sábado, 21 de dezembro de 2019

JOSHUA - O FILHO DO MAL

Nota 1,0 Vendido com ares sobrenatural, suspense decepciona adotando drama familiar e polêmico

Crianças endemoniadas é um dos maiores clichês do universo do horror. Talvez por já termos vistas tantas e, diga-se de passagem, a maioria bem mais assustadoras, é que o longa Joshua - O Filho do Mal já foi lançado com lugar cativo no limbo. O personagem-título é vivido no piloto automático pelo então ator mirim Jacob Kogan que interpreta um garoto quieto, apático e que as poucas vezes que abre a boca é apenas para fazer alguma observação ou pergunta que acabam por deixar Abby (Vera Farmiga) e Brad (Sam Rockwell), seus pais, sem respostas e com dúvidas quanto ao comportamento do filho. Quando sua mãe dá a luz à pequena Lilly a vida da família muda completamente. E para pior! Ao perceber toda a atenção que é destinada à irmã, mesmo sem demonstrar sinais de raiva ou ciúmes, Joshua começa a ter ações, como jogos psicológicos e ameaças, que podem enlouquecer o casal que está com problemas. Enquanto o pai vive um período de crise profissional, a mãe, já detentora de um histórico de problemas psicológicos, agora também sofre com a depressão pós-parto. O garoto é obcecado pelo hobby de dissecar seus bichinhos de pelúcia e não demora a testar as técnicas em animais vivos. Por aí já se tem ideia do que ele pretende fazer com a bebezinha. O longa então se propõe a abordar um problema até que bastante corriqueiro: filhos com má índole nascidos em bons berços. Joshua tem pais amorosos, tem uma vida abastada, mas sabe-se lá porquê nasceu com a sementinha do mal caráter enraizada. Ele praticamente é um psicopata em início de carreira, muito inteligente, nem um pouco empático e com uma habilidade singular para mentir e manipular as pessoas. Crianças com este perfil, como os garotos sem semblante de filmes como A Profecia e Reencarnação, já tornou-se um protótipo bastante desgastado no cinema, mas no caso incomoda saber que Joshua é um ser malvado por natureza, o que invalida o péssimo subtítulo nacional.

O garoto não é filho do Diabo e tampouco a personificação de um espírito ruim. O sobrenatural não está presente no roteiro de David Gilbert e George Ratliff, este que também assina a direção desprovido de estilo próprio. É simplesmente a história de uma família comum que tem uma ovelha negra em casa, mas como os pais podem lidar com essa situação? A abordagem principal é sobre a angústia de se voltar contra alguém que teoricamente deveria ser protegido e receber amor incondicional, assim pode causar espanto, por exemplo, uma cena em que o pai espanca o próprio filho literalmente em praça pública no limite de sua paciência ao perceber que o primogênito não tem um pingo de compaixão com a família. Obviamente, Joshua - O Filho do Mal não tem pretensão alguma de discutir o tema a fundo, mas também não se propõe a assustar como se espera. Se por um lado fugir da obviedade seria um ponto positivo, para tanto era preciso ter a certeza de uma boa trama em mãos, o que não é o caso. O longa tem alguns momentos de tensão pontuais, mas no conjunto não prende a atenção por se limitar a apelar para alguns truques manjados do gênero explicitados por efeitos sonoros e takes de câmera nada criativos. O resultado é um filme incômodo, e não no bom sentido já que por se tratar de um suspense a ideia seria manter o espectador inquieto, no entanto, o tédio impera do início ao fim. É uma produção obscura que não diz a que veio e que deixa muitas pontas soltas. Os marqueteiros do longa deveriam ser processados por desrespeitar a inteligência do espectador o vendendo como algo capaz de gelar a alma. Bem, de fato é um tremendo banho de água fria. E como tem gente que adora procurar pelo em ovo, há quem enxergue tendências homossexuais no personagem-título baseando-se em preconceitos arcaicos, como o fato do garoto preferir se dedicar a música clássica ao invés de algum esporte e trajar roupas elegantes e pouco comuns a sua idade, e ainda vão além querendo relacionar o seu lado malvado a sua possível orientação sexual. Fuja desse engodo ou tope como remédio para insônia.

Suspense - 105 min - 2006

-->
JOSHUA - O FILHO DO MAL - Deixe sua opinião ou expectativa sobre o filme
1 – 2 Ruim, uma perda de tempo
3 – 4 Regular, serve para passar o tempo
5 – 6 Bom, cumpre o que promete
7 – 8 Ótimo, tem mais pontos positivos que negativos
9 – 10 Excelente, praticamente perfeito do início ao fim
Votar
resultado parcial...

Nenhum comentário:

Leia também

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...