quarta-feira, 12 de dezembro de 2018

OS PICARETAS

NOTA 9.0

Steve Martin e Eddie Murphy
unem seus talentos em inteligente
comédia que tira sarro e de certa forma
homenageia a indústria do cinema
O lendário programa "Saturday Night Live" lançou grandes nomes do humor que migraram para o cinema, entre eles Steve Martin e Eddie Murphy. Representantes de épocas distintas da atração, suas carreiras foram calcadas em comédias sendo que o primeiro tem predileção por atuar em seus próprios roteiros e o segundo é famoso por gostar de interpretar mais de um personagem em um mesmo filme. Unindo os gostos da dupla, Os Picaretas é uma divertida sátira ao universo que eles mesmos habitam. Hollywood é um lugar que alimenta muitos sonhos, mas não tanto quanto o número de decepções. Muitos filmes já abordaram a obsessão pelo sucesso a qualquer preço no cinema, mas faltava uma comédia digna a abordar o tema. Eis que em 1999 o roteiro de Martin chegou as mãos do diretor Frank Oz. O ator dá vida a Bobby Bowfinger, um produtor e diretor afogado em dívidas que precisa de um grande estouro de bilheterias para dar a volta por cima e nada melhor que um nome famoso para atrair as atenções. "Chuva Rechonchuda", o filme dentro do filme, é uma aventura de ficção científica bem tosca desprezada por Kit Ramsey (Murphy), um astro das fitas de ação. Disposto a tudo para tê-lo no elenco, o cineasta arquiteta um plano que julga ser brilhante para realizar seu trabalho e de quebra experimentar uma maneira inusitada de filmar. Ele faria sim o filme com Ramsey como protagonista, contudo, o próprio ator não saberia disso. Usando os mais variados artifícios para captar imagens, Bowfinger passaria a persegui-lo e o colocaria em situações absurdas e outras de perigo, todas para se encaixarem no script, porém, fugindo completamente da rotina do astro. O elenco é convencido que o intérprete tem uma maneira peculiar de atuar e construir suas personagens, assim aceitam gravar suas cenas mantendo generosa distância dele, mas que após uma caprichada edição pareceria que estavam de fato dividindo o mesmo set de filmagens. Os atores então declamam estranhas falas e com exageradas entonações e as vezes são percebidos por Ramsey que tem reações ainda mais esdrúxulas acreditando estar sendo perseguido por extraterrestres.

A equipe na frente e atrás das câmeras, composta em sua maioria por antigos colaboradores de Bowfinger que também estavam ávidos por uma oportunidade de trabalho, reúne os mais variados perfis e estereótipos, com destaque para Carol (Christine Baranski), uma decadente, porém, entusiasmada atriz, e Dave (Jamie Kennedy), o fiel escudeiro do produtor. Já a novata da trupe, Daisy (Heather Graham), é o estereótipo da moça do interior que chega a cidade grande cheia de ambições e para realizar seu sonho de ser atriz não pensa duas vezes antes de lançar mão de seus atributos físicos e malícia. São hilárias e de extrema criatividade as cenas em que a trupe é deslocada para os locais frequentados por Ramsey, todos entusiasmados acreditando estarem realizando um trabalho que vai entrar para a História do cinema pelo método diferenciado de filmagens. O protagonista desavisado, por sua vez, pensa estar enlouquecendo sendo perseguido por tanta gente agindo estranhamente e decide seguir os conselhos do guru Terry Stricter (Terence Stamp) e sua seita (uma crítica explícita à cientologia que na época estava em alta principalmente com a adesão exagerada de Tom Cruise ao movimento) para um retiro espiritual e espairecer e Bowfinger precisa de um plano B rapidamente. Eis que ele abre audições para contratar um dublê para substituir Ramsey e para sua surpresa e sorte encontra Jiff (também vivido por Murphy), mais que um sósia idêntico a Ramsey, simplesmente o próprio irmão do ator. O rapaz é extremamente atrapalhado e tímido, mas isso não é problema algum já que o diretor mesmo deixa claro que quer um empolgante thriller de ação com toques de sobrenatural, assim o importante não são os diálogos e sim o corre-corre, uma divertida crítica a falta de conteúdo dos longas que investem em doses cavalares de adrenalina e fiapos de histórias. Claro que com a entrada do substituto as confusões nas filmagens só aumentam, ainda mais quando ele descobre ter talento, ou melhor, certa desenvoltura para atuar, obviamente para os padrões de uma produção que flerta com o luxo e o lixo da indústria de Hollywood.

Usando e abusando de situações de extremo nonsense, mas jamais capengando para o humor escrachado e constrangedor, e cercado por um elenco talentoso disposto a levar sua brincadeira a sério, Martin fez do roteiro de Os Picaretas um dos mais divertidos e criativos do gênero. O segredo é uma trama relativamente simples e objetiva, buscando o humor na identificação com as várias referências a respeito do mundo do cinema que acaba sendo homenageado apesar de toda a sátira, principalmente envolvendo a crítica escancarada a guerra de egos que faz parte deste universo. A parceria do veterano ator com Oz foi revitalizada aqui.  No final da década de 1980 o cineasta o dirigiu em Os Safados que viria a se tornar um clássico da comédia com seu humor inteligente que unia a picardia de Martin ao estilo contido e sarcástico de Michael Caine. A dupla voltou a trabalhar junto em Como Agarrar Um Marido, mas só voltou a acertar o compasso com este longa, projeto em que ambos pareciam muito inspirados. Oz vinha no embalo do sucesso de seu trabalho anterior, o divertidíssimo Será Que Ele É?, que Martin deixou de protagonizar por não se sentir preparado para dar vida a um homossexual. Felizmente a redenção veio com Bowfinger, um simpático trambiqueiro que conquista o espectador facilmente. Apesar de focar em ganhar dinheiro, no fundo sentimos que o produtor é um amante de cinema e busca sua realização pessoal, mesmo se dedicando a produções um tanto toscas. Os créditos iniciais com a câmera passeando por seu escritório repleto de objetos, fotos e pôsteres alusivos a sétima arte evidenciam sua paixão. Com seu conhecido estilo de soltar piadas sarcásticas com elegância ímpar, Martin prova mais uma vez que, apesar de também ser adepto do humor pastelão, sabe como poucos atuar em comédias com conteúdo e ainda assim genuinamente divertidas. Murphy também se sai bem com dois papéis totalmente opostos, mas seu traquejo faz transparecer que a mudança de perfis é coisa fácil. O resultado da união destes sinônimos da comédia ianque rendeu elogios rasgados da crítica, merecida atenção para uma produção que atinge o perfeito equilíbrio entre o sofisticado e o popular, sem nunca ser papo cabeça demais e tampouco descambar para o chulo.

Comédia - 97 min - 1999

-->
OS PICARETAS - Deixe sua opinião ou expectativa sobre o filme
1 – 2 Ruim, uma perda de tempo
3 – 4 Regular, serve para passar o tempo
5 – 6 Bom, cumpre o que promete
7 – 8 Ótimo, tem mais pontos positivos que negativos
9 – 10 Excelente, praticamente perfeito do início ao fim
Votar
resultado parcial...

Nenhum comentário:

Leia também

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...