quinta-feira, 29 de maio de 2014

HOMENS EM FÚRIA

NOTA 6,0

Procurando abordar questões
morais e religiosas através de dois
personagens fortes e controversos,
longa se perde e distancia o espectador
Existem filmes que são tão ruins que nem nos importamos em tecer comentários negativos, pelo contrário, é até uma satisfação, uma forma de extravasar a raiva de ter perdido seu precioso tempo com semelhante coisa. Pena que nem sempre é fácil apontar se um filme é bom ou ruim. São vários os exemplos de produções que podem deixar aquele gostinho amargo de insatisfação ao final, contudo, isoladamente possuem pontos positivos relevantes como é o caso de Homens em Fúria, reencontro de Robert De Niro e Edward Norton após quase uma década do lançamento de A Cartada Final. Sem dúvidas ambos são ícones de suas respectivas gerações de atores, mas o aguardado embate de talentos resulta em algo frio, distante do espectador, muito por conta do roteiro assinado por Angus MacLachlan, do mais acessível Retratos de Família. O problema deste distanciamento pode acontecer logo nos primeiros minutos devido a diálogos que soam um tanto artificiais, afinal o fio condutor da trama é um prisioneiro tentando conseguir sua liberdade condicional justificando sua boa conduta, o tempo considerável de sua sentença já cumprido e a saudades que tem de transar com a esposa, diga-se de passagem, algo mencionado com riqueza de detalhes. Quem não se importar com a conversa típica de filmes de malandros e confiar no talento dos protagonistas, a trama pode surpreender pelos rumos que toma. Jack (De Niro) trabalha em um presídio como avaliador de condicionais, ou seja, é ele quem tem a responsabilidade de esgotar as possibilidades de verificação para ter a certeza de que pode devolver um indivíduo ao convívio social antes mesmo dele cumprir totalmente a sua pena, mesmo que para tanto sejam necessários meses ou até anos de empenho. O policial está prestes a se aposentar e a essa altura encara um grande desafio: lidar com Stone (Norton), um presidiário acusado de matar os próprios avós em um incêndio, mas que já cumpriu oito anos de sua pena e não vê a hora de conseguir sua liberdade condicional. O problema é que Jack parece ter perdido sua razão de viver agora que caiu a ficha que vai ser desligado da polícia definitivamente e não está mais empenhado no trabalho, assim ele pouco dá atenção aos apelos do detento que então recorre a Lucetta (Milla Jovovich), sua esposa, para ajudá-lo a persuadir o velho. Com toda a propaganda que fez sobre sua vida sexual, é óbvio que Stone quer que ela seduza o agente e assim consiga persuadi-lo a lhe dar o alvará de soltura, mas Jack é durão e não cai na armadilha. Bem, pelo menos não nas primeiras tentativas da moça.

Jack é um homem responsável, respeita leis, mas já foi mais religioso e hoje parece apenas conviver por conivência com sua esposa, Madelyn (Frances Conroy), não mais amá-la. A primeira aparição do personagem é bastante estranha e já causa repulsa no espectador. Muito jovem, chega a usar a própria filha pequena para chantagear a esposa a não abandoná-lo. A participação desta sofrida mulher é explorada em poucas cenas, mas todas de fundamental importância para transformar o argumento, não deixá-lo servir para uma trama policial comum. O filme no fundo fala sobre redenção e fé, além é claro da manipulação. Jack não frequenta a igreja, mas tem como hobby escutar sermões gravados enquanto sua mulher está prestes a se tornar uma fanática religiosa que acredita que qualquer situação inesperada é uma forma de Deus castigar. O veterano investigador, sempre com a língua afiada para desmascarar Stone, afirma não se arrepender de nada que fez ao longo da sua vida, mas cai em contradição vez ou outra lamentando que nunca tenha sido baleado. Talvez nunca tenha sido realmente feliz na profissão, somente em esporádicos momentos que compensavam a melancolia de sua vida pessoal, no entanto a iminente aposentadoria o faz crer que se tornará um velho inútil que passará os restos de seus dias aguardando a morte. O perfil deste homem é perfeito para ser ludibriado por uma mulher mais jovem e chega um momento que Jack não resiste e acaba cedendo às investidas de Lucetta, esta que a todo tempo não deixa bem claro se está tentando ajudar o marido ou se está aproveitando a desculpa para pular a cerca sem culpa como uma legítima ninfomaníaca. Embora interprete um tipo cujos atributos físicos e sex appeal são mais importantes que o talento em si, Jovovich se sai bem levando-se em consideração suas limitações como atriz e literalmente sendo devorada pelo veterano De Niro, este que há tempos não tinha um papel tão forte em suas mãos, ainda que não o represente de forma excepcional. Seu autoritarismo e semblante grosseiro contrastam com sua imagem dentro de sua própria casa, a de um homem frustrado e sem objetivos. O currículo do ator está repleto de personagens de moral duvidosa e aqui está mais um para ampliar a lista. Jack é mesquinho, desconfiado, prepotente e esconde todos estes defeitos sob uma falsa fachada religiosa. É nesse ponto está o pulo do gato da trama. Quantas histórias você já ouviu sobre criminosos que um belo dia foram tocados por uma luz divina e encontraram o caminho do Senhor? Da mesma forma que o policial em questão usa a religião como um escudo Stone a certa altura também parece ter aprendido a técnica. Ou seria realmente verdade sua repentina aproximação do credo?

