sexta-feira, 3 de janeiro de 2014

LIGADOS PELO CRIME

NOTA 5,0

Narrativa fragmentada até
alinhava coerentemente a vida
de personagens, mas falta algo
para dar liga à mistura
Cada vez mais tem sido frequente o uso de narrativas fragmentadas no cinema, histórias que interligam a vida de personagens através de sentimentos ou situações e os dramas se beneficiam muito deste estilo. Ligados Pelo Crime aposta em uma gama de personagens que se associam pelo envolvimento com o mundo do crime ou a violência, podendo cada um se entregar ao declínio total ou optar pela redenção. Seguindo o estilo de Crash – No Limite, por exemplo, o longa utiliza um elemento-chave que pode modificar vidas, no caso uma pessoa em específico, um criminoso. Baseado em um antigo provérbio chinês que divide a vida em quatro sentimentos distintos e essências aos seres humanos em todas as fases de sua vida, o longa se divide em capítulos intitulados por estas emoções, mas todos com conexão. Cada ato tem um protagonista que na verdade não recebe nome, com exceção de um que atende por uma nomeação falsa, talvez uma forma simbólica que o diretor Jieho Lee encontrou para dizer que tais personagens são pessoas comuns, qualquer um poderia estar sujeito aos mesmos conflitos. A trama roteirizada pelo próprio cineasta em parceria com Bob DeRosa começa bem com “Felicidade”, ato defendido com vigor por Forest Whitaker interpretando um homem que quando era criança acreditava que sua dedicação à escola lhe traria ainda mais estudos, no entanto, futuramente, todos os seus esforços lhe garantiriam um bom emprego e finanças confortáveis. Na atualidade ele inveja quem pensa dessa forma. Apesar de ter um padrão de vida razoável, este bancário não é feliz e sofre com seu vício em apostas. Depois de ouvir às escondidas o nome do possível campeão de uma corrida de cavalos, ele aposta alto, mas a sorte não estava do seu lado e agora ficou devendo uma grande quantia e cai nas mãos do mafioso Fingers (Andy Garcia), ou na tradução brasileira Dedinhos, apelido que ganhou por só estalar os dedos e todos fazerem o que ele manda. Ameaçado e sem nada mais a perder ele então planeja ironicamente assaltar um banco para saldar sua dívida. “Prazer”, o segundo ato, é protagonizado por Brendan Fraser vivendo um dos capangas do chefão do crime que tem o dom de prever o futuro, porém, sem poder fazer nada para alterá-lo. Ele deve ajudar Tony (Emile Hirsch), o sobrinho aloprado de Fingers, a se familiarizar com o submundo e não demora muito para o jovem se meter em confusão, algo que o vidente já previa, porém, sua previsão estava parcialmente errada pela primeira vez.

