sexta-feira, 22 de agosto de 2014

MAGIC MIKE

NOTA 8,0

Através de dois jovens personagens
longa mostra como funciona a
"vida fácil" que seduz, recompensa,
mas também não é um mar de rosas
Há mais de vinte anos a novela “De Corpo e Alma”, de Glória Perez, causou polêmica ao apresentar em horário nobre o que era um clube das mulheres. Homens dançando com sungas minúsculas, rebolando, fazendo caras e bocas, satisfazendo mulheres jovens, de meia idade e até idosas e como recompensa enchendo os bolsos de grana alta. Ou melhor, guardando o máximo de dinheiro que fosse possível em seus sumários trajes. Na época ousar trabalhar neste ramo virou moda por aqui, mas não demorou muito para os strippers voltarem a atuar nos chamados inferninhos. Nos EUA, no entanto, esse negócio é um dos mais lucrativos há décadas e ainda continua em alta e seduzindo novos trabalhadores. Magic Mike explora este universo e muito antes de ser lançado já chamava atenção obviamente por alimentar expectativas quanto a cenas de nudismo e sexo. Bem, a mulherada e os homens simpatizantes da causa não têm do que reclamar. Saradões caprichando nas “interpretações” no palco e interagindo muito a vontade com a plateia feminina não faltam, porém, o longa de Steven Soderbergh, dos elogiados Traffic e Erin Brockovich, não tem o intuito de excitar, mas sim de lançar um olhar mais humano sobre esse mundo glamourizado. Será que para trabalhar no ramo do sexo é preciso ser um depravado ou a desculpa das necessidades financeiras justificam a incursão? O roteiro do novato Reid Carolin surpreende ao não jogar todos os holofotes sobre o personagem-título e optar por dividir as atenções entre dois tipos que obviamente servirão para apresentar pontos de vistas diferentes sobre a questão. Em Tampa, na Flórida, Mike (Channing Tatum) está beirando os trinta anos e se desdobra em dois empregos. Durante o dia é um peão de obras e a noite é stripper em uma casa noturna. Nas horas vagas ainda aceita fazer programas e o pouco tempo que sobra gasta desenhando e montando móveis, sua verdadeira paixão, mas os tempos são de recessão e o impedem de trabalhar por conta própria e com algo “normal”.  Para sobreviver à crise cada um se vira como pode e o rapaz se faz valer de seu físico malhado e beleza e já há algum tempo é considerado a principal atração do clube comandado por Dallas (Matthew McConaughey). Embora mostre muita desenvoltura no palco e assuma que não perde a oportunidade de ir para a cama com as mulheres que lhe dão mole, ele prefere ver tudo isso como investimentos e em breve pretende abandonar o ramo.

Certo dia, trabalhando em uma construção, Mike conhece o jovem Adam (Alex Pettyfer) com quem se identifica e rapidamente faz amizade. Assim como o stripper um dia estava sem rumo na vida, o rapaz aos 19 anos também está perdido, mas as coisas mudam em um golpe de sorte. Já pensando em apresentá-lo à Dallas para lhe conseguir um emprego como ajudante, o veterano dos palcos o leva para a boate, mas um dos dançarinos se acidenta e Adam é literalmente empurrado para debaixo dos holofotes. Um pouco desengonçado no início, sua apresentação surpresa é um sucesso e imediatamente ele é incorporado ao grupo. Rapidamente “o garoto”, como ficou conhecido artisticamente, passa a disputar a vaga de estrela do show, mulheres não faltam para lhe oferecer prazer e tirar um extra e, como de costume neste meio, bebidas e drogas passam a fazer parte da sua rotina. Aliás, sua ambição o leva a se associar ao tráfico de entorpecentes, negócio arriscado que mais cedo ou mais tarde ameaçaria sua ascensão. Enquanto ele vive a euforia deste mundo de possibilidades (sem hipocrisia, a fantasia de muitos jovens), Mike já estava articulando seu desligamento do grupo, mas se decepciona ao ver que por mais que tenha juntado dinheiro ainda era pouco para abrir sua marcenaria. Revoltado e pressionado por Dallas, com quem mais a frente baterá de frente ao propor sociedade nos lucros já que ajudou a construir a boa fama da casa, ele volta aos shows com pique total e disposto a revogar seu título de destaque, mas ainda assim o roteiro não cai na armadilha de colocar os rapazes em posição de rivais e o empreendedor frustrado vai tentar ajudar o pupilo até o fim. Isso sem se fazer de vítima da situação, afinal Mike gosta e muito do que faz, só não é um deslumbrado e sabe que a carreira é incerta. Sua solidariedade também é impulsionada pelo sentimento amoroso que passa a nutrir por Brooke (Cody Horn), a irmã mais velha de Adam que assumindo um papel materno obviamente não gosta nada de ver seu garotinho em atividades devassas, ainda mais sabendo que ele desperdiçou as chances de um futuro promissor entrando para uma universidade graças a sua habilidade no futebol americano que lhe garantiria uma bolsa de estudos. Perceberam o contraponto? Ainda que ambos demonstrem gostar de servirem de objeto sexual, Mike entrou no ramo por necessidade de juntar dinheiro para concretizar um sonho enquanto Adam representa o estereótipo do jovem que acredita que a vida é uma eterna balada e existe coisa melhor que se divertir e ainda ser muito bem remunerado por isso? Apesar do baque inicial, Brooke acaba aceitando o trabalho do irmão sem fazer grandes julgamentos, o que deixa para o espectador uma sensação incômoda ainda mais quando ouvimos a defesa de Mike ao comportamento do amigo. Estaria o mundo tão liberal a ponto de um parente achar normal que alguém de sua família saia de casa para satisfazer fetiches, beber aos montes, se drogar e dividir a cama com uma ou mais mulheres diferentes todas as noites?

