sábado, 30 de setembro de 2017

DRÁCULA - MORTO MAS FELIZ

Nota 7,0 Comediante Leslie Nielsen apresenta sua versão cômica de lendário personagem

Qual o mais famoso e prolífico personagem do universo de terror? Sem dúvidas o lendário Conde Drácula encabeça a lista das principais criaturas nefastas que atrelaram seu nome a cultura pop, muito com a ajuda do cinema. Desde a época dos filmes mudos e em preto-e-branco, são centenas de histórias estreladas pelo príncipe das trevas, apresentando-se com seu ar de mistério e sedutor ou até mesmo em versões estilizadas, entre fitas de horror, suspense, dramas, romances e obviamente paródias. O saudoso comediante Leslie Nielsen tratou de apresentar sua versão esculachada do personagem em Drácula - Morto Mas Feliz, descaradamente uma brincadeira em cima do bombado longa baseado no livro de Bram Stoker e dirigido por Francis Ford Coppola lançado três anos antes, assim já antecipando uma tendência das décadas seguintes em trepudiar sucessos recentes. A história começa nos apresentando ao procurador Thomas Renfield (Peter MacNicol) que viaja à Transilvania para se encontrar com o sinistro cliente do título para um negócio imobiliário. O rapaz é hipnotizado e passa a obedecer as ordens do vampirão que mostra-se um homem sedutor, refinado, porém, um tantinho atrapalhado. Juntos eles vão para a Inglaterra que será o novo endereço do conde, mas ao final da viagem Renfield se vê confinado em uma clínica psiquiátrica. Aliás, o local é administrado pelo Dr. Seward (Harvey Korman), o vizinho inglês do Drácula que se encanta por uma das filhas do médico. A noite ele invade o quarto de Lucy (Lysette Anthony) para chupar seu sangue e saciar seus desejos. Ao ver duas estranhas marcas no pescoço da jovem e sua estranha palidez, seu pai decide chamar o Dr. Abraham Van Helsing (Mel Brooks), um especialista em doenças estranhas e também em caçar criaturas das trevas. Com cruzes e alhos, ele tenta proteger a garota de ser atacada novamente, mas Drácula é mais esperto e tem poderes que vão além da transformação em morcego. Contudo, ele não mata suas vontades com apenas uma mulher. O vampirão volta suas atenções para a outra filha do vizinho, Mina (Amy Yasbeck), mas não quer simplesmente saciar desejos momentâneos e sim torná-la sua noiva para toda a eternidade.

Além de atuar, diga-se passagem, compondo um Van Helsing bastante canastrão e com sua seriedade exagerada servindo como escada para muitas piadas, Brooks também assina a direção (seu último trabalho no cargo), já tendo experiência em reinventar personagens clássicos. Com O Jovem Frankenstein, por exemplo, apresentou sua versão bem-humorada da obra de Mary Shelley e até conquistou indicação ao Oscar pelo texto. Com sua paródia do vampiro soberano, mais de vinte anos depois, não teve a mesma repercussão positiva, mas a fita tem lá seus momentos divertidos, embora a maioria calcados em piadas previsíveis e de humor visual. A introdução ilustrada com imagens em estilo renascentista traz certo ar pomposo e seriedade que depois serão substituídos pelo tom jocoso, inclusive com direito a sombra do protagonista com vida própria. O saudoso Nielsen nunca foi considerado um grande ator, puro preconceito com quem domina a arte de fazer rir, mas com seus costumeiros trejeitos e caras e bocas conseguiu criar um divertidíssimo Drácula, sedutor e enigmático, mas também um tanto atrapalhado. A parte séria do protagonista foi inspirada na criação icônica de Christopher Lee, o ator que melhor encarnou a figura até hoje, assim como a ambientação é um resgate da estética da Hammer, estúdio inglês que no passado foi berço de pomposas produções de horror. Contudo, o roteiro de Rudy De Luca, Steve Haberman e com pitacos do próprio Brooks, obviamente, capricha nos gracejos explorando particularidades do universo vampiresco, como a aversão ao alho e a proibição de exposição ao sol. Drácula - Morto Mas Feliz na época pode  ter sido realizado buscando entreter a plateia popular, contudo, com o passar dos anos, a fita ganhou certo status de cult, angariando admiradores de um humor mais mordaz e inteligente. Em tempo: Anne Bancroft, esposa de Brooks, tem um pequeno papel no início como uma cigana com um tique nervoso.

Comédia - 88 min - 1995

-->
DRÁCULA - MORTO MAS FELIZ - Deixe sua opinião ou expectativa sobre o filme
1 – 2 Ruim, uma perda de tempo
3 – 4 Regular, serve para passar o tempo
5 – 6 Bom, cumpre o que promete
7 – 8 Ótimo, tem mais pontos positivos que negativos
9 – 10 Excelente, praticamente perfeito do início ao fim
Votar
resultado parcial...

Nenhum comentário:

Leia também

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...