terça-feira, 1 de janeiro de 2019

OS FAROFEIROS

NOTA 3,5

Embora com certos momentos de
ousadia e algumas passagens divertidas
e de fácil identificação, longa é um
amontoado de gags que exaltam o bizarro
Tudo junto e misturado. Esse bem que podia ser o título de Os Farofeiros devido ao leque de situações e de personagens que estão em cena em um enredo bizarro, mas não muito distante da realidade. Quem nunca sonhou com as férias perfeitas que no fim resultou em algum tipo de frustração? Imprevistos acontecem, mas para a turma deste filme não foi uma ou outra coisinha que deu errado. Desculpem o linguajar, mas como popularmente se fala, do início ao fim fodeu tudo na viagem dessa galera como de costume em produções que abordam férias frustradas. Tudo é válido para levar o espectador ao riso fácil e por mais estapafúrdias que as situações possam parecer é duvidoso que nunca alguém tenha vivenciado ao menos uma delas. É justamente nesse poder de identificação que o roteiro de Paulo Cursino se sustenta sob a batuta do diretor Roberto Santucci. A dupla é responsável por sucessos como De Pernas Pro Ar e Até Que a Sorte nos Separe, mas também por projetos nem tão bem sucedidos como O Candidato Honesto e Um Suburbano Sortudo, estes que mesmo não caindo no gosto popular atraíram um público considerável aos cinemas. Esta nova empreitada em conjunto se encaixa no segundo grupo. A história começa com um garotinho em sala de aula sendo obrigado a ler sua redação sobre suas férias. Ele relembra o episódio que vivenciou com a família durante o feriado de Ano Novo. Alexandre (Antônio Fragoso), seu pai, teria motivos de sobra para festejar a virada, afinal foi promovido a gerente de seu departamento, mas junto com a boa nova veio a ingrata tarefa de realizar cortes na equipe assim que a empresa retomasse suas atividades. Em paralelo, lhe apavora a ideia de começar o ano brigado com a temperamental esposa Renata (Danielle Winits) que está estressada por ter sido desconvidada por parentes a passar alguns dias em Búzios. De última hora, o jeito é confiar nos amigos e assim ele aceita a tentadora proposta de Lima (Maurício Manfrini) que diz ter arranjado uma excelente casa na praia a preço irrecusável. O único inconveniente é que ele também passaria o réveillon com a família nesse local e já teria convidado outros colegas de trabalho. Assim, uma verdadeira gama de personagens estereotipados coloca o pé na estrada.

Alexandre é o cara mais bem sucedido da trupe, mas também o mais oprimido por conta do dilema que tem a resolver no trabalho enquanto Renata é escandalosa, cheia de frescuras e se acha superior a todos. Lima ocupa o posto de engraçadinho da turma, sempre com alguma piadinha na ponta da língua mesmo quando leva uns tabefes de Jussara (Cacau Protásio), sua mulher um tanto esquentadinha e barraqueira. Ambos os casais levam na viagem sua prole, crianças esquecidas pelo roteiro e acionadas apenas para uma ou outra piadinha, sendo a mais divertida a que uma boneca cai em um piscina cuja água deu lugar a um denso lodo verde. Winits é escalada para resgatar o brinquedo e acaba caindo dentro do criadouro do mosquito da dengue e derivados (os insetos ganham uma passagem de destaque na trama mais adiante). Quando consegue sair, este é o momento mais diferenciado do longa em uma eficiente referência ao terror O Chamado, com direito a edição peculiar para ressaltar o caminhar enrijecido da personagem enlameada e uma significativa mudança na fotografia e iluminação para criar uma ambientação mais soturna. Voltando a falar do grupo bizarro que se reúne para essa viagem, ainda  temos Rocha (Charles Paraventi), que leva a filha pequena e sua esposa Vanete (Elisa Pinheiro) que está grávida de oito meses e prestes a dar à luz a qualquer momento, e Diguinho (Nilton Bicudo), um cara melancólico que vive pelos cantos chorando por ter se separado da mulher e estar longe dos filhos, mas que é invejado por agora estar pegando a sensual Elen (Aline Riscado). Essa galera então tem a responsabilidade de encenarem uma série de gags e esquetes que poderiam muito bem ser apreciadas de forma isolada em programas de humor. O perrengue já começa na estrada com um congestionamento  monstruoso e muito tempo sem ir ao banheiro e se entupindo de porcarias já sabemos que tipo de piadas vão surgir. Ao chegarem na tal casa de veraneio, muito distante do mar, o pesadelo já começa com o portão caindo de podre e pichações internas no muro de bandidos que já passaram por lá. Além da já citada piscina imunda, o local ainda tem a fiação elétrica nas últimas, não há ventiladores, os colchões e travesseiros são infestados de ácaros que provavelmente poderiam ser vistos a olho nu, as redes de proteção anti-mosquitos tem rombos que até ratazanas poderiam atravessar e o pior de tudo para um representante do século 21: o wi-fi não conecta nem com reza brava.