O equilíbrio entre a moralidade e a libertinagem é o calcanhar de Aquiles deste drama com toques de humor e erotismo, mas também pode ser o ser grande trunfo. Simplesmente Soderbergh fica em cima do muro e usa como muleta seus dois protagonistas para expor pontos de vista diferentes sobre a questão, mas não aponta qual deles é quem tem a razão. Embora fique subentendido o caminho que cada um seguirá desde o início, o diretor prefere não condenar ninguém e o espectador é quem deve julgar levando em consideração seus próprios princípios. A premissa pode nos remeter à comédia britânica Ou Tudo Ou Nada que em 1997 já mostrava maneiras alternativas dos homens driblarem crises financeiras, mas apostando no deboche ao colocar quarentões fora de forma e tímidos para tirar a roupa em shows. Já Magic Mike prima pela ousadia. Talvez nunca uma produção de Hollywood tenha dedicado tanta atenção aos corpos masculinos (filmes de Van Damme, Stallone e companhia não contam) oferecendo generosos closes que não poupam nem mesmo as estrelas da fita que se entregam aos seus papeis sem medo algum. McConaughey, pouco antes de emagrecer exageradamente para Clube de Compras Dallas e compor o papel que lhe traria tantos prêmios incluindo o Oscar, surge aqui mais canastrão do que nunca e exibindo um físico para dar inveja a qualquer garotão. Usando uma pequena sunga e mostrando-se totalmente à vontade, ele protagoniza uma irônica cena na qual ensina o seu mais novo contratado como levar as mulheres à loucura fazendo movimentos suspeitos em frente a um espelho. Com outros bombados ao fundo cultuando seus músculos na academia, a sequência traz certa carga de homoerotismo, assim como toda a narrativa, mas evita-se expor abertamente o tema. A atração entre os homens, algo que deve ser bastante comum neste meio, é mostrada de forma velada através de simples elogios à boa forma ou desempenho nos shows ou até mesmo por intermédio do voyeurismo, visto que os dançarinos costumam dividir as mulheres que conquistam em orgias. Aliás, o sexo feminino que ainda briga por direitos iguais tem aqui mais uma conquista vendo materializados os mais variados fetiches sexuais, algo que antes parecia exclusividade para o público masculino. Soldados, cowboys, executivos, policiais, marinheiros, rappers e até homens da caverna. Em rápidos ou generosos takes, Soderbergh explora praticamente todas as fantasias possíveis e Pettyfer não se intimida. E pensar que ele foi o protagonista de Alex Rider Contra o Tempo. O garoto cresceu... E como! Já Tatum, elevado ao posto de galã por romances como Querido John, demonstra tanta desenvoltura por justamente já ter sido um stripper, mas tal qual seu personagem estava nos palcos apenas para um trampo temporário. De certa forma uma homenageado ao astro, o longa realmente surpreende quem espera ver um pornô-soft.  Mesmo com o romance entre Mike e Brooke ser forçado e a relação do dançarino e seu chefe explorada superficialmente, o longa desbrava com eficiência este mundo que literalmente seduz, mas que exige pessoas com cabeça no lugar para saber lidar com preconceitos, narcisismo, armadilhas e traições. 

Drama - 110 min - 2012

-->
MAGIC MIKE - Deixe sua opinião ou expectativa sobre o filme
1 – 2 Ruim, uma perda de tempo
3 – 4 Regular, serve para passar o tempo
5 – 6 Bom, cumpre o que promete
7 – 8 Ótimo, tem mais pontos positivos que negativos
9 – 10 Excelente, praticamente perfeito do início ao fim
Votar
resultado parcial...

Nenhum comentário:

Leia também

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...