse parte da mais recente trilogia Star Wars, pela primeira vez ganhou um personagem a altura de seu talento em um filme comercial. Antes seu personagem mais marcante era no drama independente Trainspotting. Lançado primeiramente sob os holofotes do Festival de Cannes e só depois ganhando espaço no circuito comercial americano, ainda que no início em algumas poucas salas, talvez nem os produtores ou o próprio Luhrmann imaginassem as proporções de sucesso que este musical atingiria. Realmente lançar um filme do tipo em pleno século 21 era uma ideia um tanto arriscada, mas o megalomaníaco cineasta topou o desafio de inserir novamente este gênero no mapa do cinema mundial. Para tanto, adotou estratégias que transformaram sua obra não apenas em um filme, mas sim em um arrebatador espetáculo visual, auditivo e emocional.

Tingindo cada fotograma de tons avermelhados, graças aos figurinos, cenários e objetos de adorno, a atmosfera vibrante do cabaré esconde o que há de podre quando os clientes não estão olhando. Intrigas, traições, inveja, ambição, enfim tudo o que poderia haver de sórdido neste mundo boêmio é escamoteado e as vezes nem mesmo o espectador pode se dar conta disso diante de frenéticos números musicais em ritmo de videoclipe. Além disso, Luhrmann não se preocupa em errar e costura sua exaltação ao amor com momentos cômicos que se alternam com outros extremamente dramáticos, até culminar em um dos finais mais arrebatadores que o cinema já nos apresentou. Poesia e arte cuidadosamente inseridas da primeira a última cena. É muito bom ver que os anos passam, mas o brilhantismo deste show cinematográfico continua sendo perpetuado e conquistando novos fãs a cada dia. Moulin Rouge – Amor em Vermelho não é apenas uma exaltação ao amor, vai além. É a celebração do que é fazer cinema de verdade e é até difícil selecionar uma cena que o represente dignamente. Cada uma delas é uma verdadeira obra de arte que merece ser contemplada em seus mínimos detalhes. Em sua trajetória de sucesso, que como já dito continua até hoje, só é uma pena constatar que os membros da Academia de Cinema de Hollywood perderam a chance de enaltecer sua própria imagem premiando esta produção, afinal ela é a tradução visual da alcunha “sétima arte”. Infelizmente optaram pela política da boa vizinhança ou pelo lado comercial que o evento agrega e tiraram a chance de Luhrmann e sua trupe terem a cereja do bolo. Após mais de duas décadas de ausência da festa, o gênero musical voltava com força total para disputar com os gigantes da época. O Oscar perdeu a chance de fazer História e enaltecer a sua própria, afinal eram os musicais os grandes destaques da premiação no passado, mas de qualquer forma o romance de Satine e Christian não só fez como continua fazendo seu próprio conto de sucesso. Uma dica para ver e rever quantas vezes forem possíveis. E viva o amor! Em vermelho de preferência.

Vencedor do Oscar de direção de arte e figurino

Musical - 126 min - 2001

-->
MOULIN ROUGE - AMOR EM VERMELHO - Deixe sua opinião ou expectativa sobre o filme
1 – 2 Ruim, uma perda de tempo
3 – 4 Regular, serve para passar o tempo
5 – 6 Bom, cumpre o que promete
7 – 8 Ótimo, tem mais pontos positivos que negativos
9 – 10 Excelente, praticamente perfeito do início ao fim
Votar
resultado parcial...

Um comentário:

marcos disse...

Moulin Rouge, kkkkkk, só vi umas 50 vezes, vi num cinema aqui da cidade, numa saleta, que até ja fechou, mas apesar da tela minima me deixou encantado... comprei os 2 cds da trilha, cantei, chorei, enfim... sou fã do filme, para quem curte um bom drama e musical de qualidade, assista!

Leia também

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...