domingo, 21 de julho de 2019

O MELHOR DE MIM

Nota 5,0 Da grife Nicholas Sparks, longa conta mais uma história de amor fadada ao fracasso

O autor Nicholas Sparks se transformou em uma franquia... De repetições. Suas obras versam basicamente sobre amores fadados ao infortúnio, histórias protagonizadas por um belo casal que se une contra adversidades que possam impedi-los de viver um grande amor, mas o destino sempre lhes reserva um final impactante ou traumático. Foi assim com Um Amor Para Recordar, Querido John e Um Porto Seguro, por exemplo. Até o queridinho popular Diário de Uma Paixão segue tal vertente, mas ganha pontos por ter uma trama mais realística em comparação aos demais best sellers do escritor. O Melhor de Mim  entra na lista de seus livros já adaptados para o cinema apenas de forma numérica. Qualitativamente não agrega nada. Com direção de Michael Hoffman, do simpático Um Dia Especial (que tinha tudo para ser mais uma história do Midas da literatura romântica, mas não é), a trama acompanha a trajetória de Amanda (Liana Liberato) e Dawson (Luke Bracey), dois jovens que se apaixonam perdidamente, mas a relação não é aprovada pelos pais dela que consideram o pretendente um pobretão e oriundo de uma família de desajustados. Quando o rapaz resolve fugir de casa e tentar uma vida melhor, ele é acolhido por Tuck (Gerald McRaney), um ex-militar viúvo que oferece total apoio à esse relacionamento que sofre com episódios de violência, acidentes, preconceito, doenças e tudo quanto é desgraça. O destino não parecia a favor destes jovens e eles acabam se separando e após duas décadas, ou melhor, depois de exatos 21 anos como é frisado várias vezes, eles voltam a se reencontrar por ocasião da morte do senhor que os apoiara na juventude. Nesta fase o casal é interpretado por Michelle Monaghan e James Marsden, nomes mais conhecidos do grande público, mas nem por isso deixam de entediar boa parte da fita. É a partir de suas memórias que vamos tendo conhecimento desta história de amor e os fatos que os levaram a romper. Distantes por tanto tempo e tendo seguidos caminhos completamente opostos, ambos colocarão o amor que viveram um dia à prova e vão tentar dar mais uma chance um ao outro, porém, outra vez parece que o destino estará contra esta união.

Partindo de uma estrutura narrativa eficiente e bem arquitetada, o longa une passado e presente entrelaçando a trajetória dos protagonistas cujos gestos e atitudes atuais podem adquirir uma conotação completamente diferente quando contrastados com seus comportamentos na adolescência. Toda a trama é desenvolvida tendo como pano de fundo belíssimas paisagens idílicas e com o sol quase sempre emoldurando os personagens, isso quando a chuva ou a água de um lago não tratam de adornar as sequências. Aliás, se há algo para esta produção se gabar o motivo seria o aperfeiçoamento tecnológico. Cada fotograma parece ter sido minuciosamente alterado em computador para oferecer imagens perfeitas e sedutoras. Até a barba por fazer dos homens parece terem sido retocadas para que cada pelinho tivesse o mesmo comprimento e coloração. Tudo é harmonioso demais esteticamente, uma das características dos textos de Sparks que insiste em dar provas e mais provas do quanto os protagonistas merecem ficar juntos. O roteiro de J. Mills Goodloe e Will Fetters é extremamente fiel ao livro e não poupa o espectador de momentos lacrimejantes, principalmente no ato final quando somos surpreendidos (ou não) por uma situação impactante. Se não fosse da grife "sparkiniana" a conclusão até poderia chocar, mas conhecendo sua obra já estamos preparados para o que está por vir. Liberato e Bracey não conseguem convencer como um casal apaixonado ao extremo, mas tal fato não chega a diluir a atenção do espectador graças a montagem que intercala flashbacks com momentos do presente quando entram em cena Monaghan e Marsden, atores bem mais experientes e com entrosamento melhor em cena. Aliás, houve um erro bastante perceptível na escalação de elenco. O casal mais jovem tem características físicas díspares de seus representantes na maturidade, mas nada que não possa passar batido pelos olhares daqueles que emergem neste universo paralelo em que Sparks permite seus personagens transitarem por um ambiente utópico, mas quando os puxa para a realidade o faz com golpes certeiros de dor.

Drama - 118 min - 2004
-->

O MELHOR DE MIM - Deixe sua opinião ou expectativa sobre o filme
1 – 2 Ruim, uma perda de tempo
3 – 4 Regular, serve para passar o tempo
5 – 6 Bom, cumpre o que promete
7 – 8 Ótimo, tem mais pontos positivos que negativos
9 – 10 Excelente, praticamente perfeito do início ao fim
Votar
resultado parcial...

Nenhum comentário:

Leia também

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...