O filme poderia ser um lixo total se fosse focado apenas em escatologia, barracos e no estranhamento dos personagens em relação a uma casa que clama por demolição. Entretanto, o roteiro de Cursino, complementado por cenas escritas por Odete Damico, se sustenta em uma relevante questão: a dúvida de Alexandre quanto a quem demitir. E o pior é que a lista de candidatos ao corte inclui os colegas com quem está viajando. Olha a saia justa. Em um dia abraçará o azarado desejando um bom princípio e no dia seguinte terá que tirar seu emprego, o que pode implicar em um ou vários anos de tristezas. Inicialmente ninguém sabe nada sobre o assunto, mas os colegas ficam sabendo secretamente e de forma nada sutil começam a bajular o novo chefe, com exceção de um ingênuo alheio à questão. É esse gancho ligeiramente mais sério que segura as pontas em Os Farofeiros que apesar de todo o besteirol mostra certo amadurecimento de Santucci no comando do circo. Ou seria melhor dizer ousadia? Ele traz certo quê das produções de Hollywood do gênero, se arrisca a fazer uma referência ao terror em determinado momento e até insere uma cena com uso de computação gráfica para mostrar dois insetos conversando, embora a passagem fique totalmente deslocada e cause risos não por seu conteúdo e sim por de imediato nos remeter a anúncios de inseticidas. Se o já citado momento terrir na piscina é uma grande sacada do longa, também não se pode deixar de mencionar a metalinguagem de uma longa sequência passada dentro de uma sala de cinema em que os personagens conversam sobre a relação ora amável ora espinhosa dos brasileiros com os filmes nacionais. Contudo, o diretor derrapa feio na noção de tempo. O ataque dos pernilongos que deixou quase todos com caroços enormes na pele rapidamente é esquecido assim como as queimaduras provocadas por protetores solares vencidos saram milagrosamente, isso sem falar nas cenas finais que evidenciam a falta de cuidado no desenvolvimento da trama. E não estamos falando a respeito de detalhes bobos que poderiam passar despercebidos. No geral, Santucci prefere caminhar por terreno seguro e abusa do humor visual. Se não fosse pelo casebre caindo aos pedaços, a impressão é que estaríamos vendo uma releitura das confusões de Chaves e sua turma em Acapulco. Coincidência ou não os episódios do seriado mexicano passados na praia tem o mesmo título desta comédia que tinha potencial para ser um programa família, mas perde a chance de ampliar seu público apostando em piadas que não condizem com o universo infantil. Ou seria hipocrisia? Qual garoto nunca olhou com desejo para uma mulher bonita de biquíni?

Comédia - 97 min - 2017
-->

OS FAROFEIROS - Deixe sua opinião ou expectativa sobre o filme
1 – 2 Ruim, uma perda de tempo
3 – 4 Regular, serve para passar o tempo
5 – 6 Bom, cumpre o que promete
7 – 8 Ótimo, tem mais pontos positivos que negativos
9 – 10 Excelente, praticamente perfeito do início ao fim
Votar
resultado parcial...

Nenhum comentário:

Leia também

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...