sábado, 11 de fevereiro de 2012

BEM-VINDO AO JOGO

Nota 1,0 Vendido como romance, filme é desinteressante e o amor é substituído pela jogatina

Sorte no jogo, azar no amor. Esse pensamento resume o espírito de Bem-Vindo ao Jogo, produção vendida como um romance, mas que deve decepcionar os fãs do gênero. Aqui há muito mais jogatina do que romantismo e quem não é adepto de carteado provavelmente vai achar um tédio esta produção assinada por Curtis Hanson. O diretor tem um currículo com trabalhos bem interessantes e chegou ao ápice da carreira quando recebeu muitos elogios e indicações a prêmios por Los Angeles – Cidade Proibida. Pouco tempo depois ainda chamou atenção com seu Garotos Incríveis, mas desde então ele tem escolhidos histórias tolas para filmar. Neste caso, ele optou por um simpático e atraente casal de protagonistas e tentou enveredar pelo lado do romantismo para no fundo contar uma história em que vencer no jogo de cartas é o que interessa, uma metáfora ao desejo universal de vencer na vida. Em Las Vegas, o jogador profissional Huck Cheever (Eric Bana) continua investindo nos jogos de cartas, principalmente o pôquer, e sabe como ninguém as artimanhas para sair vencedor. Sua técnica é simples: ele usa a emoção, faz o que manda seu coração, enquanto os adversários usam a lógica. Porém, na vida pessoal ele não é bem sucedido, mas as coisas mudam quando ele conhece Billie Offer (Drew Barrymore), uma encantadora jovem que o ensinará a tratar do amor da mesma forma que ele lida com o carteado. Enquanto aprende essa lição, ele também tenta juntar o dinheiro necessário para poder participar de um lucrativo torneio onde poderá jogar com uma lenda da jogatina, L. C. Cheever (Robert Duvall), que na realidade é seu pai biológico que ele nunca conheceu e agora tem a chance de enfrentar literalmente no jogo.

Infelizmente, não há clima de amor praticamente entre o casal principal e se a intenção era também adicionar humor a trama, nada surtiu efeito. Nem um sorrisinho amarelo é possível. O cineasta na realidade tentou fazer uma análise reflexiva ou traçar paralelos entre a razão e a emoção e para tanto colocou seu protagonista envolto a um dilema amoroso e outro com seu vício, os jogos de pôquer. A intuição ou a lógica? Qual destes caminhos deve determinar as suas decisões? O rapaz ainda tenta levantar dinheiro e ganhar condições físicas e psicológicas para participar de um importante torneio no qual poderia ser o adversário de seu próprio pai, o qual nunca conheceu, mas nem esse viés do draminha familiar salva Bem-Vindo ao Jogo. Até que as relações com o pai e a possível namorada poderiam render uma trama razoável, mas o problema é que Hanson, também autor do roteiro em parceria com Eric Roth, se preocupou tanto em fazer uma reconstituição fiel dos encontros de jogadores de cartas que recheou seu trabalho de termos técnicos e longas sequências de partidas, assim para quem não curte um joguinho o longa é uma verdadeira tortura. Aliás, longo ele é literalmente. Uma meia hora a menos ajudaria e muito. Enfim, esta produção é daquelas que dói dizer que é chata, mas não há como deixar se levar pelo elenco competente, diretor famoso ou pela parte técnica e visual que realmente não decepcionam. Um bom enredo é necessário até mesmo para um filme mudo e para uma produção de duas horas de duração então nem se fala. Só recomendado mesmo aos amantes de jogos de cartas que certamente não boiarão conforme a narrativa avança e acharão a tal disputa velada entre pai e filho eletrizante. Aos demais prepare uma generosa tigela de pipoca para se entreter.

Romance - 123 min - 2007 - Dê sua opinião abaixo.

Nenhum comentário:

Leia também

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...