Desde sua primeira aparição, Stone mostra-se uma pessoa ambígua. Ele cria sotaques, modifica sua voz e usa e abusa de trejeitos que não deixam claro se está em seu juízo perfeito ou se está bancando o santo para sair da cadeia. No início surge em estilo boca suja e com cabelo rastafári, mas após ler um livro religioso muda completamente sua maneira de falar, se comportar e até seu visual de malandro é dispensado. O próprio personagem afirma ter vivido um momento de epifania dentro da prisão, alguma coisa envolvendo sons que o fez ter contato com algo diferente, enxergar sua vida com olhar mais brandos. Se Stone já era intrigante, após encontrar a “luz” sua personalidade torna-se ainda mais confusa o que instiga o espectador a tentar buscar detalhes na interpretação de Norton para tentar decifrar o enigma do personagem. Afinal ele regenerou-se ou é apenas um truque para enganar seu agente da condicional? O diretor John Curran, do sensível O Despertar de Uma Paixão, tentou fazer de um argumento simples uma história ambiciosa sobre questionamentos morais e religiosos e acabou se perdendo entre diálogos extensos e cansativos que comprometem significativamente o ritmo da obra. Já seria o bastante desenvolver o perfil dúbio de Stone, cujo nome intitula o filme originalmente, um gancho tão forte que acaba jogando por água abaixo o plano de sua esposa tentar seduzir Jack. A partir do momento em que o rapaz se encontra em estado de graça, a personagem Lucetta acaba perdendo importância na trama. Curran quis ir mais longe e também colocar em xeque a idoneidade do papel vivido por De Niro. O presidiário lhe questiona quem seria ele para julgá-lo e no fundo nem o próprio Jack sabe responder. Um homem da lei que não pensou duas vezes antes de colocar a própria filha em risco para mostrar quem manda em sua casa não é nenhum modelo de perfeição, ainda mais quando paramos para pensar que ele se propõe a trair a esposa sem refletir que o distanciamento entre eles pode ter sido provocado por ele próprio que abriu caminhos para Madelyn ir buscar compensação às suas frustrações na religião. Jack construiu sua própria infelicidade ao longo dos anos e encontrou em Stone alguém para afrontá-lo, uma pessoa tentando ampliar seus horizontes voluntariamente ou apenas em benefício próprio. Realmente, Homens em Fúria tem questões pertinentes a respeito de ética, crenças e psicologia contrastando os perfis de seus protagonistas, o homem mais velho e desiludido batendo de frente com o entusiasmo de um jovem que clama por uma segunda chance para ser feliz. Com interpretações fortes e alguns diálogos isolados que chamam a atenção pela profundidade, é uma pena que o conjunto parece ter lacunas, sentimos falta de algum elemento que uma com perfeição todos os bons ganchos da trama que ainda é prejudicada pelo título nacional que vende a ideia de um produto banal calcado em adrenalina e tiroteios. 

Drama - 105 min - 2010 

-->
HOMENS EM FÚRIA - Deixe sua opinião ou expectativa sobre o filme
1 – 2 Ruim, uma perda de tempo
3 – 4 Regular, serve para passar o tempo
5 – 6 Bom, cumpre o que promete
7 – 8 Ótimo, tem mais pontos positivos que negativos
9 – 10 Excelente, praticamente perfeito do início ao fim
Votar
resultado parcial...

Nenhum comentário:

Leia também

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...