terça-feira, 3 de janeiro de 2017

AS FÉRIAS DO PEQUENO NICOLAU

NOTA 9,0

Segunda aventura do pequenino
e inventivo garoto francês mantém
a graça e a leveza, mas erra levemente
ao dar espaço maior aos adultos
Em 2009, um despretensioso filme francês movimentou o circuito alternativo de exibição em vários países atraindo não só o público cativo de um cinema mais qualificado, mas também conquistou uma nova plateia. Adultos puderam levar seus filhos, sobrinhos e netos a tiracolo para curtirem juntos o delicioso O Pequeno Nicolau, um sucesso que em algumas capitais brasileiras como em São Paulo, por exemplo, permaneceu em cartaz por mais de um ano mesmo com mídia física já disponível. O segredo do sucesso é traduzido em duas palavras: simplicidade e inocência, justamente o que falta a maioria das produções destinadas a agradar a toda família. Criado por René Goscinny e ilustrado por Jean-Jacques Sempé, o personagem-título é um dos mais famosos da literatura infanto-juvenil francesa e ganhou uma segunda incursão cinematográfica, As Férias do Pequeno Nicolau, novamente sob a batuta do diretor Laurent Tirard, um amante do universo infantil tanto que também dirigiu Astérix e Obélix - A Serviço de Sua Majestade resgatando mais um dos patrimônios culturais de seu país. É uma pena que Maxime Godart não pode assumir mais uma vez o papel de protagonista. E nem teria como. Cinco anos separam o filme original desta continuação que narra novas peripécias do garoto como uma ação quase imediata aos acontecimentos da primeira fita. Se antes a preocupação era que seus pais o descartassem por conta de uma nova criança na família, agora suas aflições giram em torno de um casamento forçado. Nicolau não cresceu de tamanho, continua miudinho, mas está amadurecendo, porém, não a ponto de perder sua inocência. Ainda bem! Mathéo Boisselier assume o papel e dá conta direitinho da tarefa de apresentar a visão curiosa e sonhadora do mundo através da ótica infantil, embora o episódio das férias tenha um foco maior no núcleo adulto liderado por Valérie Lemercier e Kad Merad novamente interpretando os pais do protagonista cujos nomes não são revelados.

Depois de muitas viagens para o campo, o patriarca decide que no próximo verão o passeio em família terá como destino o litoral. Antes de partir Nicolau se despede de Marie Edwiges (Chann Aglat), por quem acredita estar completamente apaixonado a ponto de sofrer antecipadamente pela distância que irá separá-los por um curto espaço de tempo. Ele promete escrever-lhe uma carta por dia, porém, já na praia, uma outra garota atravessa o seu caminho, ou melhor, surge feito uma assombração e passa a persegui-lo. Seu pai reencontra no hotel um velho amigo que tem uma filha, Isabelle (Erja Malatier), e por um mal entendido o garoto passa a acreditar que será forçado a se casar com ela. O primeiro encontro entre eles é uma divertida sequência que remete ao clássico suspense O Iluminado. Boa parte da narrativa é dedicado aos planos de Nicolau junto aos novos amigos que faz no resort de impedir o casório. O grupo mais uma vez reforça estereótipos tendo um representante metido a valentão, outro a intelectual, um guloso e por aí vai. Todavia, as atenções são divididas com os dilemas vividos pelo pai do menino. Além de se preocupar com os altos custos da viagem, ele ainda vive os típicos problemas de relacionamento entre genros e sogras e tem que driblar o ciúmes que sua esposa sem perceber lhe desperta. Dona Mémé (Dominique Lavanant) embarca de mala e cuia no passeio para infernizar o pai de Nicolau com suas manias, intromissões e, principalmente com seu ronco a noite. Enquanto isso a mãe do garoto cai nas graças de um diretor de cinema italiano (Luca Zingaretti) que está rodando um filme na região e infernizando a vida dos turistas com seu jeito exagerado de ser. O flerte entre eles não convence pela rapidez que é orquestrado, mas serve para evidenciar o desgaste do casamento dos pais do protagonista cujo universo e perfis ficaram em segundo plano na fita anterior.

Assinada pelo próprio diretor em parceria com Jaco Van Dormael e Grégoire Vigneron, a trama é estruturada em episódios que de certa forma demarcam o início e o fim de certas situações, sempre preservando a ingenuidade de Nicolau combinada a certa dose de cinismo em seus comentários, sejam verbais ou em pensamentos, a respeito do mundo dos adultos. Ele continua levando ao pé da letra tudo que escuta, vide a cena em que imagina como seria a sua avó enterrando a todos, por exemplo. Não se trata apenas de uma criança engraçadinha fazendo caras e bocas. O menino tem necessidade de ser notado e para tanto faz uso de seu carisma e espontaneidade. Se é possível se derreter com tais características com as crianças de hoje em dia, imagine então o prazer de se deliciar com o resgate de uma infância perdida através do universo do protagonista, sempre temeroso quanto ao seu futuro. Com ação situada em meados da década de 1950, a reconstrução do clima da época torna-se fundamental. Trilha sonora, cenários e figurinos despertam memórias afetivas nos espectadores mais maduros e atiçam a curiosidade dos mais jovens e  o colorido marcante da estreia de Nicolau nos cinemas aqui ganha o reforço do brilho e temperatura das paisagens praianas, mais especificamente dos belos cenários da Ilha de Noirmoutier. As Férias do Pequeno Nicolau é tão bom quanto seu precursor, mas como toda sequência não escapa de questionamentos e comparações. Não devem faltar quem assuma ligeiro desapontamento com esta fita, muito por assumir de vez o caráter de entretenimento descompromissado, apostando quase que unicamente em brincadeiras e deixando possíveis reflexões e críticas de lado. O clima nonsense permeia toda produção e não é a toa que o clímax ganhe um toque de terror com direito a um casarão abandonado e que some diante dos nosso olhos como se por magia. Apesar de mais fantasioso e anárquico, esta é uma excelente e singular opção para um programa em família e a chance para muitos reverem seus conceitos sobre o cinema europeu. Quem disse que filme francês é chato?

Comédia - 97 min - 2014

-->
AS FÉRIAS DO PEQUENO NICOLAU - Deixe sua opinião ou expectativa sobre o filme
1 – 2 Ruim, uma perda de tempo
3 – 4 Regular, serve para passar o tempo
5 – 6 Bom, cumpre o que promete
7 – 8 Ótimo, tem mais pontos positivos que negativos
9 – 10 Excelente, praticamente perfeito do início ao fim
Votar
resultado parcial...

Nenhum comentário:

Leia também

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...