domingo, 15 de dezembro de 2013

DUPLEX

Nota 9,0 Humor negro e piadas escrachadas pontuam comédia em que veterana dá um show

Quem não tem ao menos uma história engraçada ou irritante envolvendo um velhinho sem noção ou literalmente pentelho que atire a primeira pedra. É fato que conforme a idade avança o idoso acaba perdendo um nível considerável de sua capacidade intelectual e bom senso, mas alguns representantes dessa faixa etária muito bem de saúde acabam se aproveitando da generalizada condição para se dar bem e tirar o melhor proveito da situação. É mais ou menos nisso que provavelmente pensou Danny DeVito ao aceitar dirigir Duplex extraindo o máximo de humor de situações anárquicas do início ao fim. A direção não poderia ser de outra pessoa que não uma experiente no campo do humor. Aos politicamente corretos, que fique claro que a índole da personagem idosa do filme não deve ser encarada como uma ofensa as pessoas acima dos 60 anos, até porque no final existe uma justificativa hilária para seu comportamento no ágil e eficiente roteiro de Larry Doyle. Quem é ela? A senhora Connelly (Eileen Essel) é a inquilina de Alex Rose (Ben Stiller) e Nancy Kendricks (Drew Barrymore), um jovem casal que tinha um sonho de consumo: ter um belo duplex no famoso bairro do Brooklyn, na cidade de Nova York. Quando eles enfim encontram o apartamento dos seus sonhos, precisam enfrentar um problema que pouco a pouco torna-se um perturbador pesadelo. A antiga e simpática moradora do segundo andar se recusa a deixar o local e pelas leis do inquilinato americano ela não pode ser despejada. O casal tenta viver pacificamente com a vizinha, mas a senhora apronta tudo que pode e mais um pouco para deixá-los irritados 24 horas por dia literalmente. Até mesmo quando eles tentam dormir a velhinha está com todo pique para aprontar algo. Assim, o casal passa a perceber o real preço de seus sonhos, mesmo com o acréscimo do dinheiro do aluguel que recebem dela. No limite da situação, para conseguirem finalmente o imóvel só para eles, Alex e Nancy começam a planejar várias tentativas de tirá-la do local e pensam até mesmo em matar a aparente doce velhinha.

Estrelado por uma dupla carismática e com muita química, o longa é excelente para espantar as tristezas e os espectadores devem se identificar facilmente com diversas passagens. Há várias piadas e situações que são de rolar de rir, mas aos poucos, conforme o desejo do casal em se livrar da inquilina aumenta, algumas pessoas podem se incomodar com o rumo que a história toma. Apesar de o clima continuar engraçado, a proposta de tentar matar um idoso não é bem recebida por todos nem em ficção. Assim não é de se espantar que a produção fracassou nas bilheterias americanas e não se tornou um estrondoso sucesso por onde passou. É curioso esse dado, afinal são poucas as comédias nos últimos anos que contavam com um arsenal de piadas tão grande, afiado e funcional, ao menos para quem é adepto do humor visual e que flerta levemente com algumas passagens de mau gosto, mas nunca chegando a ofender. Com cerca de uma hora e meia de duração, Duplex surpreende por não enrolar o público. Acontecem tantas situações diversas nesse enxuto espaço de tempo que é difícil entender como coube tudo. É uma piada atrás da outra e você nem vê o tempo passar. Acordar com o som de uma orquestra de velhinhas, acompanhar a vizinha para cansativos passeios até a farmácia ou ao supermercado, ter o teto da casa esburacado devido a uma infiltração estratégica e até depor na delegacia para se defender da acusação de abuso sexual a uma idosa são apenas alguns dos perrengues que os protagonistas passam. DeVito mais uma vez foi parar atrás das câmeras e deu uma reciclada no enredo de um antigo sucesso seu, Jogue a Mamãe do Trem. Antes uma mãe enchia a paciência do seu filho até que ele deseja se livrar dela de uma vez por todas. Aqui o comediante faz pequenas modificações, mas o espírito anárquico da história é mantido. Seu trabalho não está tão apurado quanto nos tempos de A Guerra dos Roses ou Matilda, mas na medida para alcançar seus objetivos. Não merecia o desprezo do público, afinal para quem procura rir sem medo de ser feliz não há pedida mais indicada. Destaque para a abertura construída com uma animação dos protagonistas procurando um lar e para o desempenho da veterana atriz inglesa Eileen Essel que rouba a cena como a endiabrada velhinha. Superar seu desempenho é bem difícil.

Comédia - 89 min - 2003

-->
DUPLEX - Deixe sua opinião ou expectativa sobre o filme
1 – 2 Ruim, uma perda de tempo
3 – 4 Regular, serve para passar o tempo
5 – 6 Bom, cumpre o que promete
7 – 8 Ótimo, tem mais pontos positivos que negativos
9 – 10 Excelente, praticamente perfeito do início ao fim
Votar
resultado parcial...

Nenhum comentário:

Leia também

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...