sexta-feira, 11 de janeiro de 2019

QUERIDA, ENCOLHI AS CRIANÇAS

NOTA 8,0

Divertida e nostálgica, mescla
de aventura e comédia ainda é
entretenimento garantido sem se
tornar refém de efeitos especiais
E.T. - O Extraterrestre, Os Goonies, Willow - A Terra da Magia, Labirinto - A Magia do Tempo, Viagem Insólita... Estes são apenas alguns títulos que mesclavam aventura, comédia e fantasia que marcaram a geração oitentista, mas entre eles não há nenhum com a chancela Disney de qualidade. Por um longo período o estúdio mergulhou em um abismo criativo, embora hoje algumas animações da época sejam consideradas clássicas como Aristogatas e Bernardo e Bianca. Mesmo com a criação de uma subsidiária especialmente para tocar projetos voltados ao público infanto-juvenil com atores de verdade, as cifras arrecadadas não justificavam os investimentos. O peso da morte do senhor Walt Disney se refletia visualmente na qualidade e lucros da sua produtora, até que já beirando a entrada da década 1990 uma luz no fim do túnel fora apontada. Disposta a recuperar seu espaço não só no campo da animação, impulsionada pelo sucesso de A Pequena Sereia, mas também como fábrica de blockbusters,  a empresa apostou em uma ideia relativamente simples. Querida, Encolhi as Crianças trata de um tema fascinante e já explorado diversas vezes pelo cinema e pela televisão. O que acontece quando uma pessoa é reduzida ao tamanho de uma formiga? Ou melhor, quando adquire altura menor ainda que a de um inseto? É isso que ocorre às inocentes vítimas de uma máquina miniaturizadora inventada pelo frustrado professor Wayne Szalinski (Rick Moranis) que sem perceber o que aconteceu em seu laboratório caseiro acaba varrendo os próprios filhos e os do vizinho junto com o lixo. Nick (Robert Olivieri), que com seus grandes óculos e estilo nerd não nega a vocação para seguir os mesmos passos que o pai, e sua irmã mais velha Amy (Amy O'Neill) então se veem obrigados a unir forças com o adolescente Junior (Thomas Wilson Brown) e o sarcástico garoto Ron (Jared Rushton), os herdeiros do mal humorado Russ Thompson (Matt Frawer).

Vizinhos, de um lado temos um pai de família chegado a jogos cerebrais e pesquisas científicas e do outro temos um homem adepto de programas mais viris e esportivos. Eles não se suportam e a rixa já se manifestava entre seus filhos. Suas esposas, como costuma acontecer nesses casos, mantêm o bom senso e evitam atritos, o que atrapalha o desenvolvimento das personagens defendidas por Marcia Strassman e Kristine Suhterland, respectivamente as senhoras Szalinski e Thompson. Toda a ação acontece em único e fatídico dia e após o quarteto em miniatura escapar do saco de lixo inicia-se uma longa jornada pela grama mal aparada até a casa do inventor em busca de uma forma de revertê-los ao tamanho normal. O gramado esconde inúmeros perigos e curiosidades, pequenos obstáculos e surpresas que passariam despercebidos... Isso para quem não tivesse milímetros de altura. Gotas d'água espargidas  por um regador de jardim podem parecer um dilúvio, um escorpião pode ter a aparência de um animal pré-histórico assim como o bater de asas de uma borboleta poderá ter a força de um vendaval. Antes pisoteada sem dó, a formiga adquire o tamanho de um cavalo e pode parecer não tão perigosa e até passível de ser domada enquanto o biscoito recheado por um acaso encontrado serve como um verdadeiro banquete. E nada melhor para se abrigar durante a noite que uma esquecida peça de um brinquedo de montar. A longa e assombrosa viagem mato adentro acaba por unir os jovens que pouco a pouco vão se transformando em pessoas mais solidárias e tolerantes. Rola até um affair entre Amy e Junior, ele que de quebra supera seu complexo por ser baixinho, mesmo quando com sua altura normal. As simples situações boladas para essa aventura são amparadas por efeitos especiais complexos, mas não revelam nenhuma artilharia pesada. A citada formiga, por exemplo, foi feita de látex, coberta com pêlos de cavalo, e precisou de uma dúzia de operadores para gerar seus movimentos, mas o que fica na tela é a naturalidade e desenvoltura do inseto.

Para lidar com um enredo tão fantasioso, nada melhor que um cineasta que entende do assunto e sabe fazer esse tipo de produção. Bem, Joe Johnston anos mais tarde viria a realizar Jumanji e Jurassic Park 3, mas aqui estava estreando como promissor diretor de blockbusters. Optando mais por efeitos mecânicos que computadorizados, o mundo dos pequeninos e dos seres em tamanho natural resplandece harmoniosamente em compasso com a interpretação despojada do elenco, com destaque obviamente para Moranis, na época um trunfo para qualquer filme de comédia. Dentro da caricatura que seu personagem poderia oferecer, o ator aparece impagável, por exemplo, dependurado em um varal quando lhe cai a ficha sobre o ocorrido e vai em busca dos garotos munido de uma lupa e sem poder pisar no gramado. A chave do sucesso para o roteiro de Tom Schulman e Ed Naha, além da inteligência e comicidade, está também em sua naturalidade, sem se render a aparatos pirotécnicos. É o texto que abre brechas para eles aparecerem e não o contrário, assim servem apenas como um complemento à criatividade dos redatores. Todavia, as cenas que envolvem os pais, que pouco podem fazer senão aguardar o retorno dos filhos, embora muito divertidos no início, acabam perdendo a credibilidade a partir da metade quando o estado emocional dos mesmos não nos convence mais. O desespero dá lugar a sensação de que seus personagens já soubessem que o final feliz não tardaria a chegar. Mesmo com o desfecho previsível, Querida, Encolhi as Crianças continua conquistando gerações com seu humor e aventuras nostálgicas e inocentes. A grande mensagem que o filme deixa está atrelada justamente ao fato do amadurecimento, do vencer desafios e enfrentar medos. Com tanto sucesso é óbvio que uma continuação não tardou a ser lançada, mas Querida, Estiquei o Bebê nem de longe conseguiu atingir o mesmo grau de criatividade e repercussão. Talvez a justificativa seja simples: descartaram as bases do original e apelaram mais para a computação gráfica que para a história em si.

Aventura - 93 min - 1989

-->
QUERIDA, ENCOLHI AS CRIANÇAS - Deixe sua opinião ou expectativa sobre o filme
1 – 2 Ruim, uma perda de tempo
3 – 4 Regular, serve para passar o tempo
5 – 6 Bom, cumpre o que promete
7 – 8 Ótimo, tem mais pontos positivos que negativos
9 – 10 Excelente, praticamente perfeito do início ao fim
Votar
resultado parcial...

Nenhum comentário:

Leia também

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...