Procurando lucrar de todas as formas possíveis, Fingers está de olho em uma jovem pop star que está em ascensão e quer administrar suas carreira e finanças. Em “Sofrimento”, Sarah Michelle Gellar vive uma cantora bonita e graciosa, mas que sofre preconceito justamente por ser considerada apenas mais uma estrela de fama passageira, tanto que é questionada em uma entrevista porque não revela seu nome verdadeiro preferindo ser chamada de Trista como se fosse um produto. A garota quando procurada pelo mafioso não gosta da ideia dele ajudá-la utilizando-se da sua influência, mas não escapa. Certa noite ela é surpreendida por sua visita e de seu bando dizendo que o empresário dela limpou sua conta bancária para pagar o que lhe devia e que agora sua carreira dependia exclusivamente da boa vontade do bandidão. Seu capanga-vidente já previa que o futuro não seria promissor para a cantora e procura ajudá-la escondendo-a em um local afastado, mas logo ele se apaixona por essa mulher que é o atual desejo de seu chefe. Por fim, em “Amor”, Kevin Bacon interpreta um dedicado médico que reencontra um amor do passado, Gina (Julie Delpy), uma bióloga que em meio a suas experiências acabou sendo mordida por uma cobra altamente venenosa e agora precisa urgentemente de transfusão de sangue. É quando ele vê por um acaso uma entrevista de Trista na qual era brincava que seu diferencial entre outras estrelas jovens da música era seu tipo sanguíneo raro, coincidentemente o mesmo de Gina. O problema é que a cantora ainda está na mira de Fingers e outros contratempos lhe afligem, pensando até mesmo em acabar com a própria vida para acabar com seu sofrimento. Os personagens de Whitaker, Fraser e Gellar buscam mudar os rumos da sua vida cada qual a sua maneira. Já o médico de Bacon não demonstra tal objetivo já que mesmo salvando seu amor do passado não poderia tê-la ao seu lado afinal já está casada com outro, no entanto, este homem tem importância por unir definitivamente todas as histórias, mas curiosamente no último ato esse elo é desfeito de forma difícil de explicar, justamente quando deveria ser o clímax da obra. O problema é que a trama do médico tentando salvar a amada não cativa devido a rapidez com que é desenvolvida e o realismo aplicado até então abre espaço para soluções fáceis, tudo em nome da emoção.

O título original, algo como “O Ar que Respiro”, é enigmático e sugere diversas interpretações. Os personagens principais poderiam estar vivendo sufocados e em busca da libertação. O oxigênio é um bem comum e necessário a sobrevivência de todos, o que fatalmente conecta os seres humanos que precisam compartilhar esse tesouro. A imagem de uma borboleta vez ou outra cena também chama a atenção. Símbolo de mudança, beleza ou liberdade, é fato que é intrigante a antítese proposta em um filme teoricamente denso. Tal inseto está presente no roteiro, literalmente e em metáfora, visto que seu nome é o mesmo do cavalo que surge no primeiro ato e deflagra todos os conflitos. Talvez só o próprio Lee possa explicar esta simbologia e quem sabe assim o resultado final poderia ser mais bem assimilado. Fica clara a mensagem de que os atos individuais podem influenciar outras vidas, mas a sensação incômoda de que faltou algo para dar liga a essa mistura persiste. Apesar das boas tramas e suas críveis interligações, o longa infelizmente não emociona, ainda que possa incomodar por nos fazer constatar mais uma vez que o mínimo contato com o mundo do crime é o passaporte para uma série de infortúnios ou de uma vida desregrada, mas a redenção sempre é possível. Com um elenco tão diversificado e inflado, com nomes famosos e competentes, também era de esperar interpretações mais marcantes, mas no máximo o que temos são perfis triviais, sendo Whitaker o maior destaque ao lado de Garcia, mesmo com um papel um tanto estereotipado. Ligados Pelo Crime tinha potencial para ser uma produção bem melhor, mas no final das contas é apenas mais um passatempo tecnicamente bem feito, com trama razoavelmente desenvolvida e amarrada e que segura a audiência pela curiosidade em descobrirmos como tantos conflitos serão concluídos. Cheio de boas intenções, Lee se atrapalha por querer fazer mais do que podia, claramente tentando copiar exemplos de outros filmes similares que acabaram por cair na graça da crítica e serem indicados a prêmios. Com um final chapado e frustrante, infelizmente este é um produto esquecível e que só deve deixar alguma marca por algumas sequências isoladas e inspiradas.

Drama - 95 min - 2007

-->
LIGADOS PELO CRIME - Deixe sua opinião ou expectativa sobre o filme
1 – 2 Ruim, uma perda de tempo
3 – 4 Regular, serve para passar o tempo
5 – 6 Bom, cumpre o que promete
7 – 8 Ótimo, tem mais pontos positivos que negativos
9 – 10 Excelente, praticamente perfeito do início ao fim
Votar
resultado parcial...

Nenhum comentário:

Leia também

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...