domingo, 6 de novembro de 2016

AS MULHERES DE ADAM

Nota 7,0 Centrado nos relacionamentos de um cafajeste, quem se destaca são suas parceiras

Pode um personagem cafajeste conquistar a simpatia do espectador? A julgar pela comédia romântica As Mulheres de Adam a resposta é sim, muito pelo modo sutil e descontraído que o diretor e roteirista Gerard Stembridge conduz uma história que tinha tudo para causar repúdio nos espectadores mais conservadores, contudo, mostra-se  habilidoso e ousado ao deixar seu enredo ser conduzido por um protagonista de caráter duvidoso, porém, abandonando falsos moralismos e deixando-o a vontade em cena. A trama começa como tantas outras comédias românticas. Lucy Owens (Kate Hudson) é garçonete e cantora em um pequeno bar na cidade de Dublin, na Irlanda, e apesar de muito namoradeira nunca se sentiu apaixonada e correspondida verdadeiramente. Certa noite ela se a apaixona a primeira vista por um de seus clientes, o misterioso e aparentemente perfeito Adam (Stuart Townsend), que como todo jovem que quer vender uma imagem de sucesso e independência ostenta um chamativo e valoroso carro. Após alguns encontros,  nem ela mesma sabe o porquê desse amor instantâneo afirmando que o rapaz não é muito inteligente e tampouco simpático, todavia o charme e lábia dele parecem ser suas armas de conquista, tanto que Laura (Frances O´Connor) e Alice (Charlotte Bradley), as irmãs de Lucy, também se apaixonam logo que o conhecem. Assim, o conquistador barato passa a se relacionar com essas três mulheres na surdina e até o caçula da família, David (Alan Maher), escapa por pouco de ser seduzido, ficando com a pulga atrás da orelha quanto a sua sexualidade ao se sentir atraído pelo futuro cunhado. É uma pena que Stembridge não desenvolva tal gancho e prefira se ater aos envolvimentos héteros do pegador que é um cara-de-pau de marca maior que mesmo após aceitar o pedido de noivado de Lucy não sossega, pelo contrário, seu instinto de caça só aumenta. Dessa atração fatal parece só escapar a mãe da noiva, Peggy (Rosaleen Linehan), que pode não ir para a cama com o jovem, mas não esconde seu apreço por ele e torcida pelo casamento. As aventuras sexuais do rapaz são contadas por pontos de vistas diferentes e não raramente contraditórios, abrindo espaço para o elenco feminino brilhar.

Adam procura não só satisfazer suas vontades como também demonstra se divertir instigando os desejos recalcados das pessoas que o cercam, como prova a investida gay em seu desajeitado cunhado, embora a sedução nesse caso tivesse claras segundas intenções com a garota do rapaz que até então fugia de contatos sexuais. De um modo torpe, é como se o namorador revitalizasse a família Owens que nunca mais seria a mesma após esse encontro. Laura e Alice podem não ter ciência do envolvimento uma da outra com o rapaz, mas sabem muito bem que enganam Lucy, porém, como desprezar alguém que trouxe novo ânimo para suas vidas? Mantendo tudo em sigilo prevalece o ditado "o que os olhos não veem o coração não sente". É interessante que inicialmente As Mulheres de Adam parece trilhar o caminho de uma comédia água-com-açúcar das mais tradicionais, com Hudson interpretando a típica jovem romântica e sonhadora. Ela tem até um outro paquera, Simon (Tommy Tiernan), um cara que ela própria define como alguém inteligente e simpatia pura, mas não entende o porquê de não se sentir atraída por ele e sim por um homem completamente oposto ao seu perfil. Pena que Stembridge desperdice mais um gancho e o tal rival tenha participação dispensável na trama, provavelmente uma escolha para fugir do lugar comum. Seria muito óbvio a mocinha perceber a certa altura que namora um cafajeste e procurar consolo nos braços do rapaz de coração bom e apaixonado. O diretor, no entanto, não apresenta uma comédia com complicados entrechos, pelo contrário, sua história é bastante simples, apenas achou uma forma mais arrojada de contá-la. Adam é um versátil Don Juan com capacidade de assumir os mais diversos estereótipos de homem ideal, adaptando-se aos estilos de cada uma de suas paqueras. Tímido e romântico foi o perfil escolhido para conquistar Lucy. Laura foi fisgada pela aura de culto e sensível enquanto Alice ele ganhou mostrando-se decidido e malicioso. A fita não é a reinvenção do gênero, mas bem interpretada e alto astral do início ao fim, é uma pedida mais inteligente e acima da média.

Comédia romântica - 105 min - 2000

-->
AS MULHERES DE ADAM - Deixe sua opinião ou expectativa sobre o filme
1 – 2 Ruim, uma perda de tempo
3 – 4 Regular, serve para passar o tempo
5 – 6 Bom, cumpre o que promete
7 – 8 Ótimo, tem mais pontos positivos que negativos
9 – 10 Excelente, praticamente perfeito do início ao fim
Votar
resultado parcial...

Nenhum comentário:

Leia também